Rádio Observador

Filosofia Política

O colapso moral da esquerda: Freud explica

Autor
325

As esquerdas persistem em autoidentificações como ‘socialistas’ ou ‘comunistas’ como se Estaline, Mao Tsé-Tung ou Pol Pot não partilhassem essas identidades enquanto praticavam genocídios.

A subjetividade da condição humana dificilmente permite o recurso a adjetivações como ‘superioridade’ e ‘inferioridade’ moral. Ainda assim, o campo político está próximo de justificar tratamento excecional dado o modo altivo com que muitos dos seus agentes invadem a vida de todos nós, destacando-se a hegemonia das esquerdas em atitudes e comportamentos de superioridade moral.

Todavia, com demasiada frequência o correr do tempo evidencia que políticas inspiradas por tal superioridade afastam sociedades, comunidades ou grupos da prosperidade. Uma ordem moral superior que conduz a resultados inversos é ela mesma disfuncional.

Nascidas da necessidade de regular os instintos primários da espécie, as sociedades reinventam-se a partir de ordens morais que funcionam em torno de interditos. Nos primórdios, não matar (o animal totémico que simbolizava o fundador ancestral) e não cometer o incesto (que impunha a exogamia, condição de sobrevivência da espécie). Para Freud, esses terão sido os interditos fundadores do sentido de pertença a uma comunidade.

Entretanto, um longuíssimo processo de transformação histórica foi renovando os significados dos interditos e acrescentando outros, como não violentar a integridade física e psicológica dos indivíduos, nas sociedades sofisticadas extensível à propriedade individual.

Falta um detalhe fundamental. Para Freud, não existiam ordens morais férteis, isto é, comunidades prósperas sem a saliência de sentimentos coletivos de arrependimento, remorso e culpa resultantes do parricídio do fundador. Considerando o valor simbólico desse princípio, uma ordem moral será viável quando existirem sentimentos de culpa pelo destino coletivo interiores a cada sociedade, aos próprios sujeitos.

O decurso posterior do século XX acabaria por abalar as teses freudianas explicitadas em 1912-1913 em ‘Totem e Tabu’. Isso porque a revolução russa de 1917, depois ampliada pelas independências asiáticas e africanas após a segunda guerra mundial (1939-1945) e por um conjunto de processos revolucionários, espoletou um furacão revolucionário que atingiu os fundamentos históricos da ordem moral das sociedades. Tornou-se legítimo que estas também pudessem reinventar o seu destino orientadas por ideais de vitimização.

Por essa razão devemos ao século XX a fragmentação entre um tipo de ordem moral de sentido edipiano-freudiano e um tipo de ordem moral de sentido revolucionário. O primeiro identificado com ideais conservadores em sociedades de secular tradição cristã, o do complexo de culpa. O segundo mais universal e identificado com ideais progressistas, o do princípio da vitimização. Neste caso, os sentimentos de culpa pelo que prejudica sociedades, comunidades ou grupos são remetidos para o que lhes é exógeno: ‘capitalismo’, ‘imperialismo’, ‘ricos’, ‘burgueses’, ‘fascistas’, ‘colonialismo’, ‘brancos’, ‘racismo’, ‘Ocidente’, ‘América’, ‘Bruxelas’, entre outros.

À medida que as poeiras da história assentam ao fim de um século de revoluções, as teses freudianas recuperam fôlego. Tem sido nas ordens morais e sociais de matriz não-edipiana (do ideal de vitimização) que sobressaem com muitíssimo mais frequência fenómenos disruptivos que, não raro, acabam remetidos das periferias para o âmago da vida quotidiana. Nestes casos, o tempo torna bem mais comum os indivíduos viverem expostos à criminalidade, corrupção, crises endémicas, falta de prosperidade, abusos de poder, anomia social ou, no limite, falência do estado. Trata-se de sistemas institucionais ou sociais com forte incapacidade em exorcizar males cuja génese é, sempre e acima de tudo, endógena.

Uma parte da América do Sul e da África do século XXI ameaçam transformar-se em casos extremos de características partilhadas por diversas identidades coletivas.

Nesta perspetiva, as crises atuais resultam de disfunções das ordens morais. Na origem está, insisto, um século XX que legou à condição humana um fardo pesadíssimo, apenas parcialmente suportável. Associa-se ao facto dos referentes fundadores da direita e da esquerda, os seus campos radicais, terem sido responsáveis por muitos milhões mortos. Para Freud, os pais fundadores originários eram necessariamente violentos, razão do parricídio. O detalhe reside, por isso, no modo como, desde o século passado, tem sido gerida a quebra massificada do interdito fundador das ordens morais, não matar, pelas tendências ideológicas de direita e de esquerda que, entretanto, se tornam hegemónicas na regulação da vida social um pouco por todo o mundo.

