Rádio Observador

Eleições no Brasil

O Brasil é uma lição

Autor
  • Teresa Cunha Pinto
415

O Brasil é uma lição que nos mostra até onde o desânimo é capaz de levar uma nação. Até onde vai a capacidade de revolta das pessoas quando nenhuma solução as faz acreditar que a mudança é possível.

Já estávamos à espera. Tudo indicava que sim, mas, inconscientemente, havia sempre uma réstia de esperança que nos fazia crer que tudo podia mudar no último segundo. Mas não. Já não há como ignorar: Bolsonaro é o próximo presidente do Brasil. E quer queiramos, quer não, foi a democracia que o elegeu.

Bolsonaro não chegou até ao Palácio do Planalto sozinho, chegou com o surpreendente apoio de muitos, com a revolta de outros, com o cansaço da corrupção, com as embrulhadas do PT, com a insegurança. Tudo foi terreno fértil para a sua ascensão.

Apesar de ter sido tão falado e comentado por todos, apesar de ter reinado na imprensa nacional e estrangeira e de ter sido tema de tantas conversas entre nós, ainda falta desvendar o que trará a eleição de Bolsonaro para o mundo. O que temos a certeza é que não poderá ser ignorada nem esquecida. Ignorar o problema seria desresponsabilizar o mundo para um problema que não é exclusivo do Brasil, mas, sim, de várias nações.

A falta de confiança na classe política tem levado pessoas a defender aquilo que nunca se acharam capazes, tem levado pessoas ao desespero, à descrença total e à ascensão de ideias radicais. O desespero atingiu níveis tão elevados que parece que tudo vale! É o fracasso da democracia. É o fracasso da classe política que ao longo dos anos se tem revelado incapaz de conduzir um país.

O Brasil é uma lição que nos mostra até onde é que o desânimo é capaz de levar uma nação. Até onde vai a capacidade de revolta das pessoas quando jamais nenhuma solução as faz acreditar que a mudança é possível. É uma lição que nos revela que de uma sociedade polarizada e dividida não pode nascer uma solução capaz de levantar um país e de o fazer crescer.

O Brasil é uma lição, dela podemos aprender o que não queremos, o que recusamos, o que não toleramos. E é por isto que somos muito mais que simples espectadores que se dispõem a comentar e a assistir, impávidos e serenos, em frente à televisão. Somos intervenientes directos num fenómeno que começa a controlar o mundo e que o percorre de uma ponta à outra. Que o Brasil seja, então, uma lição, das que não se esquecem, das que tanto ensinam. Assim saberemos valorizar e fazer valer a democracia!

Estudante, 22 anos

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Comboios

A bordo de um InterRegional

Teresa Cunha Pinto
198

Aceita-se que quem faça viagens nos comboios urbanos possa ir de pé, mas num comboio que liga a Régua ao Porto (1h40 de viagem) não é aceitável.

PSD

A camioneta fantasma do PSD

Teresa Cunha Pinto
155

Tal como o “dente de ouro”, também Rio tem uma lista longa de nomes a abater e é por isso que persegue e cala os companheiros do partido que se opõem às suas ideias e incompetência enquanto líder.

Incêndios

Incêndios: alguém puxou a cassete para trás

Teresa Cunha Pinto

Reduziram Portugal a um campo de batalha dividido ao meio, onde num lado estão os que merecem e do outro os que não merecem. Este país profundamente só e abandonado deixa-nos a todos sem chão.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)