Rui Rio

O problema está na mensagem /premium

Autor
269

Rui Rio registou-se nas redes sociais para comunicar sem a intermediação (que considera negativa) dos média. A única coisa que conseguiu foi confirmar que o problema está mesmo na sua mensagem.

Não é segredo para ninguém que Rui Rio mantém uma má relação com a comunicação social. Também é do conhecimento geral que, na actual equipa directiva do PSD, têm sido frequentes as críticas à comunicação social – por exemplo, o vice-presidente Salvador Malheiro tem recentemente criticado o Expresso e alguns dos seus jornalistas. Obviamente, isso tem custos e as tensões dos jornalistas com o PSD acabam por se tornar num dos alvos da cobertura mediática, prejudicando a mensagem política do partido. E já se ouviram muitas queixas de dirigentes do PSD nesse sentido: para esses dirigentes, a comunicação social prefere agarrar-se às coisas menores, em vez de difundir as ideias-chave e as propostas do partido.

Não há hoje, em Portugal, quem na política tenha igual mau relacionamento com a comunicação social – pelo contrário, do PCP ao CDS, todos se esforçam para brilhar em frente às câmaras. Mas, em boa verdade, Rui Rio não é o primeiro líder político que alimenta uma relação complicada com os média – desconfiança mútua, parcas declarações, pouca abertura aos jornalistas. Nem em Portugal, nem no contexto internacional onde, aliás, não faltam exemplos recentes de quem tenha feito disso trunfo eleitoral e vencido eleições, recorrendo às redes sociais para disseminar as suas mensagens – isto é, substituindo os meios tradicionais e libertando-se da intermediação da comunicação social. Parece, de resto, ser essa a estratégia do PSD. De tal modo que, quase um ano após assumir a presidência do PSD, o próprio Rui Rio criou, no início de Dezembro, uma conta no Twitter – um facto político mais significante do que possa parecer à primeira vista. Assim, nos últimos 30 dias, Rui Rio disse ao país exactamente o que quis, sem interferências de intermediários e sem mal-entendidos. Pergunta obrigatória: o que tinha então Rui Rio para dizer?

Até às 23h59 de ontem, Rui Rio fez 52 publicações na sua conta oficial. Entre essas, 17 publicações são de foro institucional – abertura de conta, anúncios de tempos de antena, mensagens de condolências (acidente INEM) ou de Natal, assuntos da vida interna do partido (fotografias de visitas, reuniões, jantares e conselho nacional) e partilhas de notas sobre o anúncio de retirada de Angela Merkel (em alemão). Entre as 35 publicações restantes, 19 (54%) são sobre a área da Justiça, onde se contam críticas à procuradora-geral da República, críticas à ministra a propósito da lotação das prisões, explicações sobre a sua proposta para a composição do Conselho Superior do Ministério Público e partilhas de opiniões (de Paulo Mota Pinto, Pedro Bacelar Vasconcelos, Pedro Marques Lopes e Paulo Baldaia). O tema que, de seguida, mereceu maior enfoque o líder do PSD foi o da “verdadeira social-democracia” como ideologia do PSD, com 5 publicações (14%). Seguem-se os fundos europeus (com 3 publicações) e uma variedade de outros temas de actualidade, tais como o salário mínimo, a greve dos enfermeiros, finanças públicas, energia e transportes. Com alguma benevolência, somam-se apenas 10 publicações com reparos interrogativos ou críticas ao governo – sobretudo na Justiça e nas Finanças. António Costa, primeiro-ministro e principal adversário, não é visado nem mencionado uma única vez.

O balanço possível do conteúdo das publicações de estreia de Rui Rio nas redes sociais é que este não difere daquilo que, na comunicação social, se percebe serem as prioridades políticas do líder do PSD. Primeiro, um enfoque muito grande na área da Justiça, sector para o qual Rio acredita ser necessária uma reforma profunda – uma prioridade política difícil de compreender neste contexto sensível, face às acusações a José Sócrates e Ricardo Salgado. Segundo, um afunilamento ideológico do PSD, em busca da “verdadeira social-democracia” – obsessão que no PSD tem justificado críticas a militantes, exclusão de capital humano do PSD e o afastamento de eleitores tradicionais do partido. Terceiro, contenção nas críticas ao governo (sempre ligeiras e/ou interrogativas) e zero menções a António Costa – opção que coincide com uma estratégia de eventual articulação pós-2019 com o PS. Ou seja, Rui Rio registou-se nas redes sociais para comunicar directamente e escapar à intermediação (que considera negativa) da comunicação social. Mas a única coisa que essa estratégia de comunicação conseguiu foi confirmar que o problema não está no meio de transmissão – o problema está mesmo na mensagem do líder do PSD.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
PSD

Marcelo, o conspirador /premium

Alexandre Homem Cristo

O pior destes 10 dias no PSD foi a interferência de Marcelo. Que o PSD se queira autodestruir, é problema seu. Que o Presidente não saiba agir dentro dos seus limites institucionais, é problema nosso.

Governo

O faz-de-conta /premium

Alexandre Homem Cristo
421

O governo promete, aloca verba mas lança concursos públicos abaixo do preço de mercado, que ficam vazios. Incompetência? É mais provável o contrário: eis uma forma hábil de controlar a despesa pública

Política

Salazar /premium

Helena Matos
1.498

Os actuais líderes não têm discurso, têm sim objectivos: manter-se ou chegar ao poder, através da popularidade e não da política. Logo precisam do passado e de Salazar para falarem de política.

PSD

Ao centro, o PSD não ganhará eleições /premium

João Marques de Almeida
262

Rio, que não perde uma ocasião para evocar Sá Carneiro, não aprendeu a sua principal lição: o PSD só chega ao poder quando lidera uma alternativa aos socialistas. Não basta esperar pelo fracasso do PS

PSD

Onde vais Rio que eu canto /premium

Alberto Gonçalves
2.008

O dr. Rio passou pelo Colégio Alemão, pela Faculdade de Economia e pela vida em geral e, não obstante, conseguiu chegar aos 60 anos convencido de que o PSD é um partido de esquerda.

PSD

Porque é que Rui Rio ganhou e vai perder /premium

Rui Ramos
324

Porque é que Rui Rio vai perder? Por este pormenor: a manobra de António Costa resultou de uma bipolarização do debate político, notória desde a Guerra do Iraque (2003) e a Grande Recessão (2008).

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)