Rádio Observador

Bloco de Esquerda

O Papão Saltarico /premium

Autor

O Bloco de Esquerda saltou da esquerda radical para o lado da social-democracia. O que vem mesmo a calhar porque o PSD, agora que está do lado esquerdo, tinha deixado o lugar a ganhar teias de aranha

Foi este o conto de fadas apresentado na rentrée política pela líder do Bloco de Esquerda, Catarina Martins. Muito resumidamente é a história de como a nacionalização de toda a banca “não é um papão” na voz da coordenadora do partido que agora revela que “o programa do Bloco é social-democrata”. O que a uma distância tão curta das eleições obriga a fazer um ponto de situação sobre a localização exacta dos partidos portugueses neste momento. Portanto, o Bloco de Esquerda saltitou da esquerda radical para o lado da social-democracia. O que vem mesmo a calhar porque o PSD, agora que está do lado esquerdo, tinha deixado o lugar a ganhar teias de aranha. O CDS continua em busca do centro da política portuguesa, jornada para a qual consegue angariar ainda menos gente que a que arriscou a viagem ao centro da Terra na aventura de Júlio Verne. O PCP mantém-se firme em Petrogrado no ano de 1917. E o omnipresente PS está, como é bom de ver, em todo o lado. Sendo que a omnipotência chegará muito provavelmente a 6 de outubro. Deus juntaria a estas capacidades a omnisciência, mas António Costa não. Como voltou a ser evidente após a última polémica com Sócrates, Costa não só não precisa de saber tudo como continua a dar-lhe imenso jeito não ter sabido de nada.

E não olvidemos o PAN, que segundo uma notícia recente promete bater-se pela criação de um Serviço Nacional de Saúde para cães e gatos. Considero uma ideia estupenda. Incluir cães e gatos no SNS reduziria drasticamente e de um dia para o outro as listas de espera nos hospitais:

– O que a traz cá hoje, dona Deolinda?
– Venho ser operada às cataratas, Doutora.
– Mas a sua operação é daqui a 6 anos, dona Deolinda.
– Como assim? Disseram-me que o tempo de espera era só de 1 ano.
– E é, dona Deolinda, mas é 1 ano em anos de cão. O que equivale a 7 anos humanos.
– Ah. E se eu falecer entretanto?
– Então mas a dona Deolinda não tem ainda 4 vidas?
– Não, isso é o meu gato.
– Pois é. Confusão minha. Olhe, não há-de ser nada. Adeusinho e até breve.

Voltando ao Papão Saltarico, é bastante evidente que esta fábula do Bloco de Esquerda vai buscar muita inspiração ao clássico Capuchinho Vermelho. A começar obviamente pela cor do capuz, muito do agrado do partido. Mas além desse pormenor também há um lobo e uma avozinha. A diferença é que nesta nova história o lobo bloquista, em vez de comer a avozinha, tira o que a avozinha burguesa tem para comer e dá a quem ele acha que mais precisa. Que pouco surpreendentemente é ele próprio e a sua alcateia. O lobo redistribui assim a paparoca, mas não sem antes retirar a fofinha pele de cordeiro que envergava, aspecto em que esta lenda vai buscar inspiração a outra ficção também bem popular.

Mas a própria Capuchinho Vermelho é muito desvalorizada no novo conto de Catarina Martins. Afinal a protagonista da narrativa tradicional transporta bolos e vinho para a avó, afrontando ostensivamente o benévolo ímpeto proibicionista do Bloco de Esquerda, que tomando posse administrativa dos nossos organismos nos salvará a todos da dupla de serial killers Açúcar & Álcool. Além disso, a Capuchinho tem o desplante de atravessar todo o bosque sem sequer passar no acampamento de verão do Bloco. E como se não bastasse não pára para protestar contra uma única mina de lítio. Desta forma não admira que a Capuchinho Vermelho seja castigada com a quase omissão na lenda do Papão Saltarico. Enfim, não quero dar spoilers, mas ainda assim adianto que, como afinal de contas isto é uma história do Bloco de Esquerda, no fim a heroína é despenalizada.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Catarina Martins

A Fulana do Castelo /premium

Tiago Dores

Para a líder do Bloco, ou melhor, para a Fulana do Castelo o problema da escassez de água potável em Portugal resolvia-se de forma muito simples: era só terraplenar tudo o que é barragens. 

Ambiente

Ser ambientalista agora é muito fácil

Salvador Malheiro
799

Qual é a estratégia de descarbonização quando, neste mandato, o Bloco quis a todo o custo taxar as energias renováveis, se opôs à construção de barragens, à energia eólica e à exploração de lítio?

Filosofia Política

A doença mental chamada Amazónia

Gabriel Mithá Ribeiro

Resta decretar o estado de emergência climática que, na prática, se traduz no combate ao capitalismo em nome do socialismo, mas na condição daquele disponibilizar muitos mil milhões de dólares a este.

PAN

Totalitarismozinho dos anos 40 /premium

José Diogo Quintela

Este discurso da emergência climática dá muito jeito em termos políticos. Em primeiro lugar, tudo o que acontece de mal deve-se ao clima. Logo, a culpa nunca é do Governo, é de toda a humanidade.

Trabalho

Ficção coletiva, diz Nadim /premium

Laurinda Alves

Começar reuniões a horas e aprender a dizer mais coisas em menos minutos é uma estratégia que permite inverter a tendência atual para ficarmos mais tempo do que é preciso no local de trabalho.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)