Rádio Observador

Incêndios

O dr. Costa é mau demais para ser mentira

Autor
8.941

O que não faz sentido é que o dr. Costa se julgue no direito de governar pessoas minimamente saudáveis ou de conviver com elas. Como não faz sentido que esta apatia com fronteiras se suponha um país.

Se fosse uma personagem de ficção, o dr. Costa seria exagerado e o seu autor arrasado pela crítica. Ninguém acreditaria em criatura tão primária e paródica. O dialecto é demasiado pobre. O oportunismo é demasiado infantil. O provincianismo é demasiado caricatural. O descaramento é demasiado forçado. A ambição é demasiado brutal. A manha é demasiado ostensiva. O ridículo é demasiado evidente. A perversidade é demasiado tosca. O estilo é demasiado repulsivo. A boçalidade é demasiado boçal. A desumanidade é demasiada, ponto. Tudo no dr. Costa, das roupas aos risos e dos truques às palavras (digamos), se confunde com um boneco, ou o estereótipo superficial de um político grotesco.

O dr. Costa, em suma, é mau demais para ser mentira. Infelizmente, como estamos em Portugal, é péssimo o suficiente para ser verdade. E a crítica da especialidade, que alucinadamente começou por atribuir ao homem inconcebíveis virtudes, ainda não terminou de venerá-lo – apenas conteve a veneração durante a semana, já que, parecendo que não, cento e tal mortos sempre impõem algum recato.

É certo que nos longos anos que leva de “carreira”, que aliás recorda com misterioso orgulho, não faltam provas do – desculpem o termo – carácter do dr. Costa. Porém, a fim de evitar canseiras, a trágica cronologia dos incêndios de 2017 chega e sobra para fundamentar um argumento.

A título de contexto, há o passado do dr. Costa na Administração Interna, onde cometeu a proeza de agravar trapalhadas herdadas do dr. Santana e, com típica leveza (para dizer o mínimo), consagrou o SIRESP às três pancadas e, por influência de um amigo e da impunidade, adquiriu os portentosos Kamov. E há o radioso momento em que, semanas antes do último Verão, o dr. Costa trocou as chefias da Protecção Civil por amigos (ele tem muitos) de reconhecida competência. E há Pedrógão Grande. E há a resposta do dr. Costa às vítimas de Pedrógão Grande, abandonadas a protectores que não protegem, um sistema de segurança que não funciona e helicópteros que não voam enquanto Sua Excelência desfilava calções e compaixão numa praia espanhola. E há a conversa fiada e as promessas reles que o dr. Costa despejou sobre os escombros de uma das maiores calamidades registadas do género. E há, quatro meses depois, uma calamidade quase idêntica em dimensão e incúria. E há a criminosa arrogância do dr. Costa, que, inchado pela vitória nas “autárquicas”, redobrou o desdém face aos que o maçam com ninharias (“Ó minha senhora, não me faça rir a esta hora”). E há a pedagógica “comunicação” ao país, na qual exibiu um cinismo que, em cérebro superior ao de um laparoto, talvez sugerisse indícios de psicopatia. E há a demissão, em último recurso, da ministra da Administração Interna, uma inultilidadezinha versada em disparates, e o tapete de que o dr. Costa se serviu para esconder o lixo. E há a substituição da ministra em prol de um amigo do dr. Costa (não disse que são imensos?), garanhão celebrizado por chamar “frígida” a uma adversária. E há, sobretudo, a reacção apressada ao ralhete do prof. Marcelo, encenada numa sessão parlamentar em que o dr. Costa tentou fingir que chorava e conseguiu demonstrar aos distraídos o indivíduo extraordinariamente lamentável que de facto é.

E agora? Nada de especial. É verdade que, ao mesmo tempo que os fiéis do dr. Costa hesitavam entre louvar o dr. Costa, simular críticas que “legitimassem” louvores futuros ou culpar Trump e o PSD pelas chamas, meia dúzia de socialistas confessaram embaraço tardio e parte do povo resmungou impropérios. Mas só. Recentemente, na Galiza, quatro cadáveres carbonizados bastaram para que multidões saíssem à rua. Por cá, as exéquias fazem-se na televisão: nem uma centena e tanto de mortos remove os portugueses de casa. E em será em casa que, se não houver bola, na terça-feira os portugueses assistirão à moção de censura do CDS ser rejeitada pelos votos do PS, do PCP e do BE. Faz sentido. O dr. Costa alcançou o poder amparado em organizações historicamente indiferentes, ou até avessas, à vida humana. É natural, e um retrato adequado da personagem, que o preserve por igual via. Quem aceita o assassínio de milhões nunca se incomodaria perante dezenas de baixas descartáveis e remotas. Isto faz, repito, sentido. O que não faz sentido é que o dr. Costa se julgue no direito de governar pessoas minimamente saudáveis ou sequer de conviver com elas. O que não faz sentido é que a sociedade que tolera ou defende tamanho monumento à baixeza se imagine civilizada. O que não faz sentido é que esta apatia com fronteiras se suponha um país.

Nota de rodapé:

Numa medida que já tardava, o PCP impôs ao Parlamento a protecção legal do arroz carolino. Além de também ser a minha gramínea favorita, folgo em ver os camaradas ortodoxos arriscarem o trilho do puritanismo até agora reservado aos camaradas heterodoxos do BE e a uma dúzia de camaradas envergonhados do PS. Por outro lado, deve reconhecer-se que a gloriosa experiência dos comunistas em matéria de dietas não nasceu hoje: há por ali sapiências ancestrais que tornam o emagrecimento inevitável. São muitos anos a virar frangos, ou, mais precisamente, a trocá-los por senhas de racionamento.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Eleições

A evaporação da democracia /premium

Alberto Gonçalves
1.472

Cantando e rindo, os portugueses marcham para o abismo e só darão por ele quando se esbardalharem lá em baixo. Ou, palpita-me, nem aí. Não seria a primeira vez.  

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)