Brasil

O Brasil, as mortes violentas e a incapacidade de raciocínio /premium

Autor
2.601

As pessoas mortas nesse episódio não foram assassinadas apenas pelos dois jovens que cometeram o crime, mas sim por todo o sistema que vem sendo implementado e cultuado no Brasil.

Eu estava em São Paulo na última quarta-feira, quando aconteceu em Suzano, a cerca de 60km da capital, o dilacerante tiroteio numa escola que matou 8 pessoas, sendo 5 adolescentes. E é realmente desesperador testemunhar o tipo de comportamento e de discurso que tomou conta do Brasil no último ano.

A agressividade do discurso de muitos, a falta de qualquer tipo de constrangimento para dizer palavras de intolerância e a imensa quantidade de falas efetivamente criminosas no que tange a racismo, misoginia, xenofobia e sectarismo. Milhares de pessoas — seguindo o bizarro e infeliz exemplo norte americano — perderam completamente a capacidade de dialogar e, acima de tudo, de ter empatia.

Todavia, nem é isso o que mais preocupa acerca o Brasil. O que mais assombra é a total incapacidade de raciocínio que se instaurou. Entre mensagens em massa no whatsapp, fake news e uma mídia escandalosamente manipulada, parece que até mesmo pessoas com alto grau de instrução perderam a capacidade de entender que um mais um é igual a dois.

O massacre ocorrido em Suzano é um resultado evidente da cultura de ódio e da banalização da violência que se espalha pelo país. E, ainda mais óbvio do que isso, é também o resultado de uma política de facilitação de acesso a armas. Mesmo que essa facilitação ainda não esteja efetivamente implementada, o culto às armas e a ilusão de que isso pode ser uma fonte de segurança já se espalha pelo país como uma epidemia.

Armas servem para matar. E ponto. As pessoas mortas nesse episódio não foram assassinadas apenas pelos dois jovens que cometeram o crime, mas sim por todo o sistema que vem sendo implementado e cultuado no Brasil. Um país que elege um presidente que, durante sua campanha segura uma menina de 2 ou 3 anos no colo e a ensina a fazer uma “arminha” com os dedos da mão, também é responsável pela desgraça que aconteceu essa semana.

Mas não. As pessoas perderam a capacidade de entender a dinâmica de causa e consequência. A mentalidade de milhões de brasileiros beira a esquizofrenia. Elegem um governo que promete flexibilizar as leis ambientais e depois choram pelo desastre de Brumadinho. Elegem um governo que promete liberar o porte de arma e depois choram pelo tiroteio na escola Raul Brasil. E não choram por arrependimento, choram por burrice e seguem sem entender que suas mãos também têm vestígios de pólvora.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Xenofobia

Há xenofobia em Portugal? /premium

Ruth Manus
622

Precisamos reconhecer os preconceitos que temos para podermos questionar o porquê deles estarem impregnados em nós e começarmos a combatê-los. E sim, há xenofobia em Portugal, sem sombra de dúvidas.

Smartphones

Uma doença chamada smartphone /premium

Ruth Manus
5.781

As pessoas perderam completamente a noção do que é e do que não é urgente. Perderam a noção do que é horário de trabalho e do que é horário de descanso. Perderam, sobretudo, a noção de presença.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)