Rádio Observador

Casas

O verdadeiro problema das casas

Autor
512

O corrente pânico com o preço das casas expressa esta verdade, que a nossa oligarquia se esforça por esconder: o país passa por uma prosperidade que não é para todos.

Parece que, décadas depois dos anos 70, temos um novo “problema da habitação”. Em que consiste? Aparentemente, na subida dos preços das vendas e dos arrendamentos. Que significam esses aumentos, que tanta emoção têm causado nas primeiras páginas dos jornais e nas aberturas dos noticiários? No caso das rendas, o facto de haver agora um mercado de arrendamento, por mais limitado e distorcido, que antes quase não havia. Mas quanto aos preços de venda, esta não é a primeira vez que aumentam muito. Aconteceu há uns vinte e tal anos, depois da adesão de Portugal à CEE. Os preços multiplicaram-se durante a década de 1990, sobretudo após 1995. No entanto, aconteceu esta coisa que agora nos pode parecer espantosa: não houve pânico. A única preocupação era fugir aos impostos, embora o fisco fosse então uma doçura, comparado com a escravatura actual.

Dir-me-ão: era outro tempo, tudo era diferente. Precisamente, mas é nessa diferença que precisamos de reflectir. O que é que era diferente? As casas transaccionadas não ficavam, em geral, em prédios recuperados dos centros históricos, mas nas novas urbanizações que, à volta das cidades, iam cobrindo de cimento quintas e hortas abandonadas, enquanto a baixa de Lisboa se iam desertificando como uma aldeia serrana. O estacionamento era então um critério decisivo, tal como o acesso ao centro comercial. E, claro, ainda não havia alojamento local ou estrangeiros a comprar significativamente. Eram os portugueses, cujos rendimentos aumentavam, acompanhando o crescimento da economia e as facilidades de crédito. Essa, de facto, é a grande diferença: se os preços das casas subiam na década de 1990, também subia o poder de compra (ou de endividamento) dos portugueses.

É o que não acontece agora. O corrente grande pânico com o preço das casas expressa esta verdade, que a nossa oligarquia se esforça por esconder: o país passa por uma prosperidade que não é geral, ao contrário do que aconteceu nos anos 1960 e 1990. Uma das sociedades mais envelhecidas e endividadas tem hoje uma das economias que menos cresce na Europa. A actual alegria do imobiliário deve quase tudo ao turismo e ao paraíso fiscal criado para os reformados estrangeiros. Há quem faça negócios, com vendas ou alojamento local. Num tempo em que os depósitos bancários secaram, o imobiliário é interessante. Mas quem não é já proprietário ou não tem grandes poupanças, dificilmente poderá aspirar a entrar na escada rolante das mais-valias. Para a maior parte dos portugueses, há muito que não há aumentos comparáveis aos do sector público, e se os tivesse havido, o fisco lá estaria para lhes lembrar que a principal missão das actuais gerações de portugueses é financiar o Estado mais endividado da Europa, e assim ajudar o governo a comprar votos em 2019.

O escândalo com o custo da habitação no centro de Lisboa atesta, não apenas a globalização das capitais, mas também as limitações da economia portuguesa. O imobiliário é por isso um filme a que a maioria dos portugueses está condenada a assistir, sem nele poder participar. Resta agora saber o que vai a oligarquia fazer com isto. Em 2011, a troika quis aproveitar a queda dos preços, acentuada depois de 2007-2008, para nos afastar das hipotecas, e nos levar pela mão à sabedoria do arrendamento. Não houve tempo para a experiência. Neste momento, o governo anda a ser tentado a estrangular o mercado imobiliário, apertando o condicionamento das rendas e desmotivando os estrangeiros. Talvez que com um pouco mais de esforço, os preços parem de subir. Não julguem, porém, que vamos ganhar alguma coisa com isso.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Combustível

O mundo ao contrário /premium

João Pires da Cruz

Se o seu depósito é mais importante do que aquilo que os pais deste bebé sentiram quando lhes disseram que o filho deles morreu instantes depois do nascimento, é porque tem o mundo ao contrário.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)