Eleições no Brasil

O Brasil é uma lição

Autor
  • Teresa Cunha Pinto
415

O Brasil é uma lição que nos mostra até onde o desânimo é capaz de levar uma nação. Até onde vai a capacidade de revolta das pessoas quando nenhuma solução as faz acreditar que a mudança é possível.

Já estávamos à espera. Tudo indicava que sim, mas, inconscientemente, havia sempre uma réstia de esperança que nos fazia crer que tudo podia mudar no último segundo. Mas não. Já não há como ignorar: Bolsonaro é o próximo presidente do Brasil. E quer queiramos, quer não, foi a democracia que o elegeu.

Bolsonaro não chegou até ao Palácio do Planalto sozinho, chegou com o surpreendente apoio de muitos, com a revolta de outros, com o cansaço da corrupção, com as embrulhadas do PT, com a insegurança. Tudo foi terreno fértil para a sua ascensão.

Apesar de ter sido tão falado e comentado por todos, apesar de ter reinado na imprensa nacional e estrangeira e de ter sido tema de tantas conversas entre nós, ainda falta desvendar o que trará a eleição de Bolsonaro para o mundo. O que temos a certeza é que não poderá ser ignorada nem esquecida. Ignorar o problema seria desresponsabilizar o mundo para um problema que não é exclusivo do Brasil, mas, sim, de várias nações.

A falta de confiança na classe política tem levado pessoas a defender aquilo que nunca se acharam capazes, tem levado pessoas ao desespero, à descrença total e à ascensão de ideias radicais. O desespero atingiu níveis tão elevados que parece que tudo vale! É o fracasso da democracia. É o fracasso da classe política que ao longo dos anos se tem revelado incapaz de conduzir um país.

O Brasil é uma lição que nos mostra até onde é que o desânimo é capaz de levar uma nação. Até onde vai a capacidade de revolta das pessoas quando jamais nenhuma solução as faz acreditar que a mudança é possível. É uma lição que nos revela que de uma sociedade polarizada e dividida não pode nascer uma solução capaz de levantar um país e de o fazer crescer.

O Brasil é uma lição, dela podemos aprender o que não queremos, o que recusamos, o que não toleramos. E é por isto que somos muito mais que simples espectadores que se dispõem a comentar e a assistir, impávidos e serenos, em frente à televisão. Somos intervenientes directos num fenómeno que começa a controlar o mundo e que o percorre de uma ponta à outra. Que o Brasil seja, então, uma lição, das que não se esquecem, das que tanto ensinam. Assim saberemos valorizar e fazer valer a democracia!

Estudante, 22 anos

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Dia da Mulher

Sobre a mulher, o feminismo e a lei da paridade

Teresa Cunha Pinto
143

O equilíbrio entre o trabalho e a família deverá residir numa escolha pessoal. Arrumar as funções de homem e mulher em caixas fechadas e pré-concebidas é profundamente redutor e castrador de liberdade

PAN

A ditadura da profunda ignorância

Teresa Cunha Pinto
2.732

Desconhecem por completo o mundo rural e a sua verdade. Urbanitas incultos e incoerentes que para se aproximarem do mundo rural precisam de perverter a própria natureza. 

Descentralização

Ainda há quem não queira saber 

Teresa Cunha Pinto
170

Pedem jovens e investimento para o interior, mas como? Como se não lhes são dadas as condições necessárias? A culpa? É de quem esqueceu Portugal. E eles sabem quem são. 

Eleições Europeias

Não há eleições europeias /premium

João Marques de Almeida

O parlamento europeu serve sobretudo para reforçar o poder dos grandes países, cujos partidos dominam os grupos políticos e, principalmente, as comissões parlamentares se fazem as emendas legislativas

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)