Começo por uma história que um aluno universitário partilhou em aula, quando estávamos a trabalhar matérias ligadas ao impacto e eficácia do feedback. A ideia era contar casos concretos de bom e mau feedback, dado ou recebido, para reforçar a consciência da importância de ser construtivo e resgatador, por oposição a destrutivo e devastador.

– No meu último ano no liceu todos os alunos foram à viagem de finalistas menos eu por causa de um processo disciplinar em que realmente me portei mal. Foi uma das experiências mais duras da minha vida, mas o meu pai teve um gesto que nunca esquecerei.

– O que é que aconteceu?

– Sei que merecia um castigo, mas achei-o desproporcionado. Uma viagem de finalistas é irrepetível e ser deixado para trás, ficar de fora é humilhante. Não só não podemos viver aqueles dias com os nossos amigos, como depois também não suportamos ouvi-los contar como foi.

Este artigo é exclusivo para os nossos assinantes: assine agora e beneficie de leitura ilimitada e outras vantagens. Caso já seja assinante inicie aqui a sua sessão. Se pensa que esta mensagem está em erro, contacte o nosso apoio a cliente.