O silêncio possui qualidades diferentes. Ora, pode ser inquietante, ora pode ser tranquilizante. Existem silêncios ensurdecedores pelo ruído interno desconcertante. Silêncios escuros e angustiantes, sem qualquer sinal de presença de outrém, que inundam a alma com a sensação de desamparo. Provocam sentimentos de extrema solidão e eventualmente alguma tristeza. Silêncios podres. Mas, também há silêncios reconfortantes e pacificadores, sinal de pensamento e esclarecedor de ideias, fruto de um trabalho reflexivo e introspectivo. São silêncios mais criativos e luminosos. São uma via para nos ouvirmos por dentro. É na quietude do silêncio, sem interferências externas ruidosas que alcançamos respostas  talvez mais verdadeiras. Silêncios de ouro.

O Silêncio, de Bergman, filme de 1963, espelha a escassez das palavras como tradutor da angústia perante o  prenúncio de morte da irmã mais velha. Não há-de ser por acaso que o enredo se desenrola numa terra de língua estrangeira completamente desconhecida. A comunicação é preponderantemente feita por gestos e olhares. A palavra reconhecível em ambas as línguas é música, sendo o que se ouve do mais bonito que há de Bach. (E não esqueçamos que na música o tempo de silêncio também é uma nota entre outra nota a ser ouvida). A tensão entre as duas irmãs, entre o corpo incandescente da mais nova e o corpo doente da mais velha que está a morrer, ocupa, silenciosamente, o lugar da linguagem. Torna-se impossível traduzir em palavras a dor das duas personagens femininas e da criança, o filho da irmã mais nova, que lá através do seu desenho mostra quanta aflição também guarda dentro de si. Nem o grito às portas da morte é audível. Retrato da qualidade de um silêncio arrebatador.

Quando alguém se fecha em copas dentro de si, sofrendo em silêncio, por angústias interiores ou devido a situações traumáticas exteriores, é sinal de alarme. Neste casos, há que identificar o nível de gravidade, considerando o risco de malignidade, tal o mesmo que causa o veneno quando corre nas veias. Pode ser mortífero para  a alma e é importante ganhar consciência de tal, por forma a procurar o antídoto, ou seja, a profícua ajuda de alguém.

Podemos evocar, em contraponto, bons silêncios. Tal o poema de Jorge Luís Borges, El Silencio, que evoca a beleza do silêncio como experiência.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Há silêncios esclarecedores. Tais aquelas não respostas que são de alguma forma uma resposta. Silêncios de pousio de ideias, que trarão a elucidação. Silêncios quietos e tranquilos que permitem a descoberta de sentido. Encontrando  algum significado através do silêncio, que paradoxalmente nos faz perscrutar mais sobre nós, sobre questões filosóficas, existenciais, transcendentais, situamo-nos num doce lugar. Afinal, sabemos, que momentos significativos e íntimos são vividos em silêncio sem qualquer necessidade de palavras a acompanhar.

anaeduardoribeiro@sapo.pt