Colonialismo

“Pare o mundo que eu quero descer!” /premium

Autor

A Seita insiste em manter-se na crista da onda da ‘libertação dos oprimidos’ içando a bandeira do seu ‘humanismo’ que Lhe permite forçar terceiros a colher tempestades de ventos que ela mesma semeou.

No âmago das reinvenções da contemporaneidade está a Seita, excrescência religiosa que ganhou rostos e vestes laicas e um poder de quem navega sobre o mar das vidas comuns com inquestionável direito a derramar crude. Ainda aguardamos por uma geração capaz de estancar a fonte poluidora para permitir que, finalmente, as demais cruzem a mancha tóxica enquanto esta se dilui.

Mas nada muda e a contaminação continua a atacar com particular virulência o nervo central da espécie. Resta aos comuns mortais tentar colocar a cabeça de fora das águas poluídas apenas para suavizarem a intoxicação. A luta pela liberdade desceu ao nível do mero instinto animal de sobrevivência.

Pertenço a uma das gerações às quais a Seita impôs a ‘libertação da opressão’. À época era urgentíssimo acabar com o ‘colonialismo’. Passou meio século e peças desconjuntadas de sociedades inteiras, cadáveres incluídos, não param de flutuar no tsunami poluidor que foi arrasando todo o meu continente natal e hoje espraia-se com violência nas margens do continente vizinho. Indiferente, a Seita insiste em manter-se na crista da onda da ‘libertação dos oprimidos’ içando mais e mais a bandeira do seu profundo ‘humanismo’ que Lhe permite forçar terceiros a colher tempestades de ventos que ela mesma semeou. A Seita, que nunca se coibiu de recorrer a escudos humanos nas suas ‘campanhas justiceiras’, vai perdendo a vergonha de alastrar a face mais sórdida dessas práticas à sua própria casa ao apoiar a viagem e instrumentalizar a chegada dos novos navios negreiros que descarregam sem dignidade, sem lei e de forma ostensivamente provocatória destroços humanos das suas aventuras tropicais ao longo de décadas.

Entretanto, a Seita havia imposto fórmulas urgentes de vitórias e mais vitórias dos países explorados sobre os países opressores. A caricatura está na visita do presidente do então novo país subdesenvolvido à mais poderosa superpotência da época onde descobriu que por lá trabalhavam vinte e quatro horas por dia e, no regresso, impôs que ‘A partir de hoje!’ a sua amada pátria revolucionária iria passar a trabalhar vinte e cinco horas por dia e a ultrapassagem da superpotência era uma questão de tempo. A variante no hemisfério norte foi a urgência de impedir que ‘os ricos ficassem com tudo o que era do povo’ que, assim, nunca se libertaria da pobreza cultural, social, económica. A Seita impôs um Estado intrometido em tudo e mais alguma e que cumprisse o sagrado desígnio de ser ele a investir, investir, investir, com e sem recursos. A vida passa e, na mancha poluidora, não param de emergir destroços de misérias, epidemias, famílias desconjuntadas, anomia, dívidas públicas colossais, património urbanístico arruinado e uma volumosa bola de impostos inutilizada na massa densa de crude. Sem remorsos e muito menos arrependimentos, a Seita quer mais e mais, agora combater o ‘neoliberalismo’, a especulação financeira, os mercados aos quais exige ‘Queremos as nossas vidas de volta!’

A Seita – sempre pronta a denegrir pela denúncia o passado anterior à sua própria existência – nunca se ensaiou em impor uma nova escola participativa que ‘libertaria’ os povos, na origem, de malformações mentais herdadas de um tempo de trevas com o qual era urgente romper. À medida que a mancha de crude foi trespassando as paredes das escolas quem por lá sobrevive vê-se forçado a especializar-se mais a mais no desvio dos destroços da indisciplina, violência, depressões, ruído. A Seita reage tornando ainda mais sagrado o farol-guia da sua navegação, agora orientado para a escola ‘inclusiva’ com ‘flexibilidade curricular’ e sem exames, os últimos uma imposição corrosiva da ‘boa’ e ‘autêntica’ relação pedagógica.