Assembleia Da República

O caso das vacinas

Autor
  • Luis Teixeira

A hipótese da ignorância é pertinente: os senhores deputados decretam vacinas com o mesmo atrevimento e o mesmo desprezo pela evidência científica com que os movimentos anti-vacinas querem impedi-las.

Graça Freitas, directora-geral da Saúde, inquirida sobre a novidade da prescrição de vacinas pelos deputados da República, disse ter a “certeza absoluta” de que os deputados são “pessoas extremamente sensíveis” e evitarão, no futuro, “pôr em risco os critérios técnico-científicos, a evidência científica e as boas práticas médicas”. A directora-geral da Saúde foi inexcedivelmente educada. É óbvio para toda a gente que os senhores deputados já puseram em risco “os critérios técnico-científicos, a evidência científica e as boas práticas médicas”. Na verdade, pisotearam-nos. Pelo que a questão que se coloca agora é outra: fizeram-no por ignorância ou com dolo?

A hipótese da ignorância é pertinente: afinal, os senhores deputados decretam vacinas com o mesmo atrevimento e o mesmo desprezo pela evidência científica com que os movimentos anti-vacinas querem impedi-las. Já a hipótese do dolo nasce de um pormenor inverosímil: que o parlamento se tenha dado ao trabalho de ouvir a Apifarma sem que, ao mesmo tempo, considerasse necessário ou útil ouvir a DGS ou a Comissão Técnica de Vacinação, organismos públicos que habitualmente emitem pareceres nesta área. Neste passo em falso vêem alguns a evidência de escabrosas relações entre a indústria e o poder. Eu não sei. Não sou do ministério público nem romancista; e não vou portanto perder tempo com suposições infundadas. Mas teria, sem dúvida, ficado bem aos senhores deputados recordar que, à mulher de César, não basta ser honesta.

Há neste caso matéria para preocupações mais sérias. Se os deputados agora acharam natural escolher vacinas por decreto, não foi por súbita insanidade; é porque foram habituados a isso. Tradicionalmente, cabia ao parlamento decidir sobre tópicos que, sendo práticos, remetiam directamente para as políticas de saúde: as taxas moderadoras, por exemplo; ou os requisitos legais para realização de um aborto. Mas depois passou-se para a discussão de temas “fracturantes”, como saber que perguntas deviam ou não deviam ser feitas aos dadores de sangue; ou se as “medicinas alternativas” deviam integrar o Serviço Nacional de Saúde. A própria DGS, que agora se vê desautorizada, gosta de pedir aos deputados que legislem sobre o açúcar nas gasosas e outros temas de higiene. Enfim, não podemos esquecer a necessidade que tem havido amiúde de intervir sobre os efeitos práticos das cativações do ministro Centeno – temos o caso dos dois aceleradores aprovados desde 2014 para a radioterapia do IPO de Lisboa; ou a trapalhada das instalações da oncologia pediátrica do Hospital de S. João. Porque não vacinas no orçamento?

Uma nota final. Percebe-se que o BE e o PCP entendam que escolher vacinas é da competência dos políticos: faz parte da visão marxista do mundo que tudo é ideologia. É mais difícil compreender que o PSD participe nessa tolice. Excepto, lá está, por oportunismo. Péssimo.

Médico

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Aquecimento Global

Uma terra sem amos

Luis Teixeira

Confesso. Não tenho nada contra campanhas pelo ambiente mas tenho contra os movimentos de “jovens”. A última vez que o Ocidente conheceu grandes movimentos de jovens os resultados não foram brilhantes

Extremismo

Fascismo nunca mais!

Luis Teixeira
1.410

A nossa esquerda radical cultiva abundantemente traços claramente fascistas. O ódio à burguesia. O amor pelos movimentos de massas. A criminalização dos comportamentos. A defesa despudorada da censura

ADSE

A saúde é um negócio

Luis Teixeira
205

Não há nenhuma evidência de que impedir organizações privadas na saúde melhore os cuidados. Pelo contrário: o monopólio estatal traduz-se geralmente em iniquidade, desperdício e nepotismo.

Governo

Metternich e o familygate

Pedro Barros Ferreira

Mais leis? Valha-me Deus! Já estou a ver a discussão em comissão e em plenário, as audições às Ordens e aos Provedores (não esquecendo sindicatos), as alterações que o Constitucional vai mandar fazer.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)