Rádio Observador

Pais e Filhos

O lado feminino dos homens /premium

Autor
107

Pergunto-me o que é que aconteceria se nós chamássemos ao "lado de leoa" duma mãe, por exemplo, "o lado masculino" de uma mulher. Tenho medo que, de dedo em riste, alguém achasse sexista…

Reconheço que me incomoda que se fale do “lado feminino” dos homens. Porque, muitas vezes, isso vem acompanhado com alguma condescendência que faz de alguns homens… “uns queridos”. Como se tanta docilidade fizesse deles “pouco homens”. E porque quase dá a entender que aquilo que os homens têm de mais bonito é qualquer coisa que contraria o seu ADN (como é insuportável esta ideia biológica de destino tão em voga!). Isto é, como se a grande qualidade que os distinga fosse… feminina. E nada mais.

Ora, se isso quer dizer que há “homens sensíveis”, eu gosto do “lado feminino” dos homens. E se esse “lado feminino” corresponde ao jeito bondoso e cuidador de alguns homens, eu gosto dele. E se, para mais, ele vier acompanhado dum lado bem educado, eu gosto do “lado feminino” dos homens! Mas, desculpem, estranho que a única coisa que os homens tenham de bonito seja um “lado… feminino”. Que parece não ser um “equipamento de série” de todos os homens. E, desculpem, é! Pode ter sido muito reprimido, porque a educação do homem é, também ela, sexista. E foi. Pode ter levado a que muitos rapazes se tivessem sentido na obrigação de censurar as lágrimas e a tristeza, como se isso os tornasse menos “machos”. E levou. E pode ter empurrado muitos homens para a convicção que ser forte é “amarrar-se” aquilo que se sente. E também aconteceu. Mas, “o lado feminino dos homens” é – só! – o “lado masculino” de amar e de cuidar. Sem “lápis azul” e sem censura. Mais nada do que isso.

Às vezes, com uma ironia discutível, os próprios homens não ajudam, quando se trata de falar daquilo que sentem. E, em linguagem de balneário, a propósito da forma como se entregam (com fé de guerreiros) a tudo o que acreditam, falam de como é bom terem alguma “estupidez natural”. Que é um gosto muito pouco mastigado de irem atrás duma convicção, batalharem por ela e rejubilarem de felicidade quando a conquistam.

Os homens têm muito mais graça quando ligam um “lado feminino” com a tal “estupidez natural”. É só uma opinião, mas bem vistas as coisas, eu acho que é lisonjeante quando os homens se referem à garra como alguma “estupidez natural”. Mas pergunto-me o que é que aconteceria se ao “lado de leoa” duma mãe, por exemplo, nós o chamássemos de “o lado masculino” de uma mulher. Tenho medo que, de dedo em riste, alguém achasse sexista…

Por isso mesmo – pais deste país – eduquem os rapazes sem “lápis azul”, ok? Deixem-nos ter um “lado masculino” de amar. E condescendam com alguma “estupidez natural” que possam ter. O futuro agradece!

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Escolas

A escola é uma seca /premium

Eduardo Sá

Não podemos continuar a opor uma ideia “industrial” de escola a uma escola “ecológica”, como se não fosse possível conciliar as duas escolas, sem a educação indispensável abalroar o direito à infância

Pais e Filhos

Vamos lá falar do pai /premium

Eduardo Sá
102

Se a mãe passasse algumas vezes pela forma como nós, pais, somos colocados no “nosso lugar” não sei se ela iria, por muito mais tempo, conseguir ser pai. Eu acho que não. Mas é só uma ideia...

Pais e Filhos

Vamos lá falar do pai /premium

Eduardo Sá
102

Se a mãe passasse algumas vezes pela forma como nós, pais, somos colocados no “nosso lugar” não sei se ela iria, por muito mais tempo, conseguir ser pai. Eu acho que não. Mas é só uma ideia...

Pais e Filhos

Maternidades muito modernas /premium

Eduardo Sá
665

É verdade que a maternidade nem sempre é um céu. Mas para certas pessoas muito “modernas”, é difícil aceitar a maternidade como aquilo que nos liga a tudo o que há de mais animal e mais humano.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)