Mundo

O deja vu, ou um sinal da história?

Autor
  • Luciano Gomes

Muitas das modernas democracias estão enfraquecidas e incapazes de dar resposta a problemas como o desemprego, a corrupção ou as catástrofes humanas resultantes dos movimentos migratórios.

O crescimento das ideias e partidos políticos extremistas (direita ou esquerda) na Europa e no mundo, não é de agora, nem tão-pouco um problema atual.

No pós I Guerra Mundial, os EUA viveram um período de grande prosperidade e desenvolvimento económico, muito por força da inovação tecnológica, aumento da produção agrícola e crescimento financeiro. Período de grande consumismo e especulação bolsista e que resultou na chamada crise de 1929, após a “ quinta-feira negra”, dia conhecido pelo crash na bolsa de Wall Street, em Nova Iorque. Milhares de bancos e empresas faliram, o desemprego aumentou assustadoramente e o consumo diminuiu drasticamente.

A crise americana, conhecida por Grande Depressão, mundializou-se e trouxe graves consequências ao Globo, uma vez que a economia norte-americana era dominante, os seus capitais proliferavam por todos os países e a sua produção era praticamente metade da produção mundial. Ou seja, a Europa estava muito dependente dos EUA. Seguiram-se as inevitáveis consequências sociais decorrentes de um forte aumento do desemprego que afectou todas as classes sociais.

No início da década de 30, em resultado das inúmeras falências de bancos e empresas, da quebra de produção ao nível da indústria e comércio, o desemprego nos EUA e na Europa (Grã-Bretanha e Alemanha) atingiu níveis nunca vistos, levando milhares de pessoas à mendicidade.

Os problemas sócio-económicos criados pela Grande Depressão, colocaram em causa os Democracias Parlamentares. Gerou-se um clima de conflitos sociais, protestos e greves, ambiente favorável ao aparecimento de grupos extremistas que capitalizaram a seu favor, o descontentamento popular. O racismo e xenofobia cresceram, ao mesmo tempo que os partidos extremistas responsabilizavam os partidos demo-liberais pelos malefícios da crise.

Poder-se-á dizer que a Grande Depressão provocou um generalizado descrédito no sistema capitalista democrático-liberal, enquanto as ditaduras foram crescendo, principalmente na Europa, durante os anos 30.

Hitler, Mussolini e tantos outros, não são fruto do acaso. Basta perceber o caso Alemão. Em 1933, a frágil República de Weimar, tinha 6 milhões de desempregados, reinava a descrença e naturalmente que o principal beneficiário desse descontentamento foi o partido nazi que um ano antes, através de eleições, chegou ao poder pela mão de Adolf Hitler.

O resto também é conhecido e resultou na Segunda Guerra Mundial.

E o presente? Será que aprendemos com o passado?

Os portugueses são pioneiros da globalização, no seu primeiro momento, muito à custa dos descobrimentos no Séc. XV. Modernamente e após a queda do muro de Berlin e o fim da URSS, o neoliberalismo desenvolveu-se por todo o mundo. Apesar das vantagens, e são muitas, há hoje grandes desigualdades entre países, pelo facto da riqueza mundial estar concentrada nos países mais ricos.

As desigualdades sociais vão-se acentuando, a insegurança é crescente, tal como o avanço do racismo e xenofobia. Muitas das modernas democracias estão enfraquecidas e incapazes de dar resposta a problemas como o desemprego, a crise do estado social, a corrupção, para não falar das catástrofes humanas resultantes dos movimentos migratórios, entre outros conflitos.

Os nacionalismos vão fazendo o seu caminho e os Brexits, Le Pen, Trumps e Bolsonaros vão-se multiplicando um pouco por todo o lado, nem que seja, no caso europeu, até ao final do seu projecto mais importante: União Europeia.

Professor

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Mundo

Delitos de Opinião

António Cruz Gomes

Parece chegado o momento premente dos “Políticos” de cada País determinarem o que deve mudar para salvação do Mundo e preservação da nossa descendência.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)