Congresso do PSD

O PS não quer saber nem do PSD, nem das reformas

Autor
318

Ao acreditar que o PS, tomado de espírito patriótico, negociará reformas do Estado com o PSD e sacrificará a geringonça, Rio está a criar uma armadilha a si mesmo. Não, o PS não quer reformar o Estado

Rui Rio percebeu a necessidade de afirmar um rumo reformista no PSD. Mas parece estar em vias de cometer um grande erro: o de acreditar que António Costa ou o PS são um parceiro viável para esse projecto e que vêem algum interesse em reformar o Estado. Não são. E não vêem.

A estratégia de Rui Rio parte de vários diagnósticos correctos. Primeiro, na existência de uma crispação excessiva e muitas vezes artificial no debate político, que impede entendimentos em matérias onde as discordâncias não são profundas. Segundo, na constatação do bloqueio político que a geringonça representa: qualquer solução política à esquerda, por incluir PCP e BE, bloqueia reformas, na medida em que estas colidem com as clientelas desses partidos. Terceiro, na necessidade de ser o PSD assumir a liderança de uma agenda reformista, que olhe aos desafios estruturais da sociedade portuguesa e que seja uma via para a modernização do país. Quarto, na eleição das áreas sociais como prioridade para essa agenda reformista – tais como a natalidade, a terceira idade, a sustentabilidade da segurança social, a saúde e a educação. A soma destes quatro pontos sintetiza, aliás, o caminho que Passos Coelho não soube percorrer na oposição, desde 2015.

O passo seguinte seria concluir que só um projecto reformista, liderado pelo PSD e com o CDS, constituiria uma real alternativa ao actual bloco PS-BE-PCP. O problema é que Rui Rio parece estar do lado dos equivocados, ao terminar o raciocínio com a conclusão errada: ao acreditar que o PS, invadido de algum espírito patriótico, negociará reformas do Estado com o PSD e sacrificará a geringonça, Rui Rio está a criar uma armadilha a si mesmo. Não, o PS não quer reformar o Estado. Não, o PS não está desconfortável com o imobilismo reformista da actual solução governativa à esquerda – está orgulhosamente a alimentar as suas clientelas eleitorais. E não, o PS não se quer livrar de PCP e BE – muito pelo contrário, quer eternizar a sua ligação com PCP-BE, porque essa é a sua fórmula de poder perpétuo (só uma esquerda unida pode controlar o aparelho de Estado, dominar a máquina sindical e amordaçar a contestação social). Nem agora, nem no pós-2019 (que parece ser legitimamente uma preocupação de Rui Rio), o PS abdicará dos instrumentos de poder que o apoio da esquerda lhe garante.

Para perceber isto não é necessário ter grandes talentos de leitura política, porque isto já foi dito às claras por dirigentes socialistas. Primeiro, há vários elementos proeminentes do PS que afirmaram pretender repetir a geringonça – ou mesmo dar o passo em frente, trazendo por exemplo o BE para um governo. Segundo, como assinalou o Luís Rosa, o PS não acredita que seja necessário reformar a Segurança Social ou muitas das áreas que Rui Rio apontou.

Então, o que levaria os socialistas à mesa de negociações do PSD? A resposta é simples. Só se imagina o PS a discutir a reforma do Estado se isso multiplicar a sua influência (é, aliás, o que ambiciona fazer na Justiça) e se a “oferta” do PSD for mais vantajosa do que a de PCP-BE. Mas esse cenário surge como uma linha vermelha inultrapassável: é inconcebível que o PSD (mesmo retirando ganhos momentâneos) seja para o PS um instrumento de perpetuação no poder ainda mais profundo do que são hoje PCP-BE.

O PS não quer saber nem do PSD, nem das reformas. E jamais em momento algum dará a mão ao PSD. Não é por crispação do ambiente político. É mesmo porque isso implicará sempre fragilizar os acordos à esquerda, que são o pilar da estratégia socialista de manutenção no poder. Seria fundamental que Rui Rio, que tem ideias políticas bem estruturadas, não caísse neste erro táctico. É que todos os esforços investidos em contrariar esta inevitabilidade socialista serão uma perda de tempo. E, para PSD e CDS formarem uma alternativa, já não há tempo a perder.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
PSD/CDS

Um vazio de representação /premium

Alexandre Homem Cristo
156

A pergunta que importa é se, desde 2018 e com a eleição de Rio no PSD, a direita recuou na representação dos ideais que a definem desde 2011. Este episódio com os professores parece indicar que sim.

Maioria de Esquerda

Nauseante /premium

Alexandre Homem Cristo
462

Não se deve aceitar que quem branqueia opressão política na Coreia do Norte e justifica miséria e ataques contra a população na Venezuela participe numa maioria parlamentar num país democrático.

PSD

Condenados ao fracasso

Zita Seabra
182

O PSD não precisa de ser confrontado do exterior e desafiado em ano de eleições. Necessita sim de se renovar e se questionar de dentro e por dentro e de sair da tristeza e do vazio em que se encontra.

Rui Rio

Os frágeis

Helena Matos
781

Estamos na mão dos frágeis. Rui Rio ganhou um congresso do seu partido; Costa perdeu as legislativas. Qual a legitimidade de Rui Rio para fazer acordos com Costa em matérias como a regionalização?

Congresso do PSD

Rui Rio, um novo Presidente?

José Pinto

Mostrar disponibilidade para consensos com os outros partidos parece uma ideia salutar. O problema reside na dúvida sobre a forma como Rui Rio pretende materializar essa ideia. 

Rui Rio

O PSD entrou para o «condomínio»?

Manuel Villaverde Cabral
125

Por mais que isso pareça inquietar a direcção do PSD, esta só tem como caminho opor-se frontalmente à actual política governamental. O contrário será eleitoralmente inútil e politicamente regressivo. 

Rui Rio

As prioridades do “novo PSD”

Helena Garrido
107

Descentralização, fundos comunitários, segurança social e justiça são as prioridades de Rio carentes de consensos. De todas elas a mais urgente é a segurança social. A menos compreensível é a justiça.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)