Rádio Observador

Cristianismo

O Papa Francisco, o ir à igreja e o ser ateu /premium

Autor
584

O que o Papa afirmou foi que se é para odiar não vale a pena ir à Igreja. Que se é para odiar mais vale ser ateu porque para Francisco, por muito que nos custe entender, os ateus têm tendência a odiar

De acordo com os jornais e televisões na primeira audiência geral deste ano, o Papa Francisco teria dito que é melhor ser ateu que ir à igreja e odiar os outros. Achei estranho que o Papa tivesse afirmado tal coisa, porque dito dessa forma daria a entender que os ateus, contrariamente aos cristãos, não odeiam os outros. Assim, tive o cuidado de procurar as verdadeiras palavras proferidas pelo Papa. Foram estas:

Quantas vezes vemos o escândalo criado por aquelas pessoas que vão à igreja e ficam lá todo o dia, ou vão lá todos os dias, e depois vivem odiando os outros ou falando mal das pessoas. Isto é um escândalo! É melhor não ir à igreja: vive assim, como ateu. Mas, se vai à igreja, viva como filho, como irmão, e dê um verdadeiro testemunho, não um contratestemunho”.

Não é a primeira vez que as palavras deste Papa são deturpadas para que façam ricochete contra a Igreja e os cristãos. Trata-se de um comportamento que agrada a uma certa esquerda que ainda tem atravessada o papel de João Paulo II na derrocada das ditaduras comunistas. Para tal, nada melhor que um Papa questionar aquilo em que os católicos acreditam, pô-los em xeque e dizer que os outros, entre os quais essa esquerda se incluiria, são o exemplo a seguir. A verdade, no entanto, é que o Papa não disse nada disso. Não disse que se quem é cristão odeia os outros deverá passar a ser ateu deixando, dessa forma, de odiar. Pelo contrário, o que afirmou foi que se é para odiar não vale a pena ir à Igreja. Que se é para odiar mais vale ser ateu porque para o Papa Francisco, por muito que nos custe compreender, os ateus têm tendência a odiar. Ao contrário dos cristãos que, se forem verdadeiros cristãos, têm tendência a amar.

Hesitei em escrever esta crónica porque, até pela idade que tenho e pelas experiências que felizmente passei, não me revejo totalmente na Igreja tal como esta se encontra estruturada. Sem me querer arrogar de qualquer conhecimento teológico, ciência que domino muito pouco para não dizer que não domino de todo, posso definir-me como um católico com um entendimento próximo do de Morris West. Como podem ver sou uma pessoa simples nesta matéria. Mas se há algo que me custa aceitar e que me levou a escrever sobre este assunto é a deturpação sistemática dos factos e das palavras para que se atinja um fim. E a forma como tal está a ser feito sempre que o Papa Francisco fala é um excelente exemplo do cuidado que todos nós devemos ter quando lemos as notícias que nos servem de bandeja.

Advogado

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Política

A sobrevivência do socialismo /premium

André Abrantes Amaral
157

O socialismo é a protecção de um sector contra os que ficam de fora. O desejo de ordem e a desresponsabilização é natural entre os que querem segurança a todo o custo.

Brexit

O benefício da dúvida a Boris Johnson /premium

André Abrantes Amaral

O sucesso de Boris Johnson não se limita a lograr levar o Brexit por diante ou tornar o RU o melhor lugar na Terra, mas mostrar que a política se exercida como luta democrática por causas vale a pena.

Civilização

A Europa e a cultura do repúdio

Pedro Morais Vaz
140

A maior ameaça ao futuro da Europa reside no que Roger Scruton apelidou de “cultura do repúdio” e que se propõe repudiar tudo o que encara como tipicamente “nosso” para que ninguém se sinta "excluído"

Terrorismo

Cristianofobia: um novo holocausto? /premium

P. Gonçalo Portocarrero de Almada
5.417

Em 2018, foram mortos 4.305 fiéis e detidos 3.125 cristãos;1.847 igrejas e edifícios cristãos foram destruídos, incendiados ou vandalizados por ódio à fé em Cristo.

Cristianismo

Nos portais do mistério, com Charles Péguy

Jaime Nogueira Pinto
249

De maioria que éramos, dominante e governante, e por isso até arrogante, nós cristãos, na Europa e no mundo, estamos a ficar minoria e voltámos a ser perseguidos, alvo de atentados, de discriminações.

Páscoa

Quaresma introspetiva!...

Nuno Pires

A celebração da Páscoa deve ser potenciadora de uma renovação que marque, dure e perdure, baseada na humildade sem subserviência, na voluntariedade com coerência e na urbanidade sem formalidade.

Páscoa

Judas Iscariotes reabilitado /premium

P. Gonçalo Portocarrero de Almada
475

Apesar da traição, Judas Iscariotes provavelmente arrependeu-se e salvou-se: onde há contrição e esperança, a misericórdia não pode faltar!

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)