Rádio Observador

Crianças

Os chimpanzés não contam histórias

Autor
3.089

Uma escola de Barcelona retirou livros como "A Bela Adormecida" e o "Capuchinho Vermelho", por as considerarem histórias tóxicas ou sexistas. E o mais grave é que esta onda populista não parece parar.

Uma escola de Barcelona retirou 30% dos livros da sua biblioteca porque os considera tóxicos e sexistas. Por isso mesmo, as histórias d’A Bela Adormecida e d’o Capuchinho Vermelho foram proscritas. E o mais grave é que esta onda populista não parece parar. Sendo assim, se ela for para levar por diante, proponho que se elimine, também, o Asterix, porque se a mãe do Obelix não fosse (perigosamente!) distraída ela não teria caído na poção. E O Pequeno Polegar. Porque é um exemplo inquietante de negligência dos pais. E A Cinderela, porque não há fadas-madrinha a transformar abóboras em coches. E A Branca de Neve porque fala da morte como se fosse um sono profundo. E João e Maria, que parecem ser quase um incentivo ao abuso.

E todas as histórias em que as madrastas são más porque, na verdade, enviesam as crianças para as considerarem da família das bruxas e nunca como “segundas mães”. E aquelas em que o pai é omisso, ausente ou negligente, porque isso não faz justiça à função de pai. E aquelas em que as crianças têm amigos adultos, com quem fazem viagens sem o conhecimento dos pais, como, por exemplo, o Tintim. E todas as outras em que os conteúdos originais são violentos como, por exemplo, muitas das histórias dos Irmãos Grimm. E outras onde jovens incautas se encantam por animais que falam (como A Bela e o Monstro). E as outras que parecem estigmatizar algumas deficiências físicas e acentuar alguns “amores impossíveis”, como O Corcunda de Notre Dame. E A Flauta Mágica que é, como se sabe, um incentivo perigoso à omnipotência da música. E algumas histórias mais que “entranham”, nas cabeças das crianças, pataranhas quando lhes falam de entidades sobrenaturais como fadas e fantasmas.

E, não se esqueçam, há, também, a sugestão para que se eliminem as histórias em que os animais vejam o seu “bom nome” posto em questão. E eliminem as histórias de príncipes e de princesas porque as monarquias, ao que consta, já tiveram os seus dias. E, já agora, acabem, também, com o Pai Natal que, como se sabe, não compra os brinquedos às crianças até porque não consta que haja qualquer revisão em alta do Fundo Monetário Internacional a propósito do crescimento económico do “País do Natal”. E esta ideia de Deus que, teimosamente, persiste em todos os povos, e que, tirando a fé de quem acredita, não tem uma identidade jurídica que comprove a sua existência. E todas as outras personagens que, duma forma ou doutra, influenciem as crianças nos seus juízos e no seu crescimento. E eliminem-nas enquanto, ao mesmo tempo, clamam contra a censura!

E, depois de se eliminarem todas as histórias (que, pelos vistos, não terão sido tão tóxicas como se diz a ponto de o mundo ter vindo a crescer para se tornar mais justo e, também, melhor) fiquemo-nos pelos factos. Fora de qualquer influência do que há de simbólico na “natureza humana”. Mas, por favor, antes, vejam o autor que escreveu Factfulness, Hans Rosling. Que, a propósito da perplexidade de, por mais que as coisas estejam melhores do que pensamos, as pessoas as acharem sempre piores, avança: “Percebi que o problema não poderia ser apenas as pessoas não terem conhecimento, porque isso resultaria em respostas aleatoriamente incorrectas — respostas de chimpanzé — em vez do que pior do que aleatórias, pior do que as dos chimpanzés, [as respostas das pessoas] pareciam ser sistematicamente erradas. Apenas um ‘conhecimento’ activamente errado poderá levar-nos a errar tanto”.

E escolham, por favor. Se quiserem ser populistas, sejam! Mas não o façam em nome dos direitos das crianças. Porque me parece que se estão a esquecer do seu pensamento crítico. E da forma como são os exemplos dos pais que as tornam mais capazes de serem quem são. E porque já não há paciência para um mundo que, em nome dos direitos que elas têm, as usa para atentar contra as histórias (que é o mesmo que dizer que deixa a infância para trás)!

Mas antes de eliminarem tudo o que for presumivelmente tóxico para as crianças, parem. Por um minuto. E não se esqueçam: os chimpanzés não contam histórias!

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Pais e Filhos

Maternidades muito modernas /premium

Eduardo Sá
665

É verdade que a maternidade nem sempre é um céu. Mas para certas pessoas muito “modernas”, é difícil aceitar a maternidade como aquilo que nos liga a tudo o que há de mais animal e mais humano.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)