Serviço Nacional de Saúde

Os enfermeiros que poucos conhecem

Autor
  • Sofia Rita
1.813

As lágrimas são difíceis de controlar e por vezes caem. E caem durante um ato cirúrgico, caem durante uma anestesia e caem num pós-operatório quando as complicações superaram os benefícios.

São os enfermeiros que poucos conhecem. São os que usam fatos de Bloco Operatório pouco personalizados, largos e grandes. Escondem-se por detrás de máscaras, barretes, toucas e batas. Reconhecidos na maior parte das vezes apenas pelos olhos, pelo olhar que caracteriza cada um.

As 8 ou 12 horas/dia de cumprimento de funções são passadas num ambiente frio, numa sala sem luz natural, fechada para o exterior. Não há dia, não há noite, porque tudo decorre sem ver a claridade do sol ou da lua.

O ruído é pouco, é solene, mas o ambiente é stressante. A responsabilidade é pesada e é sentida muitas e muitas vezes no acumular de situações de urgência/emergência que recebem todos os dias, a qualquer hora.

O som do telefone ou BIP estabiliza a equipa, num olhar entre cada um. Esse som remete-nos para mais uma cirurgia. Um recém-nascido? Um prematuro? Uma grávida? Uma cesariana emergente? Uma criança? Um politraumatizado?

Uma incerteza diária, mas subjacente e a qual não podemos evitar.

Não acolhemos situações “simples”. Elas não existem. Cada prestação de cuidados é individualizada, complexa e direcionada para a Pessoa que fica deitada e exposta a uma “agressão cirúrgica e anestésica previamente autorizada”. A sua anestesia pode ter complicações, a técnica cirúrgica pode ter complicações, o pós-operatório pode ter complicações e, são estes enfermeiros que poucos conhecem, que tudo fazem para que a fragilidade da situação possa decorrer sem consequências e com a maior naturalidade possível, durante horas seguidas, sem interrupções ou pausas.

A segurança e confiança que muitas vezes tentam transmitir a quem entra no bloco operatório, à família que fica ansiosa a aguardar no exterior ou aos pais, a quem é pedido que confiem em nós, que deixem o seu filho assustado, com medo ou dor nos nossos “colos”, muitas vezes, é pouco sentida, mas tem de ser expressa…

Situações emergentes e de grande stress para estes Enfermeiros acontecem. Interrompem o almoço, o jantar, a refeição fica em cima da mesa… Saem a correr em situações emergentes, as suas necessidades ficam para depois.

Uma criança de 5 anos em estado crítico, politraumatizada, em choque hipovolémico, vítima de acidente de viação. Ou uma grávida com descolamento de placenta, que entra de forma emergente às 3, 4 ou 5 horas da manhã quando a noite parecia trazer-nos alguma tranquilidade.

A imprevisibilidade surge. Recebemos “rostos” em choque, em pânico, e pouco tempo temos para tranquilizá-los: “vamos estar consigo, o tempo todo, vamos fazer o melhor que conseguirmos”. É das poucas frases que conseguimos ainda transmitir nos segundos que temos até induzirmos o seu sono e a adaptarmos de forma dependente a um ventilador.

Algumas situações são graves e angustiantes para todos. É necessária uma incrível e exigente coordenação, em silêncio, visível apenas a quem trabalha no BO.

Os materiais, os instrumentos cirúrgicos, os equipamentos, os enfermeiros, os cirurgiões: “tudo” tem de estar disponível e operacional em apenas segundos.

A comunicação é feita através do olhar numa simbiose intuitiva entre equipa. Reconhecemos rostos de preocupação, rostos de angústia, rostos de desalento, rostos de alegria e, infelizmente, por vezes, rostos de tristeza e frustração, mesmo por detrás de máscaras e barretes.

As lágrimas são difíceis de controlar e por vezes caem. E caem durante um ato cirúrgico, em que não conseguimos contornar a complexidade da situação, caem durante uma anestesia que não conseguiu reverter a instabilidade hemodinâmica da pessoa e caem num pós-operatório quando as complicações superaram os benefícios.

Estes enfermeiros que poucos conhecem, e que se escondem por detrás de máscaras e barretes também sentem. E sentem intensamente cada situação.

Também partilham alegrias e vitórias, de pessoas com esperanças reduzidas em que a dúvida e a insegurança era a sua grande certeza.

É neste ambiente que os Enfermeiros de Perioperatório vivenciam as suas experiências profissionais. Num ambiente de simbiose natural e dinâmica entre equipa, um ambiente desconhecido, mítico e com portas encerradas para o exterior.

É este o Palco, que estes atores que são os enfermeiros de Perioperatório escolheram para atuar.

Enfermeira Bloco Operatório da ULSB
Texto publicado originalmente no Facebook

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Saúde Pública

Ainda o tabaco e má legislação

Fernando Leal da Costa

O Governo quer acabar com o fumo de tabaco no SNS – em cujas instituições já é proibido fumar – para depois, com um despacho, propor a criação de espaços para não fumadores... nas zonas ao ar livre.

Serviço Nacional de Saúde

Faltam médicos? Vão faltar mais.

Fernando Leal da Costa
178

Não vale a pena chorar sobre leite derramado. Qualquer tentativa de minorar os efeitos da falta de médicos deverá ser desenhada com realismo e custará dinheiro, que as Finanças não querem dar à Saúde.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)