Rádio Observador

Política

Onde está a direita?

Autor
227

Se a direita portuguesa não fizer apelo sem álibis, nem complexos de esquerda e/ou de consciência à mobilização, à adesão, à participação e ao voto dos católicos, não serve para nada em Portugal.

Pode-se não gostar, e eu não gosto nada, do Bloco de Esquerda, mas terá, pelo menos, o mérito de afirmar convicções e de lutar por elas no espaço público. Cartazes espalhados a eito pela cidade há anos e a apresentação em catadupa de propostas sempre mais fracturantes falam disso.

Aqui há dias, a comandante-adjunta Mortágua, membro do politburo bloquista, até apanhou um avião e tudo para ir a Barcelona levar um cravo português à intentona independentista picaresca e falhada do Puigdemont (que um dia deste terá de ir preso, como os outros, se tiver sorte).

O tópico catalão era pífio, é certo, mas o gesto, às vezes, máxime na política, é tudo. Isto por dizer que da nossa direita, historicamente campeã dos interesses, se calhar, infelizmente, talvez não se possa dizer o mesmo quanto à defesa de convicções.

No pantanal relativista que nos faz perder o pé, no mundo lívido e aleatório da pós-verdade onde ficará a casa da direita? Só pode estar no idioma rigoroso e original de uma afirmação permanente, clara e simples dos nossos princípios e valores cristãos de sempre. Que alicerçam desde a primeira hora portuguesa, de forma vital, a nossa autoconsciência soberana e a nossa independência. Que são, evidentemente, católicos, visto que o catolicismo é a única expressão fundamental que o cristianismo assumiu e assume historicamente em Portugal. E não, não estou a falar em nome de um qualquer confessionalismo político ou de um proselitismo serôdio agitado a bem da e pela Igreja Católica. Falo de uma coisa chamada realidade natural.

Os valores da liberdade, da subsidiariedade da totalidade do Estado, da solidariedade e da justiça, da livre propriedade, do mérito individual e da justa recompensa.

Falo da pessoa e da família com todas as suas potencialidades e liberdades como o primeiro lugar, como o elo mais forte, como o referencial insubstituível, a parede forte onde se desmoronam todas as fracturas. Princípio, fim e sujeitos de toda a política.

Falo de um país com funcionários públicos, mas muito mais mobilizador da livre iniciativa e defensor e campeão do sector privado, o único que cria riqueza e rendimento para distribuir.

Se a direita Portuguesa não fizer apelo sem álibis, nem complexos de esquerda e/ou de consciência, sem embaraços e sem reservas na construção e na formulação substanciada da sua mensagem política, na apresentação (e execução quando em funções) das suas propostas concretas à mobilização, à adesão, à participação e ao voto dos católicos Portugueses, não serve para nada como direita e em Portugal não tem caminho nenhum.

Miguel Alvim é advogado e membro do Conselho Político Nacional do CDS

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
CDS-PP

O rei vai nu ou tempo para outras escolhas

Miguel Alvim

O bom trabalho de toda uma legislatura do CDS não pode ser confundido com dois falsos temas, a saber, o da reposição do tempo de serviço dos professores e o da malfadada passadeira lgbt de Arroios.  

Eleições Europeias

Notas breves sobre a grafonola

Miguel Alvim

As pessoas acabam por assistir com mais ou menos gozo a esta parada das campanhas, porque é como a Volta a Portugal em bicicleta ao passar na terra. Não se cobra bilhete, há barulho e luzes que bastem

António Costa

A esquerda que temos

Fernando Leal da Costa
362

Nem para ambulâncias pode o INEM gastar dinheiro. O melhor será assumirem que entre ligar para o INEM ou mandar vir o Uber, o segundo é mais certo. Isto, claro, se não estiver a passar um táxi.

PS

Democracia de um só partido /premium

João Marques de Almeida

O PS quer estar sempre no poder, sendo o partido do Estado, e se possível sempre no governo, umas vezes com o apoio das esquerdas radicais, outras com a ajuda do PSD. Eis o favor que Rio fez a Costa.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)