Presidente Trump

O Estado da (des)União norte-americana /premium

Autor

O discurso do Estado da União mostrou um Trump novo? Não. Mostrou um presidente capaz de fazer um discurso de união nacional mesmo com intenções de vitimização e que quer alargar a sua base eleitoral.

Muitos terão ficado surpreendidos com a forma como Donald Trump se dirigiu aos norte-americanos no seu segundo Discurso do Estado da União, que chegou com uma semana de atraso (costuma ser na última terça-feira de janeiro), devido a desentendimentos entre partidos que levaram a speaker da Câmara dos Representantes, Nancy Pelosy, a adiar o convite uns dias.

No entanto, o tom cordato, pontuado aqui e ali por duríssimas críticas aos democratas – que Trump chama veladamente “socialistas”, para os empurrar o mais que pode para a esquerda – e apontamentos sobre a “missão americana”, que se propõe, entre outras coisas, “acabar com a tirania”, frase que nunca lhe pensei ouvir, mas que se dirigiu essencialmente ao eleitorado da oposição, foram das poucas novidades. Este discurso teve quatro pontos essenciais que dão pistas sobre os dois anos que restam do mandato de um dos mais controversos presidentes norte-americanos de sempre.

O primeiro prendeu-se com o discurso de unidade nacional. Desde que os democratas foram eleitos em maioria para a Câmara dos Representantes, em novembro passado, Donald Trump passou a enfrentar um “governo dividido”, logo, a maior fonte de oposição ao presidente e às suas políticas. Ainda que Donald Trump tenha referido diversas vezes que a unidade era uma questão de “grandeza”, também deixou escapar, numa única frase, que a “agenda para a América” era a que foi criada por si. Aliás, este discurso de unidade, tão enfatizada e engrandecida, serve na perfeição ao presidente (em campanha eleitoral desde que foi eleito). A partir de agora, sempre que não conseguir fazer passar as suas mais polémicas medidas – já vamos ao muro – pode muito bem alegar, e vai fazê-lo, provavelmente, que os seus fracassos se devem ao bloqueio dos adversários. Trump tem uma avenida aberta para a sua vitimização e não vai desperdiçá-la.

O segundo ponto fundamental, é a trilogia criada por Trump em campanha: a (1) segurança norte-americana está dependente (2) do combate à emigração ilegal que (3) só pode ser garantida se for construído um muro na fronteira sul dos Estados Unidos. Ainda que mantenha o argumento central, este discurso avançou novos argumento. Por um lado, Trump argumentou que o muro com o México não foi uma ideia sua e que já existem várias barreiras físicas contruídas por anteriores presidentes. Além disso, explicou que não se trata do muro que muitos caricaturam (em parte por culpa de Trump, sempre tão assertivo nesta proposta), mas de um projeto a ser erguido em pontos estratégicos, onde a travessia ilegal é mais provável. Por outro, transformou a questão da emigração ilegal num problema “moral” (entre aspas, porque foi a palavra usada). Explicou que este era o problema que melhor ilustrava as disparidades entre “elites políticas” e “classe trabalhadora”. Os primeiros podem defender o que quiserem, porque no fim de contas, estão seguros nas suas vidas encapsuladas. Já os últimos, desprotegidos, sofrem de insegurança física e económica. Trump estava nitidamente a falar para a sua base de apoio mais fiel, os jacksonianos (classe trabalhadora e média-baixa) que se revoltou contra Washington e elegeu um outsider. Foi a forma que encontrou para lhes relembrar – parece que ficaram desagradados com o shutdown – que não se esqueceu deles.

O terceiro ponto está relacionado com este, e já foi aflorado acima. Trump procura alargar a sua base de apoio, e este discurso serviu para dar o pontapé de saída nesta intenção. O Discurso do Estado da União tem sempre um conjunto de convidados que simbolizam alguma coisa importante para o presidente. Desta vez, além de militares que combateram na II Guerra Mundial (as forças armadas tendem a gostar de Trump), as luzes da ribalta recaíram sobre Alice Johnson e Matthew Charles, dois ex-presidiários afro-americanos recentemente libertados por comportamento exemplar, e ainda Elvin Hernandez, que representou simultaneamente as forças policiais que protegem os americanos e a comunidade hispânica. Já vestidas de branco estava um conjunto de mulheres para marcar o facto de representarem 58 por cento do aumento do emprego desde que Trump foi eleito. O ciclo fechou com um sobrevivente quer do Holocausto, quer do recente ataque à Sinagoga de Pittsburgh, Judah Samet. O presidente americano parece estar a querer replicar a Grande Coligação de Ronald Reagan, juntando aos seus eleitores brancos, desfavorecidos e/ou sem grande esperança no futuro, outros que partilhem os mesmos problemas apesar de pertencerem a minorias (quando devidamente legalizadas e integradas). Escusado será dizer que estes grupos sociais tendem a preferir votar no partido Democrata, mas serão sensíveis à ideia de que um comportamento exemplar lhes abre caminho para a inclusão não só social mas também política.

Finalmente, é importante falar de política externa. Trump escolheu vários assuntos, entre os quais três, que têm um denominador comum, aquilo a que chamou “uma nova política de segurança ousada”: a Rússia, a Coreia do Norte e a Venezuela. De facto, as políticas relativamente a estes estados foram estratégias de tudo ou nada. Rasgar o acordo de redução de mísseis intermédios com Moscovo para o renegociar, de uma forma mais abrangente, com a Rússia e a China; levar a Coreia do Norte a uma quase-guerra para chegar à mesa de negociações nos termos norte-americanos; reconhecer inequivocamente desde a primeira hora Juan Guaidó como presidente interino da Venezuela, possivelmente a única forma de pôr Maduro – um barulhento inimigo dos Estados Unidos – entre a espada e a parede, alavancando um movimento popular que estaria perdido. Esta é uma das novidades que Trump trouxe para a Casa Branca em 2016: joga-se tudo ou nada, especialmente em política externa. E, aliás, é importante que se acrescente que esse tudo ou nada deverá continuar ou agravar-se, não só pelo sucesso da estratégia com a Coreia do Norte, mas porque Trump está mais liberto para deixar a sua marca nas questões internacionais.

O Discurso do Estado da União mostrou um Trump novo? Não. Mostrou um presidente capaz de fazer um discurso de união nacional mesmo com intenções de vitimização; mostrou um presidente que quer alargar a sua base eleitoral. Mas também mostrou um Trump menos agressivo na forma, embora exatamente igual no conteúdo e na determinação.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Venezuela

A Venezuela e a timidez europeia /premium

Diana Soller

É um risco a Europa ter uma posição mais assertiva relativamente à Venezuela? É. Mas é mais arriscado ainda ter uma posição demasiado tímida, que não convence ninguém.  

Brexit

Nem vai nem racha /premium

Diana Soller

Ainda que o centro político possa ser maioritário, tem que enfrentar três problemas fundamentais: a competição política, a falta de convicção numa solução negociada e a fragilidade de Theresa May.

Índia

Populismos e finais felizes /premium

Diana Soller

Numa época em que os populismos têm uma presença cada vez mais forte nas democracias ocidentais, vale a pena revisitar o passado e outras geografias. Queremos o mesmo para nós?

CDS-PP

O governo merece uma censura /premium

João Marques de Almeida

Se o Presidente, o PM e os partidos parlamentares fossem responsáveis e se preocupassem com o estado do país, as eleições legislativas seriam no mesmo dia das eleições europeias, no fim de Maio. 

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)