História

Os herdeiros de Carrie Nation

Autor

Moral da história? Devia haver nos lugares públicos umas tabuletas onde se pudesse ler: “Todos os democratas são bem-vindos, e os outros também, desde que não se metam demais nas nossas vidas”.

Não estava preparado para encontrar Carrie Nation. Ela tinha mais de um metro e oitenta, e, como escreve Daniel Okrent em Last Call, “os bícepes de um estivador, a cara de um guarda prisional e a persistência de uma dor de dentes”. A mãe estava internada num asilo de loucos, convencida que era a raínha Vitória. E do que ela mais gostava, depois de ter experimentado um apelo divino, era de destruir sozinha saloons à machadada, gritando “Smash! Smash! Smash!”. Não é de estranhar que certos proprietários de bares colocassem na parede um aviso: All Nations Welcome But Carrie.

Isto passava-se entre 1900 e 1910 e vem muito bem contado no livro de Okrent que referi e no extenso documentário Prohibition, do prolífico Ken Burns e de Lyn Novick. Os anos que precedem o que entre nós é conhecido por Lei Seca, isto é, anteriores à ratificação da 18ª emenda à Constituição dos Estados Unidos em 1919, são anos férteis em personagens extraordinários e sobretudo em movimentos sociais extraordinários. Com efeito, o vasto número de pessoas que militavam a favor da proibição de qualquer consumo de álcool era movido por motivos de toda a espécie. Mulheres que estavam fartas de serem espancadas por maridos bêbados, outras que viam na proibição a chave para a perfeição conjugal e familiar, industriais (como Ford e Carnegie) que consideravam a Lei Seca algo que beneficiaria a produção das fábricas, sufragistas que lutavam pela emancipação da mulher, negros que achavam que o álcool era um intrumento de opressão dos negros, o Ku Klux Klan, protestantes que queriam combater a progressão do mal e do catolicismo, radicais de esquerda que viam no álcool um dos ópios do povo, e por aí adiante, na maior parte dos casos com sublime fanatismo temperante. Quer dizer: gente de toda a espécie unida por um objecto comum de detestação e uma ambição sem limite – erradicar até à última gotinha o álcool dos Estados Unidos.

Progressivamente, sobretudo a partir da entrada em força da Anti-Saloon League na batalha,  os únicos opositores de peso à tendência geral – os fabricantes, quase todos alemães, de cerveja, como Adolphus Busch, e os produtores de whiskey (que, de resto, lutavam entre si) – foram derrotados. Em 1919 a Lei Seca entrou em vigor, bem como o “Volstead Act” que determinava os meios de a pôr em prática. E começa aí um período que tem o indiscutível mérito de ter fornecido material para alguns dos grandes filmes americanos, o período dos mais célebres gangsters, de Al Capone a Dutch Schultz, que enriqueceram com a produção e o tráfico ilegal de álcool. O mérito não foi só esse, de resto. Não havendo saloons, as pessoas começaram a reunir-se para beber num número cada vez maior de speakeasies clandestinos que floresciam por todo o lado, especialmente em Nova Iorque. E “pessoas” incluia aqui também mulheres, que nunca se teriam visto antes em saloons. Um dos efeitos da Lei Seca foi, de facto, para muitas mulheres, uma libertação individual, permitindo-lhes beber com os homens e provocando uma espécie de revolução sexual. A maior cronista dessa libertação foi Lois Long, a jornalista da New Yorker.

A Grande Depressão tornou a perda de empregos resultante do fechamento das fábricas de cerveja cada vez mais intolerável. Figuras como o mayor de Nova Iorque Al Wilson começaram a manifestar-se contra a Lei Seca (Wilson perderia a eleição para a candidatura presidencial pelo Partido Democrata por isso – e por ser católico). Pauline Sabin, uma republicana em ruptura com o próprio partido, lançou uma enorme campanha pelo fim da proibição. E finalmente, depois de muitas hesitações, o recém-eleito presidente Franklin Delano Roosevelt encabeçou, com um apoio cada vez mais geral, o movimento que conduziria à 21ª Emenda (que anulava a 18ª), votada e ratificada em 1933. Chegava assim ao fim o período da vigência da Lei Seca. H. L. Mencken festejou a libertação no bar do Hotel Rennert em Baltimore, bebendo a primeira cerveja legal: preety good – not bad at all.

