Assembleia Da República

O caso das vacinas

Autor
  • Luis Teixeira

A hipótese da ignorância é pertinente: os senhores deputados decretam vacinas com o mesmo atrevimento e o mesmo desprezo pela evidência científica com que os movimentos anti-vacinas querem impedi-las.

Graça Freitas, directora-geral da Saúde, inquirida sobre a novidade da prescrição de vacinas pelos deputados da República, disse ter a “certeza absoluta” de que os deputados são “pessoas extremamente sensíveis” e evitarão, no futuro, “pôr em risco os critérios técnico-científicos, a evidência científica e as boas práticas médicas”. A directora-geral da Saúde foi inexcedivelmente educada. É óbvio para toda a gente que os senhores deputados já puseram em risco “os critérios técnico-científicos, a evidência científica e as boas práticas médicas”. Na verdade, pisotearam-nos. Pelo que a questão que se coloca agora é outra: fizeram-no por ignorância ou com dolo?

A hipótese da ignorância é pertinente: afinal, os senhores deputados decretam vacinas com o mesmo atrevimento e o mesmo desprezo pela evidência científica com que os movimentos anti-vacinas querem impedi-las. Já a hipótese do dolo nasce de um pormenor inverosímil: que o parlamento se tenha dado ao trabalho de ouvir a Apifarma sem que, ao mesmo tempo, considerasse necessário ou útil ouvir a DGS ou a Comissão Técnica de Vacinação, organismos públicos que habitualmente emitem pareceres nesta área. Neste passo em falso vêem alguns a evidência de escabrosas relações entre a indústria e o poder. Eu não sei. Não sou do ministério público nem romancista; e não vou portanto perder tempo com suposições infundadas. Mas teria, sem dúvida, ficado bem aos senhores deputados recordar que, à mulher de César, não basta ser honesta.

Há neste caso matéria para preocupações mais sérias. Se os deputados agora acharam natural escolher vacinas por decreto, não foi por súbita insanidade; é porque foram habituados a isso. Tradicionalmente, cabia ao parlamento decidir sobre tópicos que, sendo práticos, remetiam directamente para as políticas de saúde: as taxas moderadoras, por exemplo; ou os requisitos legais para realização de um aborto. Mas depois passou-se para a discussão de temas “fracturantes”, como saber que perguntas deviam ou não deviam ser feitas aos dadores de sangue; ou se as “medicinas alternativas” deviam integrar o Serviço Nacional de Saúde. A própria DGS, que agora se vê desautorizada, gosta de pedir aos deputados que legislem sobre o açúcar nas gasosas e outros temas de higiene. Enfim, não podemos esquecer a necessidade que tem havido amiúde de intervir sobre os efeitos práticos das cativações do ministro Centeno – temos o caso dos dois aceleradores aprovados desde 2014 para a radioterapia do IPO de Lisboa; ou a trapalhada das instalações da oncologia pediátrica do Hospital de S. João. Porque não vacinas no orçamento?

Uma nota final. Percebe-se que o BE e o PCP entendam que escolher vacinas é da competência dos políticos: faz parte da visão marxista do mundo que tudo é ideologia. É mais difícil compreender que o PSD participe nessa tolice. Excepto, lá está, por oportunismo. Péssimo.

Médico

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
ADSE

A saúde é um negócio

Luis Teixeira

Não há nenhuma evidência de que impedir organizações privadas na saúde melhore os cuidados. Pelo contrário: o monopólio estatal traduz-se geralmente em iniquidade, desperdício e nepotismo.

Terrorismo

O melro de Rushdie /premium

Luis Teixeira

Foi há 30 anos e Khomeini tinha uma razão mesquinha para lançar a fatwa que condenava Rushdie à morte: precisava de congregar à sua volta as multidões desiludidas com o fiasco da guerra com o Iraque.

Crónica

O regresso do Rei

Luis Teixeira

Os professores acreditam que os 9 anos, 4 meses e 2 dias de tempo de serviço congelado hão-de sair do nevoeiro da dívida e os enfermeiros, que os 68% de aumento hão-de chegar com a maré. 

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)