Rádio Observador

NATO

Os 70 anos da NATO, vistos da Europa


Autor
  • João Diogo Barbosa

Não só o “exército europeu” se tornou um dos temas essenciais para o futuro, como foi possível, pela primeira vez, a aprovação de um Programa Europeu de Desenvolvimento Industrial no domínio da Defesa

Recentemente a revista The Economist recordava um estudo feito pela Brookings Institution em que se apontava que as alianças militares dos últimos cinco séculos tinham sobrevivido, em média, 15 anos. A Organização do Tratado do Atlântico Norte, saudável exceção à regra, foi estabelecida em abril de 1949, há precisamente 70 anos, com o propósito de unir os Estados Unidos às potências ocidentais da Europa, para responder à ameaça latente da União Soviética no período da Guerra Fria. No final desse conflito, a aliança tinha vencido, crescido em número e influência, consolidando-se como um dos instrumentos mais relevantes da hegemonia americana não só em termos militares, mas também políticos e culturais.

Ainda que a implosão comunista tenha posto em causa os seus propósitos originais, foi possível uma notável – ainda que discutível – reconversão após os ataques de 11 de setembro, com a expansão do território de defesa para lá da Europa e para dentro do médio oriente. Essa alteração fundamental conferiu ainda mais peso político à aliança, ainda que os resultados des- sas intervenções não possam considerar-se brilhantes.

A NATO tornou-se uma força de soft e hard power de âmbito global, recentemente mais focada em conter a política agressiva da Rússia e o crescimento do Estado Islâmico, mas que também monitoriza as consequências geopolíticas das alterações climáticas – especialmente das migrações na África subsariana.

Novamente, surge no horizonte uma alteração vital. Desde George W. Bush, os EUA têm vindo a virar atenções para a região do Pacífico, com especial atenção ao desenvolvimento da China como única potência realmente ameaçadora. Essa opção estratégica – continuada por Obama e Trump – constitui uma ameaça existencial ao futuro da organização. A verdade é que a Rússia, na visão americana, permanece uma ameaça (desde logo pelo seu arsenal nuclear), mas já não com a mesma intensidade da União Soviética. A Rússia, lembremos, tem um PIB per capita inferior ao de Portugal e um PIB em paridade de poder de compra inferior ao de Itália, para além de importantes fragilidades sociais, decorrentes da longa estagnação económica e política. A ameaça que representa atualmente é sobretudo regional e já nem sequer ideológica, depois da conversão do comunismo numa oligarquia capitalista.

Daí se compreende o desinteresse da administração Trump na vertente atlântica. Classificar a Rússia como uma ameaça regional tem vindo a significar pressão para mais investimento europeu. Essa mudança na posição americana vem exigir uma justificada reconfiguração da política externa e de segurança da União, que é reconhecidamente ineficiente. Mais ainda, com o Brexit a UE perderá o Estado-membro que maior proporção do PIB gasta em defesa – e um de apenas quatro que efetivamente cumpre a meta de 2%.

Passos importantes têm sido dados no sentido certo. Não só o “exército europeu” se tornou um dos temas essenciais para o futuro, como foi também possível, pela primeira vez, a aprovação de um Programa Europeu de Desenvolvimento Industrial no domínio da Defesa (EDIDP), através do qual a Comissão Europeia assegura um cofinanciamento de 500 milhões de euros já no período 2019-2020 para o desenvolvimento de capacidades industriais conjuntas. Não obstante, a próxima Comissão deverá colocar o tema no topo das suas prioridades, com um significativo aumento da verba orçamental e do investimento político na concertação da estratégia de segurança europeia.

Neste momento, a prossecução de políticas de defesa nacionais desarmonizadas é a grande fragilidade da União. Num setor que exige investimentos avultados, há grandes economias de escala numa ação conjunta a nível europeu e por isso a segurança deve ser vista como um campo natural de aprofundamento da integração. Aos Estados-membros cabe garantir que uma eventual política de defesa europeia mais vigorosa não se torne uma forma de devolver fundos para a França e Alemanha, os mais gastadores numa UE a 27. Portugal, em concreto, terá de assegurar um lugar destacado para o Atlântico e para África nas prioridades futuras.

Num mundo multipolarizado, dividido e em que a ordem global se encontra em reajustamento, é indispensável que a União Europeia assuma a importância da NATO na sua política externa e de segurança e reaja adequadamente à saída do Reino Unido e à nova mundividência americana. Um exército europeu teria, provavelmente, mais relevância simbólica do que fáctica, mas é uma opção que não pode ser excluída como afirmação de autoridade no novo equilíbrio de poderes.

Aos 70, a NATO já vai tendo idade para ganhar juízo, mas continua a ser o avô de que nos orgulhamos, por tudo o que fez por nós e porque sem ele não existiríamos. Parabéns, obrigado e longa vida à aliança.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Ocidente

A família transatlântica /premium

João Carlos Espada

Apesar da vincada variedade de preferências políticas dos inúmeros participantes do Estoril Political Forum, todos subscreveram os apelos de Churchill e Thatcher à unidade do Ocidente.

Combustível

Os motoristas e o mercado

Jose Pedro Anacoreta Correira

Quando o Governo não consegue instrumentalizar politicamente os sindicatos, passa ao ataque. A luta e defesa dos trabalhadores é só para trabalhadores do Estado e filiados na CGTP.

PSD

Rui Rio precisa do eleitorado de direita /premium

João Marques de Almeida

O eleitorado de direita deve obrigar Rui Rio a comprometer-se que não ajudará o futuro governo socialista a avançar com a regionalização e a enfraquecer o Ministério Público. No mínimo, isto.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)