Global Shapers

Oceanos de oportunidade

Autor
154

Ironicamente, a indústria das ondas está a navegar para longe de Portugal e a ir para outros locais, sendo apenas uma das indústrias de uma armada cada vez maior que compõe a economia azul emergente.

Há seis meses ouvi rumores sobre um surfista enigmático e isolado que vivia num penhasco na ilha do Pico, numa casa alimentada pela energia das ondas atlânticas. Trabalhando eu na indústria da energia das ondas e sendo igualmente um entusiasta do surf, fiquei imediatamente cativado. Em síntese, o surfista trabalhava na manutenção do conversor de energia das ondas da Central do Pico, em troca de rendimento decorrente da energia assim gerada, desta forma providenciando pela sua jovem família. Consegui com algum esforço encontrar o e-mail do surfista e após alguns meses a chateá-lo, finalmente obtive uma resposta.

Fiquei a saber que o surfista era um engenheiro extremamente qualificado que tinha despendido grande parte da sua vida (e dinheiro) a escrever um doutoramento e a manter a Central do Pico, através da identificação de formas de aumentar drasticamente o desempenho e a geração de receita do conversor de ondas. Explicou-me que o projecto atravessava dificuldades de índole financeira, estando naquele momento em baixo, para além de sofrer de problemas estruturais significativos. Perseverante, perguntei se poderia lá ir filmar um documentário sobre o projecto, por ser importante à escala global, mas desconhecido. O pedido foi aceite e as coisas pareciam estar a compor-se.

Duas semanas antes deste texto ser escrito, acordei com um e-mail que dizia: “Aconteceu hoje. A fábrica desmoronou-se no mar. Capítulo fechado. F******”. E, com isto, foi-se uma das fábricas de energia das ondas mais antigas do mundo em funcionamento; a última manifestação física da primeira indústria de energia das ondas de Portugal voltou para o oceano… para o oceano cuja energia pretendia aproveitar.

Historicamente Portugal tem sido forte na energia das ondas. Sendo o anfitrião das tecnologias pioneiras de energia das ondas, construiu em 2008 o primeiro parque movido a energia das ondas, o Parque de Ondas da Aguçadora. Este parque foi o cenário da primeira demonstração da força da energia das ondas a nível mundial, pois viu três geradores Pelamis instalados ao largo da costa da Póvoa de Varzim produzirem energia suficiente para alimentar cerca de dois mil lares portugueses. O parque foi inicialmente um sucesso, mas dificuldades financeiras levaram a um impasse na tecnologia de energia das ondas nacional. A recente perda do Pico fecha o último capítulo destes tempos iniciais.

Globalmente, Portugal continua a ser uma central de energia no campo da energia das ondas. Tratando-se de uma indústria extremamente recente, só existem cerca de 12 individualidades à escala mundial na indústria que se podem intitular como “padrinhos da energia das ondas”, sendo que Portugal tem dois. António Falcão e António Sarmento têm impulsionado a indústria global de forma imensurável, com uma nova geração ao leme, onde figura, entre outros, Ana Brito Melo. Estas figuras de proa, em articulação com um cluster a elas associado, fornecem um fluxo constante de expertise dentro e fora de Portugal, ao mesmo tempo que mantêm a sua expertise e importância a nível global.

Portugal permanece activo na indústria da energia das ondas com os developers suecos AW-Energy, que implementaram a sua tecnologia Waveroller a norte de Baleal-Este e a empresa australiana Bombora Wave Power, que investiga o potencial para uma futura implementação na mesma localização. Contudo, sem o apoio governamental que existia antes e um quadro regulatório transparente, os incentivos para escolher Portugal em detrimento de outros países permanece baixo.

As razões que afastaram de Portugal os developers de tecnologia são as mesmas que os estão a atrair para países como o País de Gales, França e os Estados Unidos. Bolsas atribuídas pelo Governo, cadeia de valor local, tarifas de alimentação, apoio industrial e académico, bem como acesso barato a infra-estruturas portuárias, oferecem um pacote atractivo para as empresas que estão prontas para a fase de protótipos industriais em larga escala. Portugal costumava ter um pacote sedutor, mas este deteriorou-se significativamente e já não é suficientemente competitivo para atrair as empresas a mudarem a operação para Portugal.

