Rádio Observador

Cinema

O que não gostei no Silêncio de Scorsese

Autor
1.487

Pondo-me no papel dos outros, dos que não crêem, pergunto-me se Scorsese não poderia ter ido mais longe na forma como revela o Deus que levou e continua a levar os os missionários às terras de missão.

Também já fui ver o Silêncio, de Scorsese, e também saí do cinema sem palavras. Por um lado, profundamente interpelada, mas por outro, frustrada. Para dizer a verdade, perguntei-me várias vezes ao longo do filme porque é que tinha escolhido vê-lo naquela noite. Sinceramente não me apetecia, mas já que tantos disseram que valia a pena ir, fui. E, para manter toda a verdade, não gostei tanto como esses outros dizem que gostam.

De que é que não gostei? Pensando bem acho que me desiludiu não encontrar no filme as razões do amor a Deus, bem como o amor de Deus por nós, sem razões. Bem sei que tudo se passa no séc. XVII, num Japão ainda mais remoto e rural, em que a catequese não era a que temos hoje nas cidades e centros universitários, nos templos abertos, nos países sem perseguições e nos lugares mais evoluídos, por assim dizer, onde consagrados e leigos revelam um Deus de amor e misericórdia, um Deus que usa o silêncio para falar e atravessar o concreto da vida de cada um.

Este Deus de que nos fala o Papa Francisco, que nos enche de liberdade interior, nos move a ser generosos e humildes, nos faz dar passos no sentido de perdoar, de acolher e de amar qualquer próximo, aquém e além fronteiras, aparece distorcido no filme. A liberdade interior manifesta-se na capacidade extrema de aceitar o martírio, mas o Deus que no filme é fervorosamente venerado por aldeões e padres missionários, quase idolatrado, que aparentemente só gera mártires e apóstatas, esse Deus faz um eco estranho que eventualmente pode confundir-se com outras idolatrias.

Este Silêncio convoca ao silêncio interior e obriga a parar para reflectir, não há dúvida. Percebo a multiplicação de tertúlias e encontros públicos organizados para debater o filme e falar sobre o impacto que tem em quem o vê. Mas a mim faltaram-me peças essenciais para entender a substância da veneração das comunidades naquela época. Faz falta perceber porque é que comunidades inteiras aderiram aos ensinamentos e revelações dos missionários ao ponto de aceitarem tudo menos renegar a sua fé. Por outro lado, faltam no filme falas e diálogos (ou talvez pausas e silêncios) para além das imagens cruentas das permanentes e sucessivas torturas.

Sei e todos sabemos que aconteceram aquelas coisas e outras ainda piores. Choca sempre ver um homem torturar mulheres e homens, e claro que custa assistir a essas cenas, mas não custa mais do que a ausência da outra parte. Precisava do realismo de um lado e do outro. Fez-me falta ouvir o que diziam os que falavam de Deus naqueles séculos, naquela latitude. Senti que Scorsese preferiu o modo documentário, cinematograficamente preso aos factos históricos das torturas e perseguições, em que as imagens fortes e que ficam a fazer eco são as do terror, mas podia ter posto na boca dos missionários ou dos devotos a novidade do amor a Deus que tantos ódios gerou.

Não posso dizer que o filme de Scorsese é mau, apenas me parece incompleto e sublinho a falta de uma parte essencial que, na minha opinião, passa por mostrar o que fazia aqueles homens e mulheres acreditarem. Qual a força da sua conversão e o porquê da sua recusa à negação. No fundo falta a experiência do amor, o amor de Deus que se traduz no amor pelas pessoas e entre elas. No filme vence o ódio e, aparentemente, a traição porque a essência do amor de Deus é relegada para um plano secundário e fica oculta, quase tão clandestina como o próprio culto dos cristãos japoneses.

Aliás, esse amor aparece garantido à partida nos missionários que vão da Europa para o Oriente bem munidos de fé e coragem, e também aparece ‘feito’, gravado no coração dos japoneses convertidos que reúnem em segredo e se mantêm fiéis apesar do inquisidor. Esse amor é depois negado pelos apóstatas, mas na verdade nunca temos acesso no filme àquilo que uns conseguiram salvar e outros não. Ou seja, nunca nos é dado ver o coração do coração de Deus.

Nesta lógica, Deus parece travestido de ídolo, castigador e caprichoso.

Aos olhos de quem conhece os Evangelhos ou de quem está dentro da terminologia jesuítica e conhece bem a arquitectura mental de Santo Inácio, traduzida e perpetuada nos seus Exercícios Espirituais, o filme faz sentido porque acaba por estar a ‘pregar para convertidos’ e conhecedores, mas pondo-me no papel dos outros, dos que não crêem e dos que não sabem ou não conhecem, pergunto-me se Scorsese não poderia ter ido mais longe na forma como revela o Deus que levou e continua a levar os missionários às terras de missão.

Ou seja, indo tão longe no retrato dos que odeiam o Deus dos cristãos, revelado por Jesus Cristo, bem como na exibição da apostasia, não valeria a pena ir também mais longe na revelação da substância do amor de Deus e por Deus?

No século XVII os missionários convertiam a partir do testemunho de Jesus e não de uma ideia de Deus distante, castigador, do Antigo Testamento. Por isso, esperava ver no filme este amor novo dos filhos e amigos, dos irmãos e companheiros de Jesus que querem viver para amar e servir, também ele traduzido em imagens e diálogos. Isto para que o amor de Deus ficasse a fazer eco a par do Seu silêncio e dos dramas da negação sob tortura.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Identidade de Género

Minorias de estimação /premium

Laurinda Alves
15.238

No dia em que as casas de banho das escolas forem obrigatoriamente abertas a rapazes e raparigas de todas as idades, as agressões vão escalar e a “pressão dos pares” poderá ser ainda mais perversa.

Hospital de São José

Misérias e grandezas /premium

Laurinda Alves
691

Aqueles corredores [de São José] são habitados por pessoas desfiguradas por acidentes e doenças. À primeira vista é tudo muito feio, mas olhando com atenção conseguimos ver muita beleza.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)