Rádio Observador

Crónica

O momento da verdade

Autor

O facto de termos aprendido a reconhecer sinais e a mudar de ideias por causa deles não garante que não nos possamos enganar. Há casos em que as ideias abandonadas é que eram as verdadeiras.

Um crítico literário conta a história de um oficial que ao entrar nos aposentos de um rei militar da Antiguidade o surpreendeu “absorto em divertimentos femininos.” O crítico queria desencorajar bisbilhotices sobre escritores, mas a tese pode ser alargada. As intrusões e as surpresas nos quartos de terceiros revelam muitas vezes que uma pessoa que imaginávamos ser assim era afinal assado; que alguém que pensávamos ter certas opiniões tinha afinal outras; e que alguém que não julgávamos capaz de fazer uma coisa afinal fez. A palavra ‘afinal’ costuma ser de mau presságio.

Estamos não obstante preparados para as discrepâncias; não nos passa pela cabeça que alguém seja exactamente como o vimos pela primeira vez. Aprendemos a reconhecer sinais de que as coisas não são o que parecem, e de que as pessoas ou as relações entre elas não são o que imaginamos. É a esse reconhecimento que chamamos o momento da verdade. Cada momento da verdade é depois integrado num novo raciocínio sobre pessoas, animais ou coisas; as conclusões desses raciocínios contradizem o que até aí achávamos que era o caso; indicam que mudámos de ideias.

Esses momentos podem ser de muitas espécies: um gesto que indica que duas pessoas que pensávamos que mal se conheciam afinal dormiam juntas há vários meses; o Sr. Água e o Sr. Azeite que uivam às quintas-feiras na televisão e que subitamente se tratam por ‘tu’; uma juíza a contar anedotas a um taxista; um professor de português a arranjar um relógio.

O momento da verdade é assunto de romances e de filosofia. Quase todos os romances bons falam de gente que percebe que duas coisas que não lhe tinha ocorrido relacionar afinal estão ligadas; que a mulher do brasileiro é afinal a irmã do herói. Um filósofo descreveu a surpresa de quem percebe que os dois astros a que costumava chamar ‘Estrela da Manhã’ e ‘Estrela da Tarde’ eram afinal o mesmo planeta. A todos, embora de modos diferentes, preocupa o momento da verdade.

No entanto, o facto de termos aprendido a reconhecer sinais e a mudar de ideias por causa deles não garante que não nos possamos enganar. Há casos em que percebemos que as nossas penúltimas ideias é que eram as verdadeiras. Nesses casos porém tivemos de ter uma ideia depois da última, isto é, um novo momento de verdade. São assim realmente as nossas antepenúltimas ideias que podem ser verdadeiras: as duas pessoas não se conheciam; o Sr. Água enganou-se ao tratar o Sr. Azeite por ‘tu’; a juíza estava a ensaiar um discurso a caminho de um jantar; e o professor estava a tentar impressionar um relojoeiro amigo. Chegamos nesses casos à conclusão de que aquilo a que durante algum tempo tínhamos chamado a verdade era afinal o resultado de um pesadelo característico: o de imaginar relações a mais.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Crónica

Liberdade de Impressão

Miguel Tamen

Na maioria dos casos, as outras pessoas não costumarem ficar impressionadas com as nossas opiniões; ocupadas com o que haverão de dizer, não mostram no geral interesse por aquilo que nós temos a dizer

Crónica

As qualidades das qualidades

Miguel Tamen

Uma acção generosa a que se chega depois de uma análise ponderada tem qualquer coisa de deliberado que a faz parecer-se com a avareza; e pensar em ter coragem é uma variedade de cobardia. 

Crónica

A filosofia pelo fado (IV)

Miguel Tamen

Um grande fado nunca depende dos sentimentos de quem canta: depende de se achar que os outros não têm sentimentos.

Crónica

Museológica da batata /premium

Tiago Dores

Somos um povo com inclinação para a filosofia, com dotes de abstracção tão bons, tão bons, que acabamos por ser mais fortes a discorrer sobre museus imaginários do que a visitar museus reais.

Crónica

O Verão /premium

Maria João Avillez

Quando as coisas “impossíveis” acontecem é como um certificado: sabemos que podem acontecer e por isso, voltar a acontecer. O desconsolo é maior que o consolo.

Política

A rentrée dos artistas /premium

Luís Reis
651

O PS oferece-nos os piores serviços públicos de sempre a troco de um crescimento anémico e da maior carga fiscal de todos os tempos. E proclama que este é o melhor dos mundos e assim devemos continuar

Crónica

Onde é que há gente no mundo? /premium

Paulo Tunhas

Abre-se um jornal ou vê-se uma televisão e só nos deparamos com doses cavalares de virtude a crédito que clama por integral satisfação e danação eterna dos que escapam à sua jurisdição.

Crónica

I love Portugal /premium

Alberto Gonçalves
2.410

Os portugueses lúcidos, coitados, padecem da esperança de que os portugueses restantes acordem para as delícias da liberdade. Sucede que para os simplórios a liberdade não é deliciosa: é uma ameaça.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)