Congresso do PSD

O PSD tem um novo líder, a oposição não

Autor
187

O afastamento da Procuradora Geral da República é a principal questão política em Portugal. Nesse ponto, o PSD de Rui Rio não promete ser um partido de oposição.

O que se passou na liderança do PSD? Gente que não é de esquerda e que deseja um Estado mais pequeno, uma sociedade civil mais forte e um crescimento económico assente na competitividade externa foi sucedida por gente que não é de esquerda e que deseja um Estado mais pequeno, uma sociedade civil mais forte e um crescimento económico assente na competitividade externa. Ou se quiserem, como sugeriu Santana Lopes, gente que a esquerda acusou de “neo-liberal” foi substituída por gente que a esquerda acusará de “neo-liberal”. Por este lado, não se passou nada, como até os mais distraídos constatarão em breve.

Que mudou, então? Isto: o PSD parece ir deixar de ser um partido de oposição.

A estratégia anterior pode ser representada pelos discursos de Passos Coelho e de Luís Montenegro no congresso. Para Passos e Montenegro, o país continua a ser governado pelos antigos colegas de Sócrates (“eles são os mesmos”), agora comprometidos com partidos que em Estrasburgo, como notou Paulo Rangel, votam com Le Pen. Portugal não converge com a Europa, e o governo nada faz para se preparar para outra conjuntura. O papel do PSD seria mobilizar o país na oposição ao governo.

A nova via está nos discursos de Rui Rio e, depois da mais espectacular conversão desde a estrada de Damasco, de Santana Lopes. Para eles, tudo está a correr muito bem, ou o país pensa que sim, o que vem a dar no mesmo. Os “tempos mudaram”, como insistiu Santana, e não vale a pena estranhar o PCP e o BE. A prioridade é, portanto, o acordo com o PS, em concorrência com o PCP e o BE. Seria a única maneira de o PSD readquirir relevância.

Dirão alguns que a via de Rio e Santana é já a internalização  da derrota de 2019. Mas para sermos justos, é preciso reconhecer que nenhum caminho é fácil. Mobilizar o país contra o governo exige protagonistas e um activismo que o PSD não mostrou nas últimas autárquicas. Negociar acordos com o PS, por outro lado, requer contrapartidas. Como muitos já explicaram, o PS está confortável com o PCP e o BE, que lhe deixam passar incêndios e cativações sem “contestação social”. Que pode oferecer um PSD a quem faltam o jornalismo do BE e os sindicatos do PCP?

Como base de “acordos”, Rio fez uma lista de banalidades de regime, daquelas que os oligarcas recitam automaticamente, e que ninguém leva a sério. Só há, de facto, dois acordos plausíveis. Um é a feudalização do Estado, agora chamada “descentralização”, isto é, a partilha do país de modo a que todas as facções tenham uma posta para roer sem terem de conquistar São Bento. Um seguro de vida, sobretudo para este PSD.

Mas a matéria mais promissora é outra: é aquilo a que Santana, num lapso magistral, definiu como o “combate à justiça”. A justiça é o maior terror dos oligarcas. Contra a bancarrota, sentem-se garantidos pelo BCE. Contra Frentes Nacionais e Podemos, julgam-se protegidos pela pouca imigração e pelo enquadramento do PCP e do BE. Mas contra a justiça, depois das acusações a Sócrates e a Salgado, quem pode estar seguro? O “combate à justiça”, a começar pelo afastamento da Procuradora Geral da República é, neste momento, o grande consenso do regime. O que quer dizer que é para esse “acordo” que a estratégia de Rio, aliás já com dois investigados na sua comissão política, arrastará fatalmente o PSD.

O fim da autonomia do Ministério Público é a principal questão política em Portugal. Nesse ponto, o PSD de Rui Rio não promete ser um partido de oposição. A insistir no caminho, bem poderá clamar, em 2019, que é uma alternativa. Ninguém o verá como tal. Depois de Passos Coelho, o PSD tem um novo líder. A oposição, não.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Eleições Europeias

Salve-se quem puder /premium

Rui Ramos
348

É este o governo que temos: não tem nada a dizer ao país, enquanto conjunto dos cidadãos, mas tudo para dizer aos lóbis e grupos de interesse que lhe parecem importantes para continuar a mandar. 

PSD

Condenados ao fracasso

Zita Seabra
182

O PSD não precisa de ser confrontado do exterior e desafiado em ano de eleições. Necessita sim de se renovar e se questionar de dentro e por dentro e de sair da tristeza e do vazio em que se encontra.

Rui Rio

Os frágeis

Helena Matos
781

Estamos na mão dos frágeis. Rui Rio ganhou um congresso do seu partido; Costa perdeu as legislativas. Qual a legitimidade de Rui Rio para fazer acordos com Costa em matérias como a regionalização?

Congresso do PSD

Rui Rio, um novo Presidente?

José Pinto

Mostrar disponibilidade para consensos com os outros partidos parece uma ideia salutar. O problema reside na dúvida sobre a forma como Rui Rio pretende materializar essa ideia. 

Rui Rio

O PSD entrou para o «condomínio»?

Manuel Villaverde Cabral
125

Por mais que isso pareça inquietar a direcção do PSD, esta só tem como caminho opor-se frontalmente à actual política governamental. O contrário será eleitoralmente inútil e politicamente regressivo. 

Rui Rio

As prioridades do “novo PSD”

Helena Garrido
107

Descentralização, fundos comunitários, segurança social e justiça são as prioridades de Rio carentes de consensos. De todas elas a mais urgente é a segurança social. A menos compreensível é a justiça.

Política

O caso Berardo e o regresso a Auschwitz

Luís Filipe Torgal

A psicologia de massas, manipulada pelos novos cénicos «chefes providenciais», vai transfigurando a história em mito, crendo num «admirável mundo novo», depreciando a democracia, diabolizando a Europa

Eleições Europeias

Não há eleições europeias /premium

João Marques de Almeida

O parlamento europeu serve sobretudo para reforçar o poder dos grandes países, cujos partidos dominam os grupos políticos e, principalmente, as comissões parlamentares se fazem as emendas legislativas

Eleições Europeias

Marca d’água /premium

Helena Matos

Votei antecipadamente. Reflecti em plena campanha eleitoral. E agora? Conto carneiros até que fechem as últimas urnas de voto nos Açores não vá eu com os meus textos perturbar os eleitores?

Eleições Europeias

Não há eleições europeias /premium

João Marques de Almeida

O parlamento europeu serve sobretudo para reforçar o poder dos grandes países, cujos partidos dominam os grupos políticos e, principalmente, as comissões parlamentares se fazem as emendas legislativas

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)