“Tantos são preguiçosos. É verdade, preguiçosos”, disse este sábado Passos Coelho a propósito dos jornalistas, nas jornadas parlamentares do PSD/CDS. Terá dito mais. Falou de “inverdades como punhos” (um dos fenómenos mais estranhos do léxico político português foi o desaparecimento da límpida palavra mentira e a sua substituição pela retorcida inverdade.) Falou também o primeiro-ministro, aqui já, ao que parece, a propósito dos comentadores (quiçá dos comentadores filiados no PSD que aspiram a outros voos no ano de 2015), do espírito “Maria vai com as outras” de quem procura causar uma boa impressão. Mas não ficou por aqui. Foi mais longe questionando: “Porque é que aqueles que todos os dias informam os portugueses e informam mal não hão-de dar a mão à palmatória, não hão-de pedir desculpa e não dão aos portugueses um direito a ter uma informação isenta e rigorosa?”

Dizem as notícias que esta intervenção de Passos Coelho foi bastante aplaudida. Não admira: os sociais-democratas estão convencidos de que em geral a comunicação social não lhes é favorável. Pode dizer-se que isso em parte é verdade. Basta comparar as notícias sobre este governo com o respeitinho mostrado em relação ao PS ou com o doce fechar de olhos em relação ao PCP e ao BE para o poder dizer. Mas também se deve acrescentar que esta circunstância aparentemente penalizadora foi usada em proveito próprio e com grande sucesso por alguns sociais-democratas como Cavaco Silva ou Rui Rio, cujos eleitorados absolutamente convictos da parcialidade dos jornalistas em relação aos seus candidatos, se habituaram a desvalorizar e a desconfiar das notícias. E ficar imune às notícias (ou quase) durante uma campanha eleitoral é verdadeiramente estar em estado de graça.

A avaliar pelo teor da intervenção de Passos e pelas palmas ouvidas na sala do parlamento onde decorriam estas jornadas parlamentares do PSD/CDS, podemos concluir que este será um dos eixos da campanha eleitoral do PSD em 2015: nós fizemos mas os jornalistas não mostraram. A que naturalmente se seguirá não dito mas implícito: não mostraram porque querem favorecer António Costa.

Digamos que este é um argumentário com algum fundamento, mas é apenas uma parte da verdade: a boa imprensa, de que Costa inegavelmente gozou, torna-se frequentemente um presente envenenado. E no caso concreto do actual líder dos socialistas pode trazer-lhe mais problemas do que vantagens em 2015: habituado a declarar e não a debater, tendo vivido mediaticamente na redoma reservada às segundas figuras dos partidos e tendo sido geradas em torno de si expectativas redentoras para o dilema presente dos socialistas – é o socialismo compatível com a realidade? –, António Costa vai sofrer uma imensa pressão para explicar como governará de forma diferente de Passos e como será diferente de Hollande (e também de Sócrates mas esse é um outro assunto que nada tem a ver com ideologia mas sim com moral e poder).

Se Costa não for muito claro nestas matérias – e o enredo em que se enfiou em torno da discussão sobre a dívida não augura nada de bom –, arrisca-se a não se livrar dessa pressão antes da campanha eleitoral. Ora há poucos momentos mais perigosos para um político em campanha do que perder o estado de graça. Perdê-lo no poder como aconteceu a Passos faz parte do jogo. Perdê-lo em campanha pode determinar um resultado. Logo nem tudo o que parece é neste mundo das notícias dos e sobre os partidos e os governos.

Quem também não se pode dizer que sejam preguiçosos, mesmo que o pareçam, são os jornalistas. Haverá alguns que o são, mas a maior parte trabalha cada vez mais recebendo cada vez menos. Também não acho que tenham de pedir desculpas. Ou, como quaisquer outros profissionais, só terão de o fazer quando por negligência ou má-fé fizerem mal a alguém. E aí não são os políticos as principais vítimas. Ou quando o são isso acontece geralmente porque os aparelhos partidários deixaram cair alguém que lhes pode comprometer as ambições: lembram-se das notícias sobre o cansaço de Campos e Cunha numa fase em que o então ministro das Finanças começava a ser um obstáculo aos projectos megalómanos de Sócrates? E a hiper-atenção votada à pasta da Economia quando esta era ocupada pelo independente Álvaro Santos Pereira? E as notícias sobre a demissão de Nuno Crato sopradas por gente do PSD ansiosa por substituir o actual ministro por alguém que de educação nada saiba, mas que entregue o ministério à paz dos funcionários e dos sindicatos do sector? Os jornalistas têm as costas largas!

O que temos como elemento redutor e distorcivo de boa parte das notícias é uma outra coisa. Uma outra coisa que faz com que o problema não esteja no que escrevem sobre Passos, mas sim no que não escreveram sobre Sócrates. Ou que em algumas redacções tal só tenha acontecido por absoluta impossibilidade de evitar o assunto. Tal como o problema não é o que escrevem sobre os cortes nos salários, mas sim que em quarenta anos de democracia se contem pelos dedos das mãos as reportagens dignas desse nome sobre os sindicatos – de que vivem; quantos trabalhadores representam ou como são realmente escolhidos os seus dirigentes – ou sobre o mundo paralelo das empresas públicas.

O problema é acreditarem em qualquer maquete e fazerem invariavelmente equivaler o gasto do dinheiro dos contribuintes a políticas de crescimento. O problema é de cada vez que falam em pobreza colocarem a questão como se a pobreza se resolvesse invariavelmente com mais e mais subsídios. Em conclusão, o problema não é de modo algum o que criticam e investigam, mas sim o que omitem sobre determinados líderes e o acriticismo com que brindam determinadas causas. Aqui sim pode falar-se de um favorecimento não necessariamente da área da esquerda, mas sim de quem lhe usa o ideolecto.

Esse ideolecto que leva a que se escreva (e apenas para citar exemplos da passada semana) “ILGA relembra: Portugal não protege filhos de casais homossexuais” – desde quando é um dado adquirido que aquilo que a ILGA defende protege essas crianças? Ou que se conclua numa outra notícia: “Ferreira Leite arrasa Mota Soares e defende o Estado Social”. Portanto dá-se como adquirido que Ferreira Leite defende o Estado Social. Porquê? Porque defende a manutenção das prestações sociais mesmo quando estas ultrapassem o valor obtido a trabalhar? É isso defender o Estado Social? Esse ideolecto que leva ainda a que, na impossibilidade de ignorar um facto, ele seja noticiado de forma absolutamente tonta como sucedeu com o atentado que custou a vida a um bebé em Jerusalém – “Automóvel atropela transeuntes em Jerusalém”. Como se os atropelamentos no mundo fossem tão raros, mas tão raros, que o atropelamento de um bebé em Jerusalém ou noutra qualquer cidade fosse notícia por si mesmo.

Esta é aquela parte da História em que nas notícias não existem crimes mas sim desilusões – por exemplo, a descolonização portuguesa. Em que as velhas utopias de engenharia social se mantêm intactas mudando apenas de procedimento – agora são as barrigas de aluguer, no passado foram os jardins-de-infância alternativos. Em que entre nós e a felicidade está apenas o obstáculo de um papão – no passado o imperialismo ianque, agora a senhora Merkel.

Alguma vez deixará de ser assim? Não creio. Mas sempre nos resta o consolo de antecipadamente sabermos que alguns dos melhores textos dos jornalistas do amanhã serão sobre esta particular vontade de não ver dos jornalistas seus antepassados.