Rádio Observador

Legislativas 2015

O povo é sereno

Autor
1.453

Nunca imaginei que em tão pouco tempo, tanta gente tivesse aprendido tanta coisa. A lição foi demasiado cara mas, aparentemente, parece estar a ser assimilada: não se distribui dinheiro que não temos.

Faço parte do grupo de eleitores que olha com algum espanto para o que as sondagens nos dizem, apontando todas elas para uma vitória confortável mas minoritária da coligação PàF. Não porque considere, na minha avaliação pessoal, que o Governo deva ser severamente penalizado — o que foi feito teria que ser feito por quem quer que estivesse a governar, mais por aqui ou mais por ali — mas porque nunca imaginei que esse pudesse ser também o julgamento de cerca de 40% do eleitorado.

O eleitoralismo, as promessas perigosas, o facilitismo e o clientelismo sempre pagaram. O maior monumento que erguemos a esse fenómeno aconteceu não há muitos anos. Foi nas eleições de 2009, um ano depois da crise financeira e já com todos os sinais de alarme a disparar. José Sócrates apresentou-se ao eleitorado depois de ter aumentado a função pública em 2,9%, com um défice assumido de 5,9% mas na realidade já a caminho do dobro desse valor e com promessas de atirar mais dinheiro — leia-se mais défice e mais dívida — para cima dos problemas, com um programa de obras faraónicas para concluir — TGV, novo aeroporto, nova travessia do Tejo, uma dezena de novas auto-estradas. Era o progresso em forma de betão. Bateu Manuela Ferreira Leite, que foi avisando que não havia dinheiro e que as propostas socialistas eram o caminho para o desastre. A então líder do PSD tinha razão, como qualquer cidadão informado e desprovido de clubite partidária já conseguia perceber e todos viemos tristemente a confirmar um ano depois.

A “compra” de votos com dinheiro dos contribuintes das gerações presentes e futuras — aumentos salariais, subsídios a pessoas ou empresas, obras vistosas e outras desgraças com tiques de novo-riquismo — sempre funcionou como trunfo eleitoral. Tal como sempre foram eficazes as promessas de pão e circo, ainda que muitas se percam depois nos caminhos tortuosos da governação quando esta se confronta com a realidade.

O país tinha mordido estes iscos há apenas seis anos e nunca imaginei que em tão pouco tempo, tanta gente tivesse aprendido tanta coisa. A lição foi demasiado cara mas, aparentemente, parece estar a ser assimilada: não se distribui dinheiro que não temos.

É isso que indicia a aparente resistência eleitoral — estamos a falar de dados de sondagens que vão ser submetidas ao soberano “fact cheking” no domingo — da coligação PSD/CDS, que deve descer substancialmente em relação à votação de 2011 mas que pode ser, ainda assim, a candidatura mais votada.

Um povo que, na sua maioria, foi habituado à miragem dos almoços grátis só podia penalizar duramente quem executou o mais duro programa económico da democracia — o ajustamento de Mário Soares em 1983-85 foi também violento, mas a ilusão monetária permitida por uma inflação próxima dos 30% suavizou a sua percepção, embora nem assim o PS tenha escapado nessa altura à mais pesada derrota da sua história.

O mesmo povo, perante uma proposta alternativa muito mais simpática e rápida no desmantelamento das medidas de austeridade, como é a do PS de António Costa, seria certamente tentado a ir inequivocamente por aqui.

Mas, aparentemente, nem uma coisa nem outra.

Nem os fantasmas levantados nos últimos anos sobre um alegado extremismo ideológico do governo fizeram caminho. Neo-liberais? Ultra liberais? Radicais de direita? Desmantelamento do Estado? Fim do Estado Social? Só por distração se pode acreditar nisso. Só por ignorância ou má-fé argumentativa se podem tentar colar essas etiquetas. Se há área onde o governo PSD/CDS falhou e ficou muito aquém do que podia e devia foi na reforma do Estado e na redução do seu peso na economia — coisa que, aliás, o próprio programa eleitoral do PS agora prevê, e bem. Promover a confusão entre esta necessidade e a destruição dos serviços públicos é que enfraquecerá ainda mais o Estado.

Também fomos ouvindo, ao longo dos últimos quatro anos, lamentações várias sobre a pacatez do país na sua oposição à troika, à austeridade e, claro, ao Governo. Que não havia protestos ruidosos nem violentos, como muitas vezes se viram em frente ao Parlamento grego. Houve a enorme manifestação de 15 de Setembro de 2012, onde se matou a mudança na Taxa Social Única, momento raro de cidadania que o Governo terá levado em boa conta. Para além disso, restaram as dezenas de arregimentados da Fenprof de Mário Nogueira e a sempre forte capacidade organizativa da CGTP, presenças regulares nas ruas e nas televisões. E, claro, as habituais greves dos transportes públicos.

Agora percebemos porque é que estas árvores não representavam a floresta. E não foram os nossos míticos brandos costumes a manter a serenidade nas ruas. Apesar de muito dolorosa, de ter sido executada com erros, com mais cortes cegos do que estruturais e com enormes aumentos de impostos, uma fatia importante da população terá entendido a austeridade como um mal necessário e, tudo pesado, bem sucedida nos seus propósitos principais: recuperar a soberania financeira. A comparação com a caótica aventura grega, fortemente mediatizada em Portugal, terá também ajudado o Governo nesta percepção.

Independentemente do vencedor no próximo domingo, esta eleição confirma o país que se posiciona esmagadoramente ao centro, que não gosta de aventuras e que foi confrontado com uma coisa nova: pagou demasiado caras as ilusões das últimas décadas e agora perdeu-as.

Jornalista, pauloferreira1967@gmail.com

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Orçamento do Estado

Afinal havia outro (orçamento)

Paulo Ferreira
2.412

O governo pretendeu manipular a discussão do OE2017. Para isso, serviu-se da esperteza de ganhar alguns dias sem os números reais, para que pudesse contar a sua história baseada em números falseados

Pedro Passos Coelho

Quem tem medo de Passos Coelho?

Rui Ramos
1.960

Na história portuguesa, Passos Coelho foi o primeiro chefe de governo que, num ajustamento, não pôde dissimular os cortes com desvalorizações monetárias. Governou com a verdade. 

PSD

O que é que fizeram à direita? /premium

André Abrantes Amaral

O PSD que vai a votos a 6 de Outubro não é o que governou entre 2011 e 2015. É o PSD de Rui Rio, de Pacheco Pereira e de Ferreira Leite. É o PSD dos que concertadamente comentam realidades virtuais.

Política

8 discursos universais

João Araújo

Os discursos universais são o instrumento que permite inocular grandes doses de narrativa inativada gerando um espaço público pimba ao imunizar as pessoas contra o que realmente conta: a substância.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)