Não me dei ao trabalho de fazer este resumo muito deficiente da ascensão e queda da Lei Seca inocentemente. Por acaso, sempre tive vontade de ler alguma coisa sobre o assunto – e nunca tinha lido. Mas a razão principal é obviamente outra. Descontando os elementos que fazem a singularidade irredutível de qualquer acontecimento histórico, há boas razões para ver na Proibição um paradigma de todos os momentos em que as sociedades democráticas sucumbem a um fanatismo delirante e em muitos casos letal. Está praticamente lá tudo. A mistura de motivos compreensíveis e de motivos inaceitáveis, a tendência a legislar sobre o ilegislável (a moral), a pretensão à iluminação divina, até a confluência de posições muito diversas numa aparente unanimidade social.

Como se sabe, por esse mundo fora e até em Portugal, fanatismos sortidos imperam, visando legislar sobre a moral individual com não menos ímpeto e reivindicação de divina iluminação que os adeptos da Proibição. Por cá, o Bloco de Esquerda encontra-se na vanguarda da justa luta. Basta ver e ler de vez em quando Mariana Mortágua, que certamente não partilha as características físicas de Carrie Nation, para nos darmos conta disso. Não estou de resto a vê-la a entrar aos gritos de “Esmaga! Esmaga! Esmaga!”, de machado em punho, em qualquer antro de perdição moral capitalista. Mas vejo-a perfeitamente a, com a persistência de uma dor de dentes, lutar por um mundo onde a moral individual seja legislada ao milímetro. Ela não é, de resto, o exemplo mais radicalmente ilustrativo da atitude em questão. Mas serve.

Moral da história? Devia haver nos lugares públicos umas tabuletas quaisquer onde se pudesse ler: “Todos os democratas são bem-vindos, e os outros também, desde que não se metam demais nas nossas vidas”.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Futebol

A responsabilidade dos políticos /premium

Paulo Tunhas

Os nossos virtuosos políticos, em vez de manterem uma saudável distância que a dignidade da sua função exige, atropelam-se uns aos outros para ver qual mais ostenta o seu particular amor clubístico.

Caso José Sócrates

O orgulho e a vergonha /premium

Paulo Tunhas
112

A única forma de tornar a tal “vergonha” credível é não pretender que ela pode conviver com o “orgulho” da governação Sócrates. Até esse momento a posição oficial do PS só pode suscitar incredulidade.

José Sócrates

A corrupção e a vergonha do PS /premium

Paulo Tunhas
278

O que se passou com Sócrates é comparável ao que se passou em todos os outros partidos? Há algum caso semelhante ao que se passou no PS, não apenas por causa de Sócrates, mas também pelo próprio PS?

Política

A mais natural das direitas

Jorge Miguel Teixeira
175

O grupo de Ofir, liderado por Lucas Pires. reforça o trabalho de pensamento alternativo ao socialismo, reafirmando o papel central da Europa, da democracia e da abertura económica no Portugal moderno.

História

Angola é nossa! /premium

P. Gonçalo Portocarrero de Almada
310

Angola é nossa porque é da nossa língua, como nossa é também porque, na sua imensa maioria, é católica.

Colonialismo

África, África...

João Freire

Só após as exigências da Conferência de Berlim (1884-85) o governo de Lisboa foi constrangido à ocupação efectiva dos territórios coloniais, inicialmente por meios militares devido à resistência local

História

O precedente do Intendente /premium

P. Gonçalo Portocarrero de Almada
429

A principal riqueza de uma nação não está nos seus bens patrimoniais, mas no aprumo e dignidade moral dos titulares dos órgãos de soberania e de todos os seus cidadãos.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Ligue-se agora via

Facebook Google

Não publicamos nada no seu perfil sem a sua autorização. Ao registar-se está a aceitar os Termos e Condições e a Política de Privacidade.

Detalhes da assinatura

Acesso ilimitado a todos os artigos do Observador, na Web e nas Apps, até três dispositivos.

E tenha acesso a

  • Assinatura - Aceda aos dados da sua assinatura
  • Comentários - Dê a sua opinião e participe nos debates
  • Alertas - Siga os tópicos, autores e programas que quer acompanhar
  • Guardados - Guarde os artigos para ler mais tarde, sincronizado com a app
  • Histórico - Lista cronológica dos artigos que leu unificada entre app e site

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Inicie a sessão

Ou registe-se

Ao registar-se está a aceitar os Termos e Condições e a Política de Privacidade.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)