Rádio Observador

Terrorismo

O regresso da política da fé e do sangue

Autor
149

O terrorismo é mais do que um problema de segurança: pode ser o começo da transformação da Europa num novo Médio Oriente, feito de identidades incompatíveis e de comunidades segregadas.

De cada vez que algo acontece, as autoridades e a imprensa parecem esperar que seja menos do que “terrorismo”: um acidente infeliz, um acto tresloucado. Mas o que se passa já é mais do que terrorismo. Em vez de um problema de segurança, pode ser o começo da transformação da vida política na Europa.

A propósito da imigração descontrolada que permitiram, os governos europeus insistem em imaginar indivíduos e famílias que, uma vez nos novos países, adoptariam a sua língua e costumes: em poucas décadas, os jovens sírios seriam alemães de meia idade. Esta perspectiva é um resquício do etnocentrismo colonial. Os imigrantes não são uma simples matéria-prima humana para compensar o declínio demográfico europeu. Trazem a sua história e os seus valores. A internet e as viagens baratas mantê-los-ão ligados aos meios de origem. Depois de Bush, os ocidentais acreditaram que bastaria retirar do Iraque para fazerem do Médio Oriente um problema longínquo. Mas através dos seus migrantes, o Médio Oriente está agora entre nós.

A composição das populações europeias está a mudar. Dos residentes da Alemanha, França, e Reino Unido, mais de 12% nasceram no estrangeiro e mais de 5% são muçulmanos. Desde 1990, que a população muçulmana na Europa aumenta 1 ponto percentual por década. É neste contexto que o jihadismo na Europa faz sentido. O seu objectivo é estigmatizar estas comunidades migrantes muçulmanas, torná-las suspeitas, de modo a facilitar a sua captura ideológica. Em França (os “territórios perdidos da república”), na Bélgica e na Alemanha, já há bairros inteiros dominados pelo radicalismo islâmico. Se o jihadismo for bem sucedido, haverá reacções de nativismo e de xenofobia, como a que a Frente Nacional protagoniza em França. Teríamos, por fim, a redução da política europeia ao choque de tribos inconciliáveis.

Até ao século XVIII, a Europa foi também uma espécie de Médio Oriente, um xadrez de confrontos religiosos e étnicos. Os Estados centralizados, a secularização, a escolarização e atrozes “limpezas étnicas” acabaram por reorganizar as populações europeias, ao longo dos séculos XIX e XX, em “nações” supostamente homogéneas. Sobejou a separação em “classes sociais”, a que a terciarização da economia e o Estado social tiraram as últimas arestas. As divisões partidárias na Europa reduziram-se, em geral, a opções administrativas (mais Estado ou menos Estado). É a esta política que estamos habituados.

A expansão de comunidades refractárias, quando não hostis, aos valores ocidentais, pode mudar tudo isso. É essa a grande esperança da jihad. Na década de 70, a Europa experimentou o “terrorismo” da “luta armada” da extrema-esquerda. Mas os jihadistas não são simplesmente os Baader-Meinhoff com o Alcorão em vez de O Capital. Têm condições para ser o factor de emergência de um mundo de identidades incompatíveis e de comunidades segregadas.

Para impedir que isto seja discutido, é costume gritar “racismo” e “islamofobia”. Mas de facto, são esses gritadores que parecem sofrer de um preconceito de superioridade étnica ou cultural. Só isso assim se pode compreender a sua dificuldade de admitir que as mesmas causas – a expansão de comunidades dominadas pelo radicalismo islâmico — possam produzir os mesmos efeitos na Europa e no Médio Oriente.

Talvez tudo ainda resulte numa espécie de Babel feliz, com mais oferta culinária exótica e serviço doméstico barato. É o sonho cosmopolita que os professores de sociologia e de economia passam à classe média. Vamos esperar que tenham razão. Mas convém estar preparado para outra possibilidade, a de sociedades divididas pelo sangue e pela fé, para as quais a política amena dos economistas e dos sociólogos já não seja mais do que uma velha memória.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)