Rádio Observador

Habitação e Urbanismo

O estranho afeto da geringonça pela habitação /premium

Autor
256

Ao mesmo tempo que, para cobrar impostos, promove a existência de menos casas para arrendar, bate no peito garantindo ter em todos os milímetros cúbicos do coração a bater em nome de rendas acessíveis

É impossível não adorar, na política como na vida, aquele tipo de pessoas que promete com grandiloquência algo, afirma-o categoricamente, sugere-o com convicção, sussurra-o para criar empatia e ar de autenticidade e, no fim, as suas políticas, leis, decisões e palavras oficiais vão todas no sentido de boicotar aquilo que prometeu, afirmou, sugeriu, sussurrou. Falo, claro, a propósito da oh tão grande preocupação da geringonça com a habitação disponível a preços adequados aos níveis de rendimentos dos portugueses.

Para – alegadamente – alargarem a oferta de casas para arrendar, a esquerda que apoia a geringonça tem implementado toda uma panóplia de medidas hostis ao turismo e ao alojamento local. Já para o orçamento de 2019 toda a esquerda prepara um novo escalão para o adicional ao IMI, a partir de património imobiliário acima de dois milhões de euros que pagará uma taxa de 1,5%. (O PCP, esse grande proprietário imobiliário, continuará isento.)

Esta medida fiscal, é certo, não tem como objetivo declarado aumentar a disponibilidade de casas para habitação. Os objetivos são os do costume, em se tratando de cedências do PS ao BE e ao PCP: ataque à propriedade privada, à acumulação de riqueza, à capacidade de investimento privada, à livre iniciativa.

Também é certo que o resultado será encarecer as rendas das casas, dificultando ainda mais pessoas de rendimentos médios de arrendar casa. Não é difícil perceber que quem tem património imobiliário de mais de dois milhões de euros provavelmente terá parte desse património para arrendar. Se nos esforçarmos, não é necessário muito, perceberemos que qualquer imposto que afete um negócio (como o arrendamento imobiliário) é considerado um custo – inclusive contabilisticamente. Ora se o custo aumenta, o preço de custo de qualquer bem (um T1 para arrendar, por exemplo) também aumenta, o que fará crescer o preço de comercialização (é como quem diz: a renda). Também é fácil imaginarmos que alguém que tem património acima do novo escalão não terá a corda na garganta para arrendar a qualquer preço, e poderá esperar até que apareça alguém disposto a arrendar por mais dinheiro.

Em suma, qualquer aumento nos impostos sobre o imobiliário – basta somar 2+2 para concluir – afeta negativamente a oferta de casas para arrendar. Porque o investimento dos proprietários (ou dos futuros proprietários) se torna mais custoso e logo menos apelativo. Porque havendo menos reabilitação de casas e de prédios – o que faz aumentar o valor patrimonial do imóvel e, logo, quicá calhar em escalões com impostos mais elevados – há menos casas para arrendar, seja para turistas seja para habitação permanente.

É lícito que a esquerda queira, pelas suas prioridades ideológicas, esmifrar os proprietários de imóveis em mais uns milhões de euros, na voracidade de cobrar cada vez mais impostos e atacar a propriedade privada (e o resto que referi lá em cima). Não vale a pena, hélas, ao mesmo tempo que para cobrar impostos e etc. promove a existência de menos casas para arrendar, bater no peito garantindo ter em todos os milímetros cúbicos do coração o ímpeto sincero de ajudar todos os portugueses a encontrarem casa sem pagarem exorbitâncias.

Recapitulando. Há várias formas de promover uma maior oferta de casas para habitação. Uma é a disponibilização pelo Estado – administração central e autarquias locais – dos imóveis devolutos ou subaproveitados que possui. São muitos, de número incerto. Não há justificação, que não a pequenez e mesquinhez de políticos e burocratas, para que não sejam concessionados durante décadas para exploração por promotores que os reabilitem e arrendem posteriormente. A segunda é permitir novas construções nas zonas das cidades onde ainda sejam possíveis.

Outra é a flexibilização, incluindo fiscal, de uso dos imóveis. Um apartamento que esteja licenciado como alojamento local terá de pagar mais valias pela valorização se o proprietário quiser afinal licencia-lo e arrendá-lo para habitação permanente. O que significa que quando o alojamento local passar de moda – e passará, porque surgirá uma nova ideia que agradará aos turistas, a economia é assim – os apartamentos que lhe estão afetos terão dificuldades e desincentivos em passarem para habitação. Temos pena, mas isto também não é promover a oferta de casas para arrendar.

Mais. Com a vertigem de controlar (outra vez), as câmaras municipais destinam locais nas cidades a certos usos. E obrigam que frações de prédios tenham uma utilização única e determinada. Mas como as cidades são dinâmicas, as atividades mudam-se de um local para outro mais adequado, certos bairros tornam-se residenciais e perdem os comerciantes, atividades económicas que dantes cabiam dentro das cidades agora preferem (pelo espaço e pelos custos) as redondezas das urbes. Consequência? Como é um martírio burocrático alterar o uso dos imóveis, muitas frações ficam vazias, porque quem lá estava já as abandonou, e a localização é agora procurada para outros fins mas não se consegue alterar a utilização determinada pela deusa-câmara.

Quantas frações de habitação se conseguiriam alojar em antigos espaços comerciais e de armazenagem em Lisboa e no Porto, onde casas fazem falta? Claro que isso implicaria uma desburocratização tremenda.

Uma quarta forma seria uma espécie de via verde para autorizar a construção de mais um andar em prédios e zonas que o permitam – que Ricardo Robles não é o único com essa ambição. Significaria mais casas. Ou que permitisse a divisão de frações de grande dimensão (com renda mais cara e mais difícil de arrendar) em mais pequenas, algo que agora só é possível numa reabilitação total de um prédio. Um proprietário que tem um apartamento de cento e cinquenta metros quadrados não consegue transformá-lo num T2 ou T3 de cem metros quadrados e num T1 de cinquenta metros quadrados, o que traria maior disponibilidade de casas.

A autarquia não permite, o condomínio tem (por razões misteriosas) de dar o acordo – o que, como se imagina, nunca sucede. Os condomínios deveriam, no máximo, poder vetar alterações em frações individuais se conseguissem demonstrar como essa alteração viola direitos próprios. Onde não se incluem, claro, a normal inveja pela iniciativa e empreendedorismo alheio.

Cara geringonça: ou querem burocracia e impostos ou querem mais casa para habitação.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)