Economia em dia com a CATÓLICA-LISBON

O crescimento parou?

Autor
  • Leonor Modesto
212

Sociedades mais envelhecidas inovam menos e, sem inovação, o crescimento acaba. Mas em Portugal o sistema fiscal desencoraja a natalidade e na educação estamos agora a acabar com a exigência que havia

Durante o século passado a economia mundial registou um crescimento continuado, que se traduziu numa importante melhoria das condições de vida da população. No entanto, começamos a observar uma redução, que alguns já consideram preocupante, nas taxas de crescimento das economias mais desenvolvidas e mesmo nalgumas economias emergentes. Começa-se a falar em estagnação e a grande preocupação é se este fenómeno veio para ficar. Será que o crescimento parou? E quais as causas desta desaceleração? Será que as podemos contrariar ou temos de nos resignar a viver em economias estagnadas?

Um trabalho recente avança a hipótese deste fenómeno estar ligado à evolução demográfica. Nas últimas décadas assistimos a um aumento da esperança média de vida e a uma importante redução da fertilidade nas economias desenvolvidas. A importância relativa dos mais velhos na população total aumentou e a percentagem de jovens e crianças caiu compensatoriamente. Usando dados para 21 países da OCDE (Portugal está incluído) este estudo mostra que o envelhecimento da população implica uma redução importante no crescimento do produto, prevendo que na próxima década reduza o crescimento médio em 75%.

O principal canal através do qual o envelhecimento da população reduz o crescimento é uma menor capacidade de inovação. Os resultados mostram que são os trabalhadores dos 20 aos 45 anos que mais contribuem para a inovação. Pelo contrário sociedades mais envelhecidas inovam menos e, sem novas tecnologias, o crescimento acaba.

Uma vez que vivemos mais, a solução para voltarmos a trajetórias de crescimento de longo prazo será um aumento da natalidade e investimento em educação. De início isto implicará custos acrescidos e consequentemente uma redução no produto. No entanto, à medida que esta nova geração inovadora entrar no mercado de trabalho o investimento e o PIB aumentarão.

De acordo com esta visão, a principal restrição ao crescimento vem do homem e não das máquinas. Sem inventores não há novas tecnologias e sem estas o crescimento estagna. Esta argumentação torna o capital humano o principal motor do crescimento das economias e traduz-se em recomendações de política diretas e simples: é preciso fomentar a natalidade e melhorar o sistema educativo.

Os países do Norte da Europa já estão a fazer isto com excelentes resultados. E nós? O sistema fiscal que temos desencoraja a natalidade e não há memória de a termos alguma vez fomentado. Quanto à educação estamos agora a acabar com a exigência que ainda havia. Parte dos exames existentes vão passar a ser meras provas de aferição e os programas foram simplificados. Proíbe-se ainda as famílias mais pobres de escolherem as melhores escolas para os seus filhos para garantir alunos nas escolas públicas. Será que assim vamos produzir adultos inovadores? Outro grande problema é que aqueles que ainda produzimos estão a ir todos para o estrangeiro. A continuarmos assim podemos anunciar que, de facto, em Portugal o crescimento parou.

Leonor Modesto

Professora Catedrática da Católica Lisbon School of Business and Economics, lrm@ucp.pt

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Crónica

Portugal, um país à prova de fake news /premium

José Diogo Quintela
123

Porra Vasily! Então, mas o que é que andas a fazer, pá? Portugal não necessita dos nossos trolls, nem das nossas fake news. Os partidos tradicionais encarregam-se de escangalhar a imagem da democracia

Televisão

Os novos gladiadores /premium

Laurinda Alves

Tal como na Roma antiga se juntavam multidões para incitar ver morrer gladiadores, também os espetadores do Jeremy Kyle Show gostavam de ter sangue todas as manhãs e de ver inocentes lançados às feras

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)