O destino Porto e Norte goza de condições únicas para ser uma referência mundial na área dos vinhos e da gastronomia. Hoje, que se assinala o Dia Mundial do Enoturismo, aproveito para enaltecer a resiliência de todos os agentes que trabalham nesta área específica, verdadeiros empreendedores e promotores do território. Empresários e colaboradores dos setores da hotelaria, restauração, animação turística, entre outros, ajudaram a construir as bases para um trabalho que importa agora estruturar e promover. Sendo o enoturismo uma atividade recente em Portugal, o “cluster” dos vinhos é um dos principais atributos da oferta turística do destino, tendo-se verificado nos últimos anos um incremento do número de quintas produtoras de vinho que se dedicam também à hotelaria e à restauração. Proporcionam experiências exclusivas à volta do fascinante mundo dos vinhos e da vinha, o que leva o turista a viajar até tempos imorredouros sobre as formas mais ancestrais de fazer vinho. Poucas coisas são tão identitárias como a viticultura na região do Norte e, sabemos hoje, esses são fatores distintivos que cativam os turistas na hora da escolha do seu destino.

Neste Dia Mundial do Enoturismo, muito marcado pela crise pandémica, cumpre-me assinalar a data com a garantia de que este é um produto estratégico para o Turismo do Porto e Norte. Estamos a trabalhar com os olhos na retoma, queremos estar preparados para responder aos exigentes desafios do pós-pandemia. As cerca de 400 quintas com potencial enoturístico da região precisam de um plano estratégico, numa cadeia de valor agregada, com eixos de atuação exequíveis e que confiram escala, para que o destino possa concorrer com os seus congéneres europeus e mundiais, que há muito exploram o turismo ligado à enogastronomia, e diga-se, com grande sucesso.

Nesse sentido, o Turismo do Porto e Norte, o Instituto do Vinhos do Douro e do Porto, as Comissões Vitivinícolas das Regiões dos Vinhos Verdes, Távora-Varosa e de Trás-os-Montes, estão a ultimar um projeto estruturado para este produto e que terá como elemento agregador a criação da Rota dos Vinhos e do Enoturismo do Porto e Norte de Portugal. Uma grande rota que unificará as quatro já exigentes e que será promovida internacionalmente, sob uma mesma marca. Estas rotas beneficiarão de um regulamento comum, e do mapeamento dos principais locais a visitar, pontos de interesse cultural e locais onde se proporcionam experiências inovadoras e diferenciadores, tendo o vinho e a vinha como mote. Era essencial percorrer este caminho de valorização dos territórios vinhateiros, qualificando a oferta com profissionais capacitados para realizar provas e visitas esclarecedoras, que contem a história por detrás de uma garrafa de vinho.

É um produto com enorme capacidade de atração, que facilmente conquista novos públicos, cria uma relação emocional e, bem explorado e dinamizado, alavanca outros produtos turísticos como a gastronomia, o turismo cultural, o turismo de natureza, o turismo náutico, de saúde e bem-estar, entre outros.

Exemplo do nosso potencial enquanto destino de enoturismo é igualmente o facto de termos o Porto como cidade membro da Great Wine Capitals Network (Rede Mundial de Capitais de Grandes Vinhedos) que anualmente promove os prémios Best of Wine Tourism, que têm como objetivo destacar as melhores experiências enoturísticas. A este propósito parabenizo os vencedores nacionais que foram esta semana conhecidos nas seguintes categorias: Alojamento – Monverde Wine Experience Hotel; Arquitetura e Paisagem – Quinta do Crasto; Arte e Cultura – Casa de Mateus; Experiências inovadoras em Enoturismo – Quinta da Pacheca; Restaurantes Vínicos – Casa dos Ecos by Pedro Lemos e Restaurante Barão de Fladgate; e Serviços de Enoturismo – Quinta do Vallado.

Estou convicto de que a oferta de novos conteúdos, a par de infra-estruturas de qualidade, permitirá fixar o turista em estadas mais prolongadas, e em períodos tradicionalmente de época baixa, condições estas que contribuem para o aumento dos proveitos e da receita que advém da atividade turística.

A recente “união” das entidades responsáveis pela promoção do turismo do Porto e Norte nos mercados interno e externo, permitirá uma estratégia mais concertada de divulgação deste fantástico produto que é o enoturismo.

Apesar das dificuldades do presente, temos tudo para acreditar no futuro e no enorme potencial desta região e dos seus produtos. Um brinde ao enoturismo. Saúde!