IPSS

O Estado, essa doença comum

Autor
1.483

Fora do manicómio em que saltita boa parte da “opinião”, o problema da Raríssimas não é ser “particular” na designação, nos estatutos e na teoria: é não ser particular na prática.

Desde logo, destaca-se o espírito de iniciativa. Enclausurada no seu quiosque de jornais, nos idos de 2000, Paula Costa sonhava com o futuro. A tempo, percebeu que o futuro da imprensa tradicional tendia para o negro e desatou a matutar numa alternativa airosa. A plausível falta de clientes permitia-lhe passar os olhos pelos artigos que tentava vender e, entre as inúmeras notícias de habilidades típicas de um país sério e formidável, procurar o que o vulgo designa por saída profissional. Uma bela manhã (talvez fosse de tarde), encontrou-a.

Como os sindicalistas, os estudiosos da pobreza, os fotógrafos da fome e demais benfeitores sabem perfeitamente, é fácil ganhar a vida à custa de desgraças alheias. Difícil é descobrir uma desgraça que ainda não tenha sido apropriada por almas caridosas. Por sorte, palavra aqui inconveniente, Paula Costa possuía uma desgraça dentro de portas: um filho com uma doença rara. A contrariedade “económica” (digamos) das doenças raras é que cada uma, isolada, não justifica grande investimento, na atenção dos “media”, na compaixão do público, na investigação científica, na caridade. Lembrar que, nos próximos 300 anos, 14 europeus morrerão de poliomielite não é um meio eficaz de comover o semelhante. Por isso, Paula Costa juntou, salvo seja, diversas doenças invulgares e, para o bem e para o mal, fundou a Raríssimas. O resto é história.

E é uma história edificante. Aos poucos, Paula Costa trocou o pretexto declarado da associação por objectivos não declaráveis: melhorar os níveis de conforto das pessoas envolvidas, naturalmente a começar por ela própria. Principiou pelo essencial, leia-se mudar o nome, a que acrescentou o “Brito” e o “e”. E continuou a fazer o que os simples imaginam que as classes sofisticadas fazem: ser arrogante para com os funcionários, passear-se em carro alemão, vestir roupas de marca, viajar a “trabalho”, frequentar “ilustres”, chafurdar no PS, etc., tudo alimentado pelo dinheiro despejado na Raríssimas. Tudo, ou quase tudo, alimentado pelo Estado. A história de Paula Brito von Costa é, em larga medida, a história do Portugal contemporâneo.

Porém, o curioso não é a história, mas o escândalo que provocou. Em 2017, a maioria de nós mantém intacta a capacidade de se espantar com a vocação indígena para a trapaça, o abuso e as encantadoras contingências do convívio – sempre desinteressado – com o poder e em especial o poder subjugado à ética republicana. A piada é que a minoria finge interpretar o episódio ao contrário e, numa espectacular demonstração da inteligência que atribui ao cidadão médio, apressou-se a culpar os culpados do costume, isto é, os que ilibam os culpados reais.

No instante em que se descobriu a cumplicidade na tramóia de um ministro confiável, um secretário de calções e um punhado de socialistas alegres, os funcionários da propaganda lançaram a responsabilidade para cima da jornalista Ana Leal (porque fintou a censura, perdão, o código de decência, perdão, as regras de preservação da privacidade), da esposa de Cavaco Silva (porque era madrinha da Raríssimas), de Pedro Passos Coelho (porque sim) e, principalmente, do pormenor criminoso de a Raríssimas não pertencer ao Estado. Nas televisões nacionais, vi aquelas criaturas que só caberiam nas televisões nacionais e na figuração do “Walking Dead” jurar que as aventuras de Paula Brito y Costa se devem à existência de entidades, e já agora de indivíduos, objectos, sentimentos e bolas de Berlim exteriores à esfera pública. É inegável que a importância da privacidade varia com as circunstâncias.

