Cristianismo

O Papa Francisco, o ir à igreja e o ser ateu /premium

Autor
  • André Abrantes Amaral
584

O que o Papa afirmou foi que se é para odiar não vale a pena ir à Igreja. Que se é para odiar mais vale ser ateu porque para Francisco, por muito que nos custe entender, os ateus têm tendência a odiar

De acordo com os jornais e televisões na primeira audiência geral deste ano, o Papa Francisco teria dito que é melhor ser ateu que ir à igreja e odiar os outros. Achei estranho que o Papa tivesse afirmado tal coisa, porque dito dessa forma daria a entender que os ateus, contrariamente aos cristãos, não odeiam os outros. Assim, tive o cuidado de procurar as verdadeiras palavras proferidas pelo Papa. Foram estas:

Quantas vezes vemos o escândalo criado por aquelas pessoas que vão à igreja e ficam lá todo o dia, ou vão lá todos os dias, e depois vivem odiando os outros ou falando mal das pessoas. Isto é um escândalo! É melhor não ir à igreja: vive assim, como ateu. Mas, se vai à igreja, viva como filho, como irmão, e dê um verdadeiro testemunho, não um contratestemunho”.

Não é a primeira vez que as palavras deste Papa são deturpadas para que façam ricochete contra a Igreja e os cristãos. Trata-se de um comportamento que agrada a uma certa esquerda que ainda tem atravessada o papel de João Paulo II na derrocada das ditaduras comunistas. Para tal, nada melhor que um Papa questionar aquilo em que os católicos acreditam, pô-los em xeque e dizer que os outros, entre os quais essa esquerda se incluiria, são o exemplo a seguir. A verdade, no entanto, é que o Papa não disse nada disso. Não disse que se quem é cristão odeia os outros deverá passar a ser ateu deixando, dessa forma, de odiar. Pelo contrário, o que afirmou foi que se é para odiar não vale a pena ir à Igreja. Que se é para odiar mais vale ser ateu porque para o Papa Francisco, por muito que nos custe compreender, os ateus têm tendência a odiar. Ao contrário dos cristãos que, se forem verdadeiros cristãos, têm tendência a amar.

Hesitei em escrever esta crónica porque, até pela idade que tenho e pelas experiências que felizmente passei, não me revejo totalmente na Igreja tal como esta se encontra estruturada. Sem me querer arrogar de qualquer conhecimento teológico, ciência que domino muito pouco para não dizer que não domino de todo, posso definir-me como um católico com um entendimento próximo do de Morris West. Como podem ver sou uma pessoa simples nesta matéria. Mas se há algo que me custa aceitar e que me levou a escrever sobre este assunto é a deturpação sistemática dos factos e das palavras para que se atinja um fim. E a forma como tal está a ser feito sempre que o Papa Francisco fala é um excelente exemplo do cuidado que todos nós devemos ter quando lemos as notícias que nos servem de bandeja.

Advogado

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Política

A direita deve unir-se num só partido /premium

André Abrantes Amaral
197

Perante a bipolarização escamoteada da política portuguesa uma coligação pré-eleitoral, de preferência uma fusão do PSD, CDS e Aliança num só partido de direita não só se torna necessária como natural

Ano Novo

Ano novo, pasmaceira velha /premium

André Abrantes Amaral
119

Para compreendermos a política nacional temos de analisar como é a governação de há séculos a esta parte: se o mundo estiver bem não há motivos de preocupação e quando está mal não há nada a fazer.

Futuro

Homo Deus? /premium

André Abrantes Amaral
111

Não sendo nós mais que uma soma de algoritmos, tendo Deus morrido, o que resta então? Qual o sentido da vida? E se não somos livres, o espaço ideológico para os totalitarismos volta a estar em aberto.

Igreja Católica

O Papa, o bispo e o padre /premium

P. Gonçalo Portocarrero de Almada
1.278

«Isto é um escândalo! É melhor não ir à igreja: vive assim, como ateu. Mas, se vai à igreja, […] dê um verdadeiro testemunho, não um contratestemunho».

Cristianismo

O natal, os três reis magos e outras fantasias

Donizete Rodrigues
144

O mito dos três reis magos é apenas uma representação simbólica, um modelo explicativo de grande significado para reforçar a importância de Jesus como salvador e unificador de toda a humanidade

Cristianismo

A douta ignorância dos sábios /premium

P. Gonçalo Portocarrero de Almada
1.183

Abundam os improvisados comentários teológicos, cozinhados à pressão na Bimby da opinião pública. Já faltou mais para um Prós e Contras sobre a virgindade de Maria …

Jesus Cristo

Narrativas evangélicas do Natal

Anselmo Borges
159

A Igreja só se justifica enquanto vive, transporta e entrega a todos, por palavras e obras, o Evangelho de Jesus, a sua mensagem de dignificação de todos, mensagem que mudou a História.

Cristianismo

Sobre a Virgindade de Maria, espiritual e física

Álvaro Balsas, sj
958

A virgindade de Maria, espiritual e física, não se opõe à racionalidade humana. Mas sendo um “fenómeno” irrepetível, não entra no conjunto de fenómenos que podem ser estudados pelas ciências naturais.

Natal

A revolução divina

Luis Teixeira
180

O livre arbítrio é central na mensagem cristã e significa uma ruptura clara na História. Com o cristianismo torna-se um princípio basilar que cada pessoa é inteiramente responsável pelas suas escolhas

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)