Rádio Observador

Congresso do PSD

O PS não quer saber nem do PSD, nem das reformas

Autor
318

Ao acreditar que o PS, tomado de espírito patriótico, negociará reformas do Estado com o PSD e sacrificará a geringonça, Rio está a criar uma armadilha a si mesmo. Não, o PS não quer reformar o Estado

Rui Rio percebeu a necessidade de afirmar um rumo reformista no PSD. Mas parece estar em vias de cometer um grande erro: o de acreditar que António Costa ou o PS são um parceiro viável para esse projecto e que vêem algum interesse em reformar o Estado. Não são. E não vêem.

A estratégia de Rui Rio parte de vários diagnósticos correctos. Primeiro, na existência de uma crispação excessiva e muitas vezes artificial no debate político, que impede entendimentos em matérias onde as discordâncias não são profundas. Segundo, na constatação do bloqueio político que a geringonça representa: qualquer solução política à esquerda, por incluir PCP e BE, bloqueia reformas, na medida em que estas colidem com as clientelas desses partidos. Terceiro, na necessidade de ser o PSD assumir a liderança de uma agenda reformista, que olhe aos desafios estruturais da sociedade portuguesa e que seja uma via para a modernização do país. Quarto, na eleição das áreas sociais como prioridade para essa agenda reformista – tais como a natalidade, a terceira idade, a sustentabilidade da segurança social, a saúde e a educação. A soma destes quatro pontos sintetiza, aliás, o caminho que Passos Coelho não soube percorrer na oposição, desde 2015.

O passo seguinte seria concluir que só um projecto reformista, liderado pelo PSD e com o CDS, constituiria uma real alternativa ao actual bloco PS-BE-PCP. O problema é que Rui Rio parece estar do lado dos equivocados, ao terminar o raciocínio com a conclusão errada: ao acreditar que o PS, invadido de algum espírito patriótico, negociará reformas do Estado com o PSD e sacrificará a geringonça, Rui Rio está a criar uma armadilha a si mesmo. Não, o PS não quer reformar o Estado. Não, o PS não está desconfortável com o imobilismo reformista da actual solução governativa à esquerda – está orgulhosamente a alimentar as suas clientelas eleitorais. E não, o PS não se quer livrar de PCP e BE – muito pelo contrário, quer eternizar a sua ligação com PCP-BE, porque essa é a sua fórmula de poder perpétuo (só uma esquerda unida pode controlar o aparelho de Estado, dominar a máquina sindical e amordaçar a contestação social). Nem agora, nem no pós-2019 (que parece ser legitimamente uma preocupação de Rui Rio), o PS abdicará dos instrumentos de poder que o apoio da esquerda lhe garante.

Para perceber isto não é necessário ter grandes talentos de leitura política, porque isto já foi dito às claras por dirigentes socialistas. Primeiro, há vários elementos proeminentes do PS que afirmaram pretender repetir a geringonça – ou mesmo dar o passo em frente, trazendo por exemplo o BE para um governo. Segundo, como assinalou o Luís Rosa, o PS não acredita que seja necessário reformar a Segurança Social ou muitas das áreas que Rui Rio apontou.

Então, o que levaria os socialistas à mesa de negociações do PSD? A resposta é simples. Só se imagina o PS a discutir a reforma do Estado se isso multiplicar a sua influência (é, aliás, o que ambiciona fazer na Justiça) e se a “oferta” do PSD for mais vantajosa do que a de PCP-BE. Mas esse cenário surge como uma linha vermelha inultrapassável: é inconcebível que o PSD (mesmo retirando ganhos momentâneos) seja para o PS um instrumento de perpetuação no poder ainda mais profundo do que são hoje PCP-BE.

O PS não quer saber nem do PSD, nem das reformas. E jamais em momento algum dará a mão ao PSD. Não é por crispação do ambiente político. É mesmo porque isso implicará sempre fragilizar os acordos à esquerda, que são o pilar da estratégia socialista de manutenção no poder. Seria fundamental que Rui Rio, que tem ideias políticas bem estruturadas, não caísse neste erro táctico. É que todos os esforços investidos em contrariar esta inevitabilidade socialista serão uma perda de tempo. E, para PSD e CDS formarem uma alternativa, já não há tempo a perder.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
PSD

Um desenho para Rui Rio /premium

Alexandre Homem Cristo

Numa frase, ao colocar o BE na “social-democracia” e, portanto, a disputar o mesmo espaço político que o PSD, a líder bloquista tornou confrangedora a visão de Rio para o maior partido da “direita”.

António Costa

Mr. Costa, o ortodoxo /premium

Alexandre Homem Cristo

A tal “luz de esperança” do Financial Times é esta: um governo de esquerda, aliado a partidos radicais, que obteve resultados sem se desviar da ortodoxia europeia. Nesse aspecto, os elogios são justos

PSD

Condenados ao fracasso

Zita Seabra
182

O PSD não precisa de ser confrontado do exterior e desafiado em ano de eleições. Necessita sim de se renovar e se questionar de dentro e por dentro e de sair da tristeza e do vazio em que se encontra.

Rui Rio

Os frágeis

Helena Matos
781

Estamos na mão dos frágeis. Rui Rio ganhou um congresso do seu partido; Costa perdeu as legislativas. Qual a legitimidade de Rui Rio para fazer acordos com Costa em matérias como a regionalização?

Congresso do PSD

Rui Rio, um novo Presidente?

José Pinto

Mostrar disponibilidade para consensos com os outros partidos parece uma ideia salutar. O problema reside na dúvida sobre a forma como Rui Rio pretende materializar essa ideia. 

Rui Rio

O PSD entrou para o «condomínio»?

Manuel Villaverde Cabral
125

Por mais que isso pareça inquietar a direcção do PSD, esta só tem como caminho opor-se frontalmente à actual política governamental. O contrário será eleitoralmente inútil e politicamente regressivo. 

Rui Rio

As prioridades do “novo PSD”

Helena Garrido
107

Descentralização, fundos comunitários, segurança social e justiça são as prioridades de Rio carentes de consensos. De todas elas a mais urgente é a segurança social. A menos compreensível é a justiça.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)