Rádio Observador

Inovação

O significado do lançamento do Hardware Google

Autor
  • Ivy Ross

Quando olha para os nossos produtos, sentem inegavelmente o que chamamos de Googley. Mas chegar lá foi necessária uma viagem que exigiu o uso de dados bem como a nossa intuição enquanto designers.

Qual é a sensação de segurar o Google na sua mão? Essa é a pergunta que a minha equipa foi encarregada de responder na recém criada divisão de hardware em 2016.

Ao liderar esta estreia, observámos produtos eletrónicos semelhantes disponíveis no mercado e levámos em linha de conta as nossas opções em termos de design que nos irão permitir da vida ao Google através de novas e interessantes formas.

A oportunidade incrível de podermos projetar e desenhar produtos que acabam nas casas dos utilizadores, nas suas mãos ou bolsos é algo que levamos muito a sério. E olhamos para todos os detalhes de modo a criar tecnologia que pareça humana e pessoal. Desde os tecidos e as texturas suaves até às cores brilhantes, a nossa linha de produtos apresentou uma linguagem nova de design que projetou, pela primeira vez, a Google de uma forma física.

Quando olha para os nossos produtos, sentem inegavelmente o que chamamos de Googley. Mas chegar lá foi necessária uma viagem que exigiu o uso de dados bem como a nossa intuição enquanto designers.

Usámos dados e a intuição para tomar as decisões de design

Não é surpresa que os dados desempenham um papel importante nas nossas decisões de design na Google. Afinal de contas, somos uma empresa fundada por engenheiros. Em muitas áreas, os dados tornaram-se um elemento decisivo no processo de tomada de decisões e continuam a ser o caminho certo e seguro – o fim de tudo. Porém, enfatizar em demasia a importância dos dados no design pode conduzir a resultados que parecem frios e estéreis. No fim, nós temos mais uma fonte de dados disponível e igualmente importante (mas frequentemente ignorada): a nossa intuição.

À primeira vista, dados e intuição parecem ser fontes de informação contraditória. Os dados referem-se a estatísticas e fatos recolhidos por amostra ou análise. Por outro lado, a intuição refere-se à nossa capacidade de entender ou perceber algo imediatamente e sem a necessidade de raciocínio consciente – é sua reação instintiva a qualquer situação. E é baseada na informação e nas experiências da sua vida.

Quando olhamos para o papel da intuição nas decisões de design, vemos que a sua capacidade mais poderosa é ajudar o nosso cérebro a ligar pontos. Por vezes, uma abordagem de design simplesmente parece correta. Parece orgânica e natural e o nosso corpo sente algo que nem dados ou análise poderiam quantificar.

Ao criar os princípios de design Google, valorizamos a intuição como um ponto de informação importante. Os resultados? Esforcamo-nos para construir uma tecnologia que pareça humana. A simplicidade dos nossos produtos, a sua geometria simples e o uso de materiais que nunca tinham sido considerados para a eletrónica de consumo permitem que os nossos produtos de hardware pareçam uma extensão natural das casas e das vidas dos nossos utilizadores. Neste capítulo, é a confiança na nossa intuição que nos permite criar uma tecnologia que se sente próxima de nós.

Design de sucesso exige menos pensamento e mais sentimento

A noção de utilizar a intuição enquanto ferramenta de dados igualmente importante levou-me a começar a pensar sobre o contraste entre os conceitos de “Design Thinking” e “Design Feeling“, que são partes importantes dos nossos processos. O Design Thinking engloba todos os elementos mais importantes do design clássico – matemática, geometria, teoria das cores, etc. Mas a nova noção de Design Feeling traz-nos de volta aos princípios mais puros do design.

Os grandes designers levam em consideração, de forma inata, a maneira como o seu trabalho irá impactar todos aqueles que o experimentam. Como uma certa combinação de cores irá fazê-los sentir? Como o meu corpo irá reagir a uma certa textura? Colocar um ênfase maior no “Design Feeling” é simplesmente mudar a importância do que significa um bom design, de como nos aproximamos dele e do que queremos que seja o resultado final.

E como é que esta abordagem tem impacto nos nossos processos e produtos na Google? Cada produto, desde o início do processo de design, é considerado num nível emocional e de sentimento. Desde a combinação de materiais até o tom exato de uma cor, nós somos obcecados com a forma como cada uma destas escolhas nos faz sentir.

Também ohamos para a forma como cada um destes elementos pode ajudar a moldar o runo da eletrónica de consumo. Desde que lancámos a coluna inteligente Google Home que temos visto, mais e mais elementos em tecido a aparecerem em produtos de várias marcas. Este é um desenvolvimento empolgante e achamos que o reforço da humanidade na tecnologia irá continuar a beneficiar-nos a todos nas gerações vindouras.

