Rádio Observador

Cristianismo

O cristianismo arrancado pelas raízes

Autor
1.152

As elites europeias, com o seu desinteresse pelo destino da cristandade oriental, admitem que o multiculturalismo está condenado no Médio Oriente. Porque pensam então que terá futuro na Europa?

No passado Dia de Ramos, os jihadistas mataram 45 cristãos no Egipto. Legitimamente horrorizados pelos atropelamentos na Europa, esquecemos que a maior parte das brutalidades do fundamentalismo islâmico se exerce fora da Europa, sobretudo no Médio Oriente. Os alvos são as comunidades religiosas condenadas pelo Islão sunita, como os muçulmanos xiitas e, claro, os cristãos (os judeus já foram, na sua maioria, empurrados para Israel). A perseguição e o massacre das comunidades cristãs do Médio Oriente e do norte de África é uma das grandes tragédias do nosso tempo. A Europa, no entanto, parece indiferente ou pelo menos evita reconhecer um caso específico. Talvez valha a pena reflectir nisso hoje, Sexta-Feira Santa.

Há quem atribua a indiferença dos governos ocidentais a cautelas estratégicas (evitar marcar as comunidades cristãs com uma solidariedade comprometedora, por exemplo). Mas talvez haja outras dificuldade, como a errada assimilação entre o Médio Oriente e o Islão, que fará alguns encarar o desaparecimento do cristianismo na região como algo de inevitável. Acontece que os cristãos do Médio Oriente, que representam a mais antiga das cristandades, não estão a extinguir-se “naturalmente”. No princípio do século XX, apesar de séculos de discriminação e repressão islâmica, cerca de um quinto das populações do Médio Oriente ainda eram cristãs. No Egipto e na Síria de hoje, aliás, continuam a ser 10%. É essa heterogeneidade cultural e étnica que está a ser eliminada por repetidos apelos à jihad, como o que os Otomanos lançaram durante a I Guerra Mundial. Os cristãos foram as suas principais vítimas. Primeiro, houve o genocídio dos cristãos arménios (1,5 milhões de mortos?) e assírios. Depois, a matança e a expulsão dos cristãos gregos (700 000 mortos e 1 milhão de refugiados?). Os jihadistas de hoje propõem-se completar essa limpeza pelos mesmos métodos.

No século XIX, as potências europeias ainda protegeram os cristãos sob domínio islâmico no Médio Oriente. Depois da I Guerra Mundial, quando exerceram mandatos na região em nome da Sociedade das Nações, desenharam um Estado para os cristãos, o Líbano. Acabaria subvertido pela demografia e pela violência sectária (os cristãos, que eram a maioria, são hoje a minoria). No Médio Oriente, resta hoje aos cristãos esperar a benevolência de algum ditador militar interessado em dividir para reinar, ou convencido de que uma minoria perseguida, à mercê do poder, será sempre mais leal. Por isso, na Síria estão com Assad, e no Egipto com Al-Sisi. Mas por isso também, os jihadistas os atacam especialmente, para deslegitimarem os poderes estabelecidos como protectores do cristianismo.

É verdade que o Islão é diverso e não tem uma história de maior intolerância do que outras religiões ou ideologias seculares (na Birmânia, são os budistas que perseguem violentamente os muçulmanos). Também é verdade que o maior confronto religioso no Médio Oriente passa por dentro do Islão (sunitas contra xiitas). O ponto aqui é que a religião, sobretudo depois do fracasso dos nacionalismos árabe e turco, é hoje o fundamento identitário principal no Médio Oriente. Essa é a segunda dificuldade das elites europeias, profundamente secularizadas, perante o martírio dos cristãos orientais: não conseguem levar a sério a religião como identidade cultural e base de uma comunidade. Ao Islão, ainda respeitam, como relíquia terceiro-mundista, com cuja salvaguarda tentam expiar velhas culpas coloniais; mas não ao cristianismo, que na Europa julgam ter substituído de vez, enquanto razão de pertença e de lealdade, pela nação ou pela lei secular. No Médio Oriente, porém, a religião é a cultura, é a comunidade, é até a lei. No fundo, as elites europeias, com o seu desinteresse pelo destino da cristandade oriental, estão a admitir que o multiculturalismo está condenado no Médio Oriente. Porque pensam então que terá futuro na Europa?

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Civilização

A Europa e a cultura do repúdio

Pedro Morais Vaz
140

A maior ameaça ao futuro da Europa reside no que Roger Scruton apelidou de “cultura do repúdio” e que se propõe repudiar tudo o que encara como tipicamente “nosso” para que ninguém se sinta "excluído"

Terrorismo

Cristianofobia: um novo holocausto? /premium

P. Gonçalo Portocarrero de Almada
5.417

Em 2018, foram mortos 4.305 fiéis e detidos 3.125 cristãos;1.847 igrejas e edifícios cristãos foram destruídos, incendiados ou vandalizados por ódio à fé em Cristo.

Cristianismo

Nos portais do mistério, com Charles Péguy

Jaime Nogueira Pinto
249

De maioria que éramos, dominante e governante, e por isso até arrogante, nós cristãos, na Europa e no mundo, estamos a ficar minoria e voltámos a ser perseguidos, alvo de atentados, de discriminações.

Páscoa

Quaresma introspetiva!...

Nuno Pires

A celebração da Páscoa deve ser potenciadora de uma renovação que marque, dure e perdure, baseada na humildade sem subserviência, na voluntariedade com coerência e na urbanidade sem formalidade.

Páscoa

Judas Iscariotes reabilitado /premium

P. Gonçalo Portocarrero de Almada
475

Apesar da traição, Judas Iscariotes provavelmente arrependeu-se e salvou-se: onde há contrição e esperança, a misericórdia não pode faltar!

Identidade de Género

Minorias de estimação /premium

Laurinda Alves

No dia em que as casas de banho das escolas forem obrigatoriamente abertas a rapazes e raparigas de todas as idades, as agressões vão escalar e a “pressão dos pares” poderá ser ainda mais perversa.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)