Ironicamente, parece que a indústria das ondas está a navegar para longe de Portugal e a ir para outros locais, sendo aliás apenas uma das indústrias de uma armada cada vez maior que compõe a economia azul emergente. Felizmente uma série de políticas que compõem parte da Estratégia Nacional para o Mar 2013-2020 acelerou o desenvolvimento, principalmente nas áreas das políticas e promoção, mas a mudança tem ainda que se manifestar a nível operacional.

A solução para reacender a chama da energia das ondas de Portugal não carece de um investimento maciço ou de uma reforma radical. Pode começar por visar as startups de economia do oceano mais jovens, através de incubadoras bem estruturadas, que lhes ofereçam aquilo de que elas mais precisam.

Nenhum Governo à escala global está a oferecer este pacote, pois estão com o foco em grandes programas, com grandes objectivos e grandes financiamentos, para conseguirem uma grande recompensa. A Escócia tentou esta abordagem e falhou com a Aquamarine Power e a Pelamis Wave Power, quando ambas entraram no Governo. Portugal sabe, melhor até do que qualquer outro país, que de pequenas coisas crescem grandes impérios.

Portugal já abraçou o conceito de incubação através de programas como o Sines Tecnopolo. Universidades como a Católica também estão a investigar o potencial para incubadoras de tecnologia oceânica. Mas é preciso fazer mais se a aceleração for para ocorrer no ritmo que é necessário para que Portugal se torne um líder mundial na energia das ondas e oceanos.

A vantagem de encorajar a nova economia dos oceanos é óbvia e de longo-alcance para Portugal. Com a capital da nação literalmente a contemplar Almada, com o guindaste de pórtico de 300 toneladas da Lisnave localizado num porto em ruínas, dificilmente se consegue pensar numa mais evidente chamada de atenção para agir e direccionar recursos para encontrar empreendedores que rentabilizem estes valiosos recursos. De forma semelhante aos olhos de Dr. T.J. Eckleburg, que figurativamente observavam um terreno abandonado, o guindaste surge como um símbolo da perda de Portugal da mestria oceânica, implorando ao Estado para ser de novo chamado às profundezas do oceano para encontrar os tesouros que aí pairam. Se alguma vez houve melhor altura para zarpar, essa altura é agora.

James McCarthy-Price é engenheiro numa empresa de energia renovável de ondas e marés. Fora do trabalho, James é um windsurfer de competição e é voluntário em organizações ambientais.

O Observador associa-se aos Global Shapers Lisbon, comunidade do Fórum Económico Mundial para, semanalmente, discutir um tópico relevante da política nacional visto pelos olhos de um destes jovens líderes da sociedade portuguesa. Ao longo dos próximos meses, partilharão com os leitores a visão para o futuro do país, com base nas respetivas áreas de especialidade, como aconteceu com este artigo. O artigo representa, portanto, a opinião pessoal do autor enquadrada nos valores da Comunidade dos Global Shapers.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Global Shapers

Feminista com f minúsculo

Inês Relvas
282

Aparentemente ser feminista implica uma perfeição constante na defesa incansável dos valores da igualdade. Mas há lutas e causas com as quais eu não me identifico.

Global Shapers

Medo de Semáforos /premium

Rui Maria Pêgo
3.673

Já vi medo nos olhos de homens e mulheres que só querem ser vistos, amados e protegidos. Ainda há ódio. Ainda há violência. E cabe a todos, LGBTQI+ ou não, a defesa e celebração da máxima “Eu sou tu.”

Global Shapers

Quando chegará o último Aquarius?

Hugo Menino Aguiar

É preciso conciliar a liberdade de movimento enquanto direito humano fundamental e a gestão económica, cultural e social das migrações - e permitir que esta segunda vertente seja sobrevalorizada.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)