CDS-PP

O único partido não-socialista

Autor
827

Ao fim de quarenta anos, o CDS tem uma segunda oportunidade de ser o único partido não-socialista em Portugal. Vai agora ser a alternativa que da primeira vez não conseguiu ser?

Já não é a primeira ocasião em que o CDS é o único partido parlamentar em Portugal que se dispensa de ser de “esquerda”. Em 1976, votou sozinho contra uma Constituição que, nessa primeira versão, despachava o país “rumo ao socialismo” sob tutela militar. No entanto, também é verdade que demasiados fundadores do CDS acabaram ministros ou deputados do Partido Socialista. Parece contraditório, mas não é: de facto, uma coisa tem a ver com a outra, e pode resumir o dilema do CDS.

Durante o PREC, o CDS mal foi tolerado. Nas eleições de 1976, porém, o martírio teve retorno: nas legislativas, foi o único partido que aumentou a votação, aliás, duplicou-a, passando de 434 mil para 876 mil votos; nas autárquicas, elegeu 36 presidentes de câmara e tornou-se o segundo partido mais votado em Lisboa, uma cidade em que, durante o PREC, quase não pudera ter actividade pública. A Juventude Centrista começava a dominar os liceus, como frente da revolta juvenil contra a ortodoxia abrilista. Valia a pena não ser de esquerda e não ser socialista.

Mas havia um problema. Ao contrário do que esperou, o CDS (16% dos votos) ficou atrás do PSD (24%). O PSD era uma complicação. Por um lado, limitava o apelo do CDS entre o eleitorado da direita democrática, já que, embora se dissesse de “centro-esquerda”, o PSD tinha um líder, Sá Carneiro, que nunca foi visto como tal. Por outro lado, ameaçava isolar o CDS como o equivalente do PCP à direita, uma vez que os demais dirigentes do PSD pareciam convencidos de que o único caminho para o poder passava por uma aliança com o PS, patrocinada pelo presidente da república (isto é, pelo poder militar). Os dirigentes do CDS nunca souberam bem que fazer. Crescer à direita, como “único partido não-socialista”, pareceu-lhes árduo. Já bastara o PREC. A opção foi, assim, a partir de 1976, situarem-se entre o PSD e o PS.

A manobra teve sucesso: em 1978, governaram com o PS; em 1980, com o PSD. Mas também teve custos: o CDS, que tinha aspirado a ser o movimento dos que rejeitavam o socialismo, passou a ser mais um pequeno grupo de jogadores políticos em Lisboa. Nas suas memórias, Freitas do Amaral diz que Sá Carneiro, no fim de 1980, admitia fazer um novo partido, juntando os dirigentes do CDS e as bases do PSD. Podia ter resolvido as dificuldades do CDS. Em vez disso, os seus dirigentes tenderam a ser tudo e o seu contrário. Entre 1980 e 1990, foram liberais, e logo a seguir democrata-cristãos; europeístas, e depois euro-cépticos; democratas-cristãos, e “populares”. O seu eleitorado tornou-se tão volátil como a sua identidade ideológica: os 42 deputados de 1976 chegaram a ser apenas 4 em 1987 e 5 em 1991, no auge do “cavaquismo”. Depois de tantos ziguezagues, a opção de alguns fundadores pelo Partido Socialista pareceu apenas mais um.

O CDS nunca mais teve a votação de Abril de 1976. Mas desde as últimas autárquicas, voltou a ser o segundo partido em Lisboa. Ao fim de quarenta anos, parece ter uma nova oportunidade. A retirada de Passos Coelho privou o PSD do mais importante líder da direita democrática desde Cavaco Silva, e deixou o partido entregue novamente aos equívocos do “centro-esquerda” e dos entendimentos com o Partido Socialista. Há quarenta anos, o CDS preferiu seguir o PSD nessa comédia de enganos. Era a opção mais fácil. Ninguém sabe o que poderia ter acontecido se tivessem insistido em manter-se como alternativa ao “regime socialista”. Talvez se possa descobrir agora, se a nova geração do CDS for capaz de ser outra vez “o único partido não-socialista em Portugal”.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Política

Um partido não é uma família

Sandra Clemente
457

PSD, PS, BE, CDS e CDU, em 20 anos, perderam cerca de 850 mil votos, mas não assusta esta crescente insignificância dos partidos existentes, só assusta a possibilidade de novos partidos aparecerem.

PSD

Passos Coelho demitiu-se e não foi substituído /premium

João Marques de Almeida
332

O novo partido de Santana Lopes também não conseguirá ultrapassar o PSD. Competirá assim ao futuro líder do PSD unir as direitas e ser capaz de construir um programa reformista para o país. 

Política

Modorra estival /premium

Manuel Villaverde Cabral

Com o acesso de Rio à chefia do PSD cessaram quaisquer veleidades oposicionistas e muito menos reformadoras. O ressurgimento de Santana é puro teatro. PSD e CDS apoiarão Costa sempre que o PS precisar

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)