Rádio Observador

Racismo

O mérito não tem cor de pele nem etnia

Autor
381

Os activistas querem implementar quotas e outros mecanismos compensatórios e precisam desesperadamente de argumentos científicos para justificar esse seu propósito. É gato escondido com rabo de fora.

O Instituto Nacional de Estatística (INE) não deu aval nem andamento à inclusão de perguntas sobre origem étnico-racial no próximo Censos 2021, como a nossa extrema-esquerda pretendia. No entanto, não custa a crer que para aí se caminhe, por portas travessas, sobretudo se houver, como tudo indica, uma reedição da aliança de esquerda e se o PS, excepção feita a pessoas como Sérgio Sousa Pinto ou Rui Pena Pires, continuar, letárgico, a dar muita margem ao Bloco e a outros radicais, incluindo os que acampam dentro do próprio PS. Importa, por isso, começar a atalhar caminho, não deixar que as coisas continuem a fermentar nos bastidores e enfrentá-las desde já, tendo em mente que a inclusão de perguntas sobre origem étnico-racial no próximo Censos, apesar de derrotada, para já, pelo INE, vai muito provavelmente voltar à baila.

Para se perceber o que faz correr a extrema-esquerda é bom lembrar que o antropólogo Miguel Vale de Almeida foi um dos que deu o tiro de partida nessa corrida, e é ainda melhor reler o que escreveu no Público para defender que, no Censos 2021, se procedesse a uma recolha de dados étnico-raciais da população. Essa proposta é paradoxal para qualquer pessoa civilizada, e com força de razão para quem andou décadas — e muito bem — a defender que não existem raças e a tentar impor princípios elementares de igualdade entre os seres humanos. Como é óbvio, uma recolha de dados étnicos e raciais implica uma marcha-atrás nesse caminho e é o tipo de coisa que se arrisca a perpetuar e a sublinhar traços e diferenciações de índole racista ou potencialmente racista. Mas os actuais activistas anti-racismo passam por cima desses paradoxos se eles servirem os seus objectivos políticos imediatos.

E é de objectivos políticos que esse texto de Miguel Vale de Almeida trata. Tem, aliás, a vantagem de ser extremamente claro quanto a isso, sobretudo se o lermos do fim para o princípio, a melhor forma de ficarmos perfeitamente esclarecidos sobre o que efectivamente move, nesta área, os radicais. Que nos diz Vale de Almeida no fim do seu texto? Que os negros e afrodescendentes têm de ser compensados pelo facto de o serem, ou seja, que é preciso “implementar políticas compensatórias” para aqueles cujos antepassados terão sido vítimas de uma “história de escravatura, colonialismo, racismo legal”, visto que as consequências dessa história “não se abolem” e porque haverá, na visão do antropólogo, um “privilégio branco”.

Eu poderia aqui chamar a atenção de Miguel Vale de Almeida e dos leitores para o facto de que a história é toda ela um tecido de consequências e que nenhuma delas se abole. Todas foram sofridas por quem as sofreu, todas ficaram na memória e no corpo de quem lhes aguentou o embate, todas produziram efeitos. Isso é verdade para qualquer pessoa de qualquer cor de pele ou proveniência, não apenas para os africanos. A Europa, por exemplo, foi durante cinco séculos devastada por invasões e pilhagens altamente destrutivas. Mas esse é um tipo de analogia que nos levaria demasiado longe. O que mais importa, aqui e agora, é perceber que os activistas já definiram o resultado da sua equação, e só precisam de arranjar os termos certos para o justificar. Quando se lê a opinião de gente que exige que, no futuro recenseamento da população, se indiquem a raça e a etnia, temos de perceber que o seu fito não é conhecer a realidade social para depois definir uma política; o fito é alavancar, em futuros dados estatísticos, uma política que já se pré-definiu por razões ideológicas. Por outras palavras, os activistas querem implementar quotas e outros mecanismos compensatórios e precisam desesperadamente de argumentos científicos (estatísticos) para escorar e justificar esse seu propósito. É gato escondido com rabo de fora.

Têm, por isso, feito pressão e continuarão a fazê-la para que o Censos 2021 discrimine as pessoas por raças e etnias para mostrar que há um determinado número total de negros (e de ciganos) e que só uma pequena parcela desse número está representada em certos patamares da vida social e profissional. Um Censos feito nesses termos não iria revelar nada que não se saiba já. Mas iria revelá-lo, se a pretensão dos radicais fosse atendida, de uma forma oficial e quantificada que poderia chegar mais fácil e retumbantemente à opinião pública. Não custa antecipar que, de posse desses dados, apoiados nessa “evidência”, os activistas anti-racistas reivindicariam com mais força a instituição de mecanismos de engenharia social que destruíssem o suposto “privilégio branco” e, entre outras benesses, abrissem alas para formas desviadas e injustas de acesso à universidade. Isso seria uma distorção e a lamentável instituição de um sistema de favorecimento que deve ser combatido frontalmente e desde já. Como ainda há poucos dias António Barreto lembrou, num acertadíssimo artigo sobre quotas e sobre o que elas põem em causa, a “correcção das injustiças sociais que resultam da desigualdade económica não deve ser feita através da destruição do que mais importa numa instituição de ensino superior: o mérito que resulta do esforço. A correcção da injustiça faz-se através do fornecimento de meios aos que querem esforçar-se e lutar pelo saber e pela formação. A correcção da injustiça não se faz com a criação de uma nova injustiça, nem com a destruição de um valor, o da ciência e da cultura”. Ou seja, o acesso à universidade deve depender do mérito e o mérito não tem cor de pele nem etnia. A pobreza muitas vezes tem. É a esse nível que a intervenção social e política deve continuar a ser feita e deve ser urgentemente melhorada.

Em Portugal, os portugueses são, felizmente, pessoas, cidadãos e cidadãs, em plano de igualdade de direitos (se bem que não de riqueza) e pedir-lhes, num recenseamento, que indiquem a cor da sua pele ou a sua origem étnica, não faz sentido.  Ou melhor, é um artifício, um boomerang, para atingir outros fins. Não devemos consentir que se vá por essa perigosa estrada. Há perguntas que não se fazem, a não ser que, como Pena Pires já advertia há dois anos, estejamos interessados em abrir uma nova caixa de Pandora.

Historiador e romancista

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Discriminação

A pobreza é um problema, a cor da pele não

João Pedro Marques
576

A pobreza é um problema, um gigantesco e injustíssimo problema, e do que precisamos é de melhorar a vida de todos os pobres e não de quotas ou outras formas de “discriminação positiva” só para alguns.

Europa

Para uma etiologia da “política de identidades”

Guilherme Valente

É a ameaça de uma sociedade comunitarista, fragmentada, tribalizada e regressiva que se configura. Anti-humanista e anti-universalista, contra o melhor do espírito europeu. E contra uma Europa unida.

Racismo

Quotas? Pura campanha política

Teresa Cunha Pinto
135

O verdadeiro racismo reside em aceitar que determinada etnia precisa de medidas especiais para chegar a certos lugares. Se há constrangimentos a este nível não serão as quotas que os vêm diminuir.

Racismo

Liberdade ou violação dos Direitos Humanos?

João André Costa

Distopia é esta vergonha de viver num país e numa língua onde não existe uma palavra para quem tem a pele negra. Preto? É insultuoso. Negro? Negros eram os escravos. Pessoas de cor? É supremacista.  

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)