Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

Foi este o conto de fadas apresentado na rentrée política pela líder do Bloco de Esquerda, Catarina Martins. Muito resumidamente é a história de como a nacionalização de toda a banca “não é um papão” na voz da coordenadora do partido que agora revela que “o programa do Bloco é social-democrata”. O que a uma distância tão curta das eleições obriga a fazer um ponto de situação sobre a localização exacta dos partidos portugueses neste momento. Portanto, o Bloco de Esquerda saltitou da esquerda radical para o lado da social-democracia. O que vem mesmo a calhar porque o PSD, agora que está do lado esquerdo, tinha deixado o lugar a ganhar teias de aranha. O CDS continua em busca do centro da política portuguesa, jornada para a qual consegue angariar ainda menos gente que a que arriscou a viagem ao centro da Terra na aventura de Júlio Verne. O PCP mantém-se firme em Petrogrado no ano de 1917. E o omnipresente PS está, como é bom de ver, em todo o lado. Sendo que a omnipotência chegará muito provavelmente a 6 de outubro. Deus juntaria a estas capacidades a omnisciência, mas António Costa não. Como voltou a ser evidente após a última polémica com Sócrates, Costa não só não precisa de saber tudo como continua a dar-lhe imenso jeito não ter sabido de nada.

E não olvidemos o PAN, que segundo uma notícia recente promete bater-se pela criação de um Serviço Nacional de Saúde para cães e gatos. Considero uma ideia estupenda. Incluir cães e gatos no SNS reduziria drasticamente e de um dia para o outro as listas de espera nos hospitais:

Este artigo é exclusivo para os nossos assinantes: assine agora e beneficie de leitura ilimitada e outras vantagens. Caso já seja assinante inicie aqui a sua sessão. Se pensa que esta mensagem está em erro, contacte o nosso apoio a cliente.