Assembleia Da República

O caso das vacinas

Autor
  • Luis Teixeira

A hipótese da ignorância é pertinente: os senhores deputados decretam vacinas com o mesmo atrevimento e o mesmo desprezo pela evidência científica com que os movimentos anti-vacinas querem impedi-las.

Graça Freitas, directora-geral da Saúde, inquirida sobre a novidade da prescrição de vacinas pelos deputados da República, disse ter a “certeza absoluta” de que os deputados são “pessoas extremamente sensíveis” e evitarão, no futuro, “pôr em risco os critérios técnico-científicos, a evidência científica e as boas práticas médicas”. A directora-geral da Saúde foi inexcedivelmente educada. É óbvio para toda a gente que os senhores deputados já puseram em risco “os critérios técnico-científicos, a evidência científica e as boas práticas médicas”. Na verdade, pisotearam-nos. Pelo que a questão que se coloca agora é outra: fizeram-no por ignorância ou com dolo?

A hipótese da ignorância é pertinente: afinal, os senhores deputados decretam vacinas com o mesmo atrevimento e o mesmo desprezo pela evidência científica com que os movimentos anti-vacinas querem impedi-las. Já a hipótese do dolo nasce de um pormenor inverosímil: que o parlamento se tenha dado ao trabalho de ouvir a Apifarma sem que, ao mesmo tempo, considerasse necessário ou útil ouvir a DGS ou a Comissão Técnica de Vacinação, organismos públicos que habitualmente emitem pareceres nesta área. Neste passo em falso vêem alguns a evidência de escabrosas relações entre a indústria e o poder. Eu não sei. Não sou do ministério público nem romancista; e não vou portanto perder tempo com suposições infundadas. Mas teria, sem dúvida, ficado bem aos senhores deputados recordar que, à mulher de César, não basta ser honesta.

Há neste caso matéria para preocupações mais sérias. Se os deputados agora acharam natural escolher vacinas por decreto, não foi por súbita insanidade; é porque foram habituados a isso. Tradicionalmente, cabia ao parlamento decidir sobre tópicos que, sendo práticos, remetiam directamente para as políticas de saúde: as taxas moderadoras, por exemplo; ou os requisitos legais para realização de um aborto. Mas depois passou-se para a discussão de temas “fracturantes”, como saber que perguntas deviam ou não deviam ser feitas aos dadores de sangue; ou se as “medicinas alternativas” deviam integrar o Serviço Nacional de Saúde. A própria DGS, que agora se vê desautorizada, gosta de pedir aos deputados que legislem sobre o açúcar nas gasosas e outros temas de higiene. Enfim, não podemos esquecer a necessidade que tem havido amiúde de intervir sobre os efeitos práticos das cativações do ministro Centeno – temos o caso dos dois aceleradores aprovados desde 2014 para a radioterapia do IPO de Lisboa; ou a trapalhada das instalações da oncologia pediátrica do Hospital de S. João. Porque não vacinas no orçamento?

Uma nota final. Percebe-se que o BE e o PCP entendam que escolher vacinas é da competência dos políticos: faz parte da visão marxista do mundo que tudo é ideologia. É mais difícil compreender que o PSD participe nessa tolice. Excepto, lá está, por oportunismo. Péssimo.

Médico

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Greve

Há lodo no cais /premium

Luis Teixeira
156

As considerações jesuíticas que o CSM fez em causa própria, ao defender para os juízes a “dupla condição” de orgão de soberania e de “profissionais” não passam de um miserável exercício de hipocrisia.

Enfermeiros

A greve do terror

Luis Teixeira
2.503

Não interessa para o caso a razão que possam ter, ou não, os enfermeiros. A estratégia que escolheram é malévola e inaugura em Portugal um estilo perigosíssimo de fazer greve.

Eleições no Brasil

O caso Bolsonaro

Luis Teixeira
432

Enquanto grita contra o fascismo perde a oportunidade de perceber o que querem os eleitores que votaram Bolsonaro. Faz mal. Quando as elites e o povo se desentendem não são as elites que mudam de povo

Crónica

Deputados da Danação /premium

Tiago Dores
298

A AR não é só doutores que fabricam currículos, é também representantes de profissões humildes, como a deputada Mercês Borges, ascensorista, como se vê pelo modo com que carrega em botões pelos outros

Crónica


Ho! Ho! Ho! A greve chegou! /premium

Tiago Dores

A minha greve predilecta está a ser a dos enfermeiros. Para a viabilizar fizeram-se contas e iniciaram uma campanha de crowdfunding. Estamos pois na presença da primeira greve com um modelo de negócio

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)