Rádio Observador

Política

Outro caminho

Autor
  • Diogo Prates
327

A esquerda pode ser derrotada, Portugal não está condenado a ficar para trás, mais pobre e desigual, os jovens não estão condenados a entrarem no mercado de trabalho como quem entra num jogo viciado.

Portugal está numa encruzilhada. Se por um lado o PS percebeu a razão da derrota de 2015 e transfigurou-se no partido das “contas certas”, vangloriando-se do “défice mais baixo da democracia” (quem se lembra da frase “há vida para além do défice” de Jorge Sampaio?), conseguindo mesmo converter os seus parceiros PCP e BE a esta disciplina orçamental, por outro lado os partidos que deveriam estar a fazer oposição, PSD e CDS, perderam o discurso quando votaram ao lado de BE e PCP na novela da recuperação integral do tempo de serviço dos professores. Rio está mais preocupado com o seu partido do que com o país, as listas para deputados tomam-lhe demasiado tempo. O CDS, que até já apresentou os seus candidatos ao parlamento, ficou em choque depois das Europeias e promete apresentar medidas que façam esquecer o resultado desastroso que obteve, pelo que aguardemos então.

E os novos partidos? Qual o espaço que podem ocupar? À partida não têm nada a perder, nunca participaram na governação (à excepção de Santana Lopes, presidente do Aliança) e portanto podem estar mais à vontade.

Comecemos então pelo Aliança. PSL lançou o partido porque percebeu que Rio faria mais oposição aos passistas do que propriamente ao PS, procurando conquistar muitos daqueles que deram a vitória à PàF e não se reveem na oposição de Rio. Problema: o partido é novo mas ele não. O Aliança já nasceu velho e com vícios, a única hipótese do Aliança é Santana escolher já o seu sucessor, prepará-lo e sair de cena, ficando como figura senatorial. O Aliança tem pontos a seu favor, posicionou-se sem medo à direita, sem jogos de palavras, tem razoável implementação nacional, tem meios e tem o “know-how” santanista. Isto é, o seu líder é neste momento a maior força e a maior fragilidade do partido, pelo que PSL sair de cena, mantendo-se por perto do delfim, seria o melhor para o partido.

O CHEGA não convence. Não basta papaguear aquilo que se pensa que os eleitores querem ouvir, é preciso alguma ideia, qualquer coisa que inspire as pessoas a votar, e isso Ventura não faz porque aparentemente ideias é coisa que não tem.

A Iniciativa Liberal, com resultados nos 2% em Lisboa e Porto, tem feito o seu caminho, com uma comunicação inovadora sobretudo apoiada nas redes sociais, e tem denunciado os abusos do Estado sobretudo em matéria fiscal. Mas será isso suficiente?

Portugal precisa de uma visão, de uma força política que se assuma claramente como uma alternativa a esta esquerda e que não queira apenas substituir PCP e BE como parceiro do PS.

O caminho afigura-se difícil, muitos decretaram a morte da direita e o que esta pode fazer? Inovar, reinventar-se e lutar porque nada mais lhe resta. A actual maioria de esquerda pode ser derrotada, Portugal não está condenado a ficar para trás, mais pobre e mais desigual, os jovens não estão condenados a partirem para o mercado de trabalho como quem parte para um jogo viciado, aqueles que arriscam o seu próprio negócio não têm que ser engolidos numa teia de burocracia e impostos, os funcionários públicos competentes e que investem na sua formação devem ter a oportunidade de ser justamente avaliados, contando mais o mérito que a cor do cartão partidário, não temos que viver mergulhados em impostos directos e indirectos para sustentarmos um Estado gigantesco e parasitário incapaz de fazer aquilo que devia, prestar-nos bons cuidados de Saúde, Educação e Justiça.

A questão dos novos passes sociais é o mais recente exemplo da falta de coragem dos partidos de direita mais tradicional – mas também dos novos: nenhum condenou de forma efectiva que os passes em Lisboa e Porto fossem financiados pelo Orçamento do Estado quando se podiam usar receitas locais, como o dinheiro obtido com as taxas turísticas nestas cidades. Causa estranheza que seja o BE a liderar a oposição na questão da supressão de barcos no Barreiro e causa mais estranheza ainda que ninguém se pronuncie contra a retirada de bancos no metro e na Fertagus prejudicando claramente idosos, grávidas e mulheres com filhos pequenos.

A direita não está condenada, mas a actual talvez esteja.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Eleições

Outro caminho para Setúbal

Diogo Prates
177

Acreditamos que só com um clima de negócios competitivo será possível gerar riqueza e proporcionar as condições de vida que os habitantes do distrito de Setúbal merecem e ambicionam para si.

Política

Um país “grátis”

Diogo Prates
265

A feira de promessas em que está a tornar-se a pré-campanha eleitoral não só coloca em risco os sacrifícios que foram feitos no passado mas, mais grave, põe em causa o principio básico da igualdade.

Socialismo

Má-fé socialista /premium

José Miguel Pinto dos Santos

Não é a situação social em Portugal muito melhor que na Venezuela — e que nos outros países socialistas? Sim, mas quem está mais avançado na implantação do socialismo, Portugal ou Venezuela?

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)