Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

A indiferença mata, dizem uns. É insana, dizem outros. A indiferença nunca é inócua, sabemos todos. E sabemos, porque sentimos a brutalidade do seu impacto. Todos os gestos de indiferença dos outros nos atravessam e nos marcam, especialmente quando somos vítimas ou nos sentimos vulneráveis.

Nas grandes catástrofes ou nos pequenos acidentes, nos crimes mais hediondos ou nos azares do quotidiano, todos os que sabem e vêm, mas passam ao largo mostrando-se indiferentes perante as necessidades, as urgências e os sofrimentos, cavam ainda mais fundo os abismos de solidão, dor e perplexidade que advêm dessas mesmas situações de injustiça, fragilidade ou discriminação. Em demasiados casos, os indiferentes chegam a pactuar com crimes tornando-se cúmplices de humilhações e infâmias.

Este artigo é exclusivo para os nossos assinantes: assine agora e beneficie de leitura ilimitada e outras vantagens. Caso já seja assinante inicie aqui a sua sessão. Se pensa que esta mensagem está em erro, contacte o nosso apoio a cliente.