Rádio Observador

Poupança

O capital liberta

Autor
221

É do ataque constante ao capital que advêm as empresas descapitalizadas, as famílias endividadas e um Estado sujeito a três resgates internacionais.

O grande problema da economia portuguesa é a falta de capital. Sem capital a maior parte do investimento vem do endividamento. A partir daqui a história é conhecida de todos. Ora, sendo a falta de capital o maior entrave à economia e ao desenvolvimento do país, seria de esperar que o governo fizesse os possíveis para que se acumulasse capital. Seria de esperar que o fizesse, o que não significa que o faça.

Na verdade, o governo faz o oposto: ao invés de incentivar a acumulação de capital, pune quem poupa. A título de exemplo, e só nos últimos dias, temos a alteração à lei do arrendamento e a nova lei que obriga os bancos a comunicarem ao fisco as contas bancárias com saldo superior a 50 mil euros. A partir de agora, os filhos e enteados podem herdar o contrato de arrendamento do inquilino falecido (há casamentos que não duram tanto tempo quanto certas relações entre senhorio e inquilino), as renovações passam a ter uma duração mínima de 3 anos e o senhorio tem a vida mais difícil caso o inquilino não pague a renda. Já quanto às contas bancárias, o fisco, doravante informado dos saldos superiores a 50 mil euros, pode pedir esclarecimentos a qualquer cidadão. Claro que quem não deve não teme. Mas a mera possibilidade do fisco exigir a quem quer que seja que explique como acumulou o dinheiro que tem no banco (levar uma vida frugal pode ser complicado de explicar no mundo actual) é, já de si, uma violação de um direito fundamental numa sociedade que se acredita democrática e livre.

Os argumentos para este tipo de medidas costumam ser benevolentes. No fundo, é preciso apoiar quem precisa. Dizê-lo é fácil e dá votos. Se é bom para o país no seu todo e se os imediatamente beneficiados são desfavorecidos a longo prazo é outra questão. Entretanto, quem ganha no imediato já votou e quem perde só se dá conta muito tarde: quando quem governa já lá não está e não precisa do voto. Mas além desta benevolência primária, a razão para este tipo de leis é punir quem poupa e amealha. Quem cria capital. E é neste ponto que se torna legítimo perguntar por que se pune a acumulação de capital se a sua falta é o principal problema da economia portuguesa? A resposta é simples e está na própria pergunta: para que esse problema não desapareça e a clientela eleitoral por este originada se mantenha. No fundo, para que a dependência continue.

Porque é isto que a esquerda deseja e que a direita devia combater: reduzir a vida à luta por uma bagatela. É com esse objectivo que qualquer tentativa para ultrapassar esta sina deve ser punida, perseguida e explicada. Se alguém viver uma vida frugal, poupar, comprar uma casa e investir, arrendando-a, deve ser penalizado. Se outro viver também uma vida frugal e guardar o dinheiro no banco, deve explicar por que o faz em vez de o gastar.

Para o neo-socialismo o dever de um bom cidadão é gastar; consumir. É muito interessante perceber como a esquerda depende do consumismo ao ponto de sem este não haver crescimento que sustente a dívida. Para o socialismo, o bom cidadão é aquele que gasta o que ganha, não o que guarda ou investe. A que acresce outro resultado que torna o consumo desenfreado no novo aliado do socialismo fanfarrão que nos governa: quem poupa torna-se independente e pode pensar pela sua cabeça. Já quem gasta depende dos outros. Quem gasta não tem um fundo de segurança. Quem gasta depende inteiramente de um emprego, de preferência no Estado, do sindicato que vela por si. Vota tendencialmente no imediato e não pensa no longo prazo. É mais provável que não se interessa pelo colectivo, mas pelo que directamente o afecta. Pode ser solidário no abstracto, mas egoísta no concreto e atento ao político que protege o seu mundo.

Por isso, a falta de capital não é apenas o grande problema da economia portuguesa. É também o maior problema de Portugal. E a direita, além de não dever apoiar a recandidatura de Marcelo à presidência, devia começar por aqui. Pela necessidade de se amealhar capital. A bem da economia e da liberdade dos cidadãos.

Advogado

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
PSD

O que é que fizeram à direita? /premium

André Abrantes Amaral

O PSD que vai a votos a 6 de Outubro não é o que governou entre 2011 e 2015. É o PSD de Rui Rio, de Pacheco Pereira e de Ferreira Leite. É o PSD dos que concertadamente comentam realidades virtuais.

Brexit

Um elogio ao parlamentarismo britânico /premium

André Abrantes Amaral

O referendo, com o seu carácter limitativo da discussão em causa, não permite um debate verdadeiro com negociação e cedência. Passada a tempestade, a democracia parlamentar britânica sairá reforçada.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)