Fora do manicómio em que saltita boa parte da “opinião”, o problema da Raríssimas não é ser “particular” na designação, nos estatutos e na teoria: é não ser particular na prática. Os truques de Paula Brito de la Costa, apenas condenáveis pela origem dos financiamentos, não diferem dos praticados ou invejados por milhões dos nossos queridos conterrâneos. Num lugar em que o Estado asfixia o que pode, muitos acham o exercício erótico e, no lado certo, lucrativo. Fora da esfera pública, sobra pouco. Nove em dez portugueses (estimativa baixa) dedicam os respectivos expedientes, e horas extra, a catar o patrocínio dos portugueses em redor. Uns vão directamente à fonte e alistam-se na política e adjacências. Outros preferem simular independência empresarial. Os terceiros, nem de propósito, ficam-se pelo “terceiro sector”, o da “solidariedade social” e de Paula Brito van der Costa. Descontadas as excepções da praxe, todos querem o mesmo. Em geral, conseguem-no. Em geral, até ao dia em que o golpe se torna público, um raríssimo momento em que os portugueses respeitam o que é privado.

Notas de rodapé

1. Em Bruxelas, o dr. Costa declarou 2017 “um ano particularmente saboroso para Portugal”. Então não foi? A vasta maioria dos portugueses não morreu carbonizada em fogos florestais. Nem todo o armamento militar acabou em mãos duvidosas. Através da Web Sumitt, Lisboa abriu-se à iniciativa privada enquanto a polícia perseguia condutores da Uber. Houve dias em que a Autoeuropa não esteve em greve. Alguns pacientes hospitalares não faleceram a expensas da legionella. A dívida pública continua a dispor do infinito para se estender. E ganhámos a Eurovisão e a Bola de Ouro. Agora a sério: se, por perversão ou primitivismo, o dr. Costa gosta de proferir insanidades, é lá com ele. Mas podia limitar-se a fazê-lo para cá de Vilar Formoso. Uma coisa é sermos enxovalhados cá dentro, passatempo que pelos vistos até apreciamos. Outra coisa é saberem-no lá fora.

2. É engraçado ver tanta gente aflita pelo facto de o sr. Trump cumprir uma promessa dos seus três antecessores mais próximos e reconhecer a realidade: Jerusalém é a capital de Israel. E é ainda mais engraçado notar que alguns dos aflitos vivem em Lisboa, a qual, segundo os mesmos princípios de respeito pelo pacifismo árabe, não pode ser a capital portuguesa, e na verdade nem sequer pode ser portuguesa. Vamos lá então começar a desmantelar as embaixadas e enviá-las para o Porto – ou, por via das dúvidas, para Oviedo. Se se despacharem, vão a tempo de apanhar o camião de mudanças do Infarmed.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Brasil

Crónica sobre uma crónica sobre o sr. Lula

Alberto Gonçalves
2.241

O apogeu da demência foi atingido na lendária “missa” que precedeu a prisão: “Já não sou um ser humano. Sou uma ideia.”, proclamou. É deste material que se fazem boa parte das calamidades históricas.

Cultura

A história de Bernardo Lapa, homem da “Cultura”

Alberto Gonçalves
1.645

Bernardo Lapa celebrou o governo de esquerda, que assumiria a responsabilidade que lhe cabe na Cultura, distribuindo os rendimentos da população bronca pelos agentes” susceptíveis de a iluminar.

Governo

O regime que estamos a fazer

Alberto Gonçalves
2.146

Uma “comunicação social” domesticada, uma resma de partidos vendidos à caridade alemã, a gratidão dos privilegiados e um presidente com fobia do confronto explicam parte das coisas. Não explicam todas

Só mais um passo

Ligue-se agora via

Facebook Google

Não publicamos nada no seu perfil sem a sua autorização. Ao registar-se está a aceitar os Termos e Condições e a Política de Privacidade.

E tenha acesso a

  • Comentários - Dê a sua opinião e participe nos debates
  • Alertas - Siga os tópicos, autores e programas que quer acompanhar
  • Guardados - Guarde os artigos para ler mais tarde, sincronizado com a app
  • Histórico - Lista cronológica dos artigos que leu unificada entre app e site