Rádio Observador

Crise dos Refugiados

O verdadeiro plano europeu para os refugiados

Autor
750

É costume culpar o Ocidente por tudo e por nada do que acontece no mundo. Mas desta vez, na crise dos refugiados, a culpa é mesmo dos governos ocidentais. E o plano europeu não vai funcionar.

Depois das crises da Grécia e da Ucrânia, estas últimas semanas europeias foram as da “crise dos refugiados”. Estamos agora no momento em que as boas intenções começam a estalar. A semana passada, era o Papa Francisco quem alertava para o perigo de jihadistas “infiltrados”. Entre os primeiros-ministros, já não é só o da Hungria, mas também Alexis Tsipras que fala de uma “vaga de migração descontrolada”. Entre os intelectuais franceses, já não é só Renaud Camus, mas Michel Onfray que desconfia das vantagens da imigração. Onfray, até anteontem, era de “extrema-esquerda”. Os seus antigos camaradas chamam-lhe agora “auxiliar de Marine Le Pen”. A migração não está a abalar apenas o tratado de Schengen, mas as fronteiras ideológicas da Europa.

É costume culpar o Ocidente por tudo e por nada do que acontece no mundo. Mas desta vez, nesta crise dos refugiados, a culpa é mesmo dos  governos ocidentais. Primeiro, ao acarinharem a revolta da maioria sunita na Síria, para logo depois deixarem os sublevados sem ajuda, abandonados entre a ditadura de Assad e o jihadismo. A ideia, segundo parece, era não repetirem o “erro do Iraque”. Em vez disso, arranjaram o “erro da Síria”, com os seus milhares de mortos e milhões de refugiados. Durante anos, no entanto, tudo pareceu longínquo. Este Verão, porém, as imagens televisivas das migrações mediterrânicas inspiraram Angela Merkel a deixar correr que todos os que, através do Mediterrâneo e dos Balcãs, conseguissem chegar à Alemanha seriam alojados e alimentados de graça pelos contribuintes alemães. Merkel alcançou assim duas coisas. Uma foi diluir a má reputação que lhe deixara a crise grega: de repente, os mesmos que lhe andavam a desenhar bigodinhos à Hitler, cobriram-na com o véu de Madre Teresa. A outra coisa foi fazer a fortuna dos traficantes de seres humanos do Mediterrâneo, a quem, a partir daí, nunca mais faltaram clientes dispostos a correr riscos no mar. Quando 9 000 expatriados desembarcaram em Munique num só dia, Merkel fechou a fronteira.

Os traficantes não são os únicos a explorar a crise. A imprensa mais séria aderiu à pornografia da morte e, sem pudor, vasculha as praias à procura de cadáveres para a fotografia. A esquerda radical manifesta-se para exigir portas abertas, convencida de que quanto mais “minorias”, mais próxima a implosão da “sociedade burguesa”. A direita nacionalista esfrega as mãos de contente, à espera de mobilizar os “nativos” contra a “invasão dos bárbaros”. E até o respeitável Economist sonha alto, apostando na imigração económica para fazer rebentar os códigos de trabalho. Enfim, não há quem não encare os migrantes como carne para o seu canhão — e pouco mais.

As grandes fumaças de humanismo mal escondem a falta de verdadeiro respeito pelos refugiados. O plano de os espalhar pelos vários países, confirmado na terça-feira,  é uma das mais ridículas invenções europeias. O objectivo não é apenas partilhar custos, mas diluir a presença da migração, repartindo-a em pequenas porções (para não dar munição aos populismos xenófobos). Os imigrantes, porém, procuram a Alemanha, afamada pelos seus subsídios e salários. Como é óbvio, não se vão conformar com realojamentos forçados em países periféricos e pobres. Também não vieram para se converter em alemães, franceses ou portugueses, segundo uma fantasia de “assimilação” colonial que ainda parece ter subscritores. Tenderão naturalmente a constituir comunidades com identidade própria (isto é, árabe e islâmica, no caso dos oriundos do Médio Oriente). De resto, já mostraram que só estão dispostos a instalar-se nos seus próprios termos. Na fronteira da Hungria, a semana passada, tivemos a primeira intifada da nova imigração, com os jovens migrantes à pedrada à polícia.

O plano europeu das quotas só serviu até agora para revelar uma nova divisão na UE, desta vez leste-oeste, em vez de norte-sul, como no caso do euro. O verdadeiro plano  é provavelmente outro: esperar pelo Inverno. Quando o Mediterrâneo se tornar bravo e a neve cobrir os Balcãs, a migração do Médio Oriente vai abrandar – até à próxima Primavera. Depois, logo se verá. A Europa está assim, à mercê do clima.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Socialismo

Má-fé socialista /premium

José Miguel Pinto dos Santos

Não é a situação social em Portugal muito melhor que na Venezuela — e que nos outros países socialistas? Sim, mas quem está mais avançado na implantação do socialismo, Portugal ou Venezuela?

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)