O modelo comparativo dessa fragmentação é identificável nas atitudes e comportamentos em relação ao seu passado violento, por um lado, dominantes nas gerações alemãs pós-Hitler até à atualidade, considerando que Hitler personificou o mal coletivo alemão (o nazismo representa o extremo da violência radical da direita) e, por outro lado, dominantes nas gerações russas pós-Lenine e sobretudo pós-Estaline até ao presente, também considerando que personificaram a versão russa do mal coletivo (o estalinismo representa o extremo fundador da violência radical de esquerda).

Num caso, foi possível gerar uma ordem moral viável e, como consequência, uma sociedade próspera entre aqueles que de modo persistente, e ao longo de décadas, têm trazido o seu mal para a luz do dia, por muito que os perturbe, sem omitir os mais ínfimos ou sórdidos detalhes. Noutro caso, foi gerada uma ordem moral estéril, incapaz de gerar prosperidade, entre aqueles que nunca assumiram na plenitude a natureza do seu mal e que, em geral, evitam, negam, suavizam, disfarçam, escondem, atiram culpas próprias para terceiros.

Os povos são produto do modo como pensam e regulam o mal endógeno. É o que distingue a Alemanha da Rússia de hoje, mas poderia ser do mundo árabe.

O alemães serão provavelmente o último dos povos onde a violência racial voltará a ser assassina, tal como os portugueses serão o último dos povos onde algo semelhante à violência inquisitorial voltará a matar. Ostensivos e permanentes exorcismos da violência dos próprios contam-se entre as mais importantes pré-condições de prosperidade.

Não por mero acaso, será difícil as direitas retomarem a autoidentificação de ‘nacional-socialistas’ ou ‘nazis’, sintoma de uma relação moral saudável com o passado entre os que aprendem com os seus próprios erros. Em sentido contrário, as esquerdas persistem em autoidentificações como ‘socialistas’ ou ‘comunistas’ como se Estaline, Mao Tsé-Tung, Pol Pot e outros tantos ditadores não partilhassem essas identidades enquanto praticavam genocídios ou escapavam a responsabilidades diretas pela morte de milhões de seres humanos.

Em Portugal, a toxicidade da instrumentalização moral da vitimização é a razão de ser do PCP ou do BE, mas não menos de um PS tratado com imoral condescendência pelos próprios. Freud explica.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Ambiente

«A Amazônia é do Brasil, não é de vocês!»

Gabriel Mithá Ribeiro
180

Como se explica a invisibilidade da ameaça ambiental em paragens com governos amigos de esquerda, alguns deles recordistas em atropelos ambientais, como a China ou grandes partes de África?

Política

Bem-vindo Donald Trump, António Costa merece!

Gabriel Mithá Ribeiro
357

A direita em Portugal, e o PSD muito em particular, nunca foram capazes de afirmar um discurso sociológico autónomo. CDS-PP e PSD insistem em nem sequer o tentar, mesmo quando se aproximam eleições.

Racismo

A deficiência moral da esquerda branca e activista

Gabriel Mithá Ribeiro
3.277

A esquerda branca cujos rostos andam pela universidade e pela comunicação social transformou a pobreza material das minorias, por tradição circunstancial, em miséria moral que torna a pobreza endémica

Política

A direita em crise?

Luiz Cabral de Moncada

A perda de terreno eleitoral pela direita só significa que a esquerda assimilou o que aquela de melhor tem, o liberalismo económico e social. Está em crise? Não, já ganhou no terreno das ideias.

Liberalismo

Para o menino Adam Smith, uma salva de palmas!

Sérgio Barreto Costa
127

Adam Smith festejaria a 5 de Junho, se fosse imortal como as suas ideias, os seus 296 anos e por certo o faria na sua linguagem moderada, humana e carregada de empatia em relação aos menos afortunados

Política

O Estado concorrente é desleal

Mário Pinto

Sou contra as concepções de Estado concorrenciais da precedência da liberdade e responsabilidade dos cidadãos, isto é, dos seus direitos fundamentais de liberdade e dos seus deveres de solidariedade.

Socialismo

Má-fé socialista /premium

José Miguel Pinto dos Santos

Não é a situação social em Portugal muito melhor que na Venezuela — e que nos outros países socialistas? Sim, mas quem está mais avançado na implantação do socialismo, Portugal ou Venezuela?

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)