Reunir todos estes elementos na Semana de Design de Milão

Todas essas fontes de informação – intuição, dados e sentimentos – estiveram de mãos dadas na nossa exposição Salone del Mobile 2019 em Milão utilizando um novo campo de a neuroestética.

O campo da neuroestética começou recentemente a ajudar a revelar melhor os processos de design, a importância do design inteligente e a forma como pode realmente impactar no nosso bem-estar. E, na verdade, podemos mostrar este impacto através de vários tipos de dados.

Ao longo de um ano, desenvolvemos e construímos um conceito que permitisse demonstrar isto claramente. Na nossa exposição, a cada visitante era entregue uma pulseira inteligente personalizada que registava as respectivas respostas biológicas às três salas e com recurso a quatro sensores distintos. As três salas tinham sido construídas com diferentes aparências, incluindo mobiliário, iluminação, texturas, cores, áudio e até mesmo o cheiro diferentes. No final da experiência, os visitantes podiam observar as suas respostas únicas a cada uma das salas e recebiam um registo impresso com informação sobre qual das sala as tinha feito sentir-se mais à vontade.

Tivemos uma resposta incrível dos visitantes em Milão. As pessoas adoraram poder visualizar as suas reações pessoais ao design e receber algo para reflexão.

O conceito da neuroestética está centrado na importância de ativar os nossos sentidos na forma mais positiva e através de várias abordagens de design. É através da combinação da intuição, dos dados, do design thinking e design feeling que podemos construir tecnologia que pode realmente melhorar o bem-estar dos nossos utilizadores.

As pessoas são o ingrediente final para um design de sucesso

Todos os elementos de que falámos acima desempenham um papel fundamental na nossa abordagem de design. Mas por detrás de todos os processos e princípios está o que eu acredito ser o verdadeiro segredo para um grande design: as pessoas.

A nossa equipa é mutidisciplinar e com pessoas de todo o mundo. E cada um deles tem experiência em diferentes áreas do design: UX, investigação, engenharia, cor e materiais, bem como outras áreas como design de mobiliário ou moda.

Na maior parte das vezes, descrevo-me como uma maestrina de uma orquestra: reuni uma grande variedade de pessoas com diferentes competências, conhecimentos e talentos e criei um espaço onde eles podem colaborar, criar e experimentar. Somos todos iguais e todos têm talentos e dons únicos e por isso a magia acontece quando tudo isto e todas as competências podem ser ampliadas de forma harmoniosa umas com as outras.

Uma forma de criarmos esta harmonia é através de passeios em equipa – habitualmente no meio da natureza e quase sempre sem nossos dispositivos. No verão passado, a nossa equipa viajou para um espaço rural grande onde cada um deles podia desfrutar de atividades em nada relacionadas com o seu dia normal de trabalho. Podiam apanhar flores e aprender como organizá-las, aprender sobre apicultura com colmeias reais ou apanhar tomates e descobrir como prepará-los e fazer molho de tomate. A natureza é a experiência sensorial suprema, preenchida com cor, textura, som, cheiro e espaço e inflama a nossa curiosidade e criatividade de maneiras surpreendentes.

Não podemos ignorar a importância da confiança e da ligação quando se trata de projetar e de criar em conjunto. E precisamos encontrar outras formas e espaços para que isso ocorra fora do nosso ambiente de trabalho do dia-a-dia. Se se concentrar em si mesmo ou nos seus objetivos pessoais poderá ter sucesso. Mas se deixar de olhar apenas para si e conectar-se realmente com outros e focar-se em objectivos colectivos, é nestes contextos que acontecem os sucessos inimaginávéis.

O Futuro do design

À medida que a tecnologia se enraizada cada vez mais nas nossas vidas, o design pensado e com foco no sentimento que evoca nas pessoas é ainda mais importante do que nunca. E o caminho para a criatividade e o design de sucesso é alimentado com uma mistura de dados, intuição e design thinking e design feeling.

Na Google, olhamos para o design de maneira única e colocamos sempre o utilizador no centro de tudo. A questão mais importante que colocamos a nós próprios neste processo é se esse produto ajudará a melhorar a vida de um utilizador e como ele irá sentir-se ao utilizá-lo. Queremos ter certeza de que a resposta a esta pergunta é uma reação surpreendentemente positiva e individualizada para todos. É isto que me motiva a mim e à minha equipa diariamente. Queremos ir além das fronteiras do que os produtos de hardware podem fazer para o bem estar de todos os que os utilizam.

Vice Presidente de Design de Hardware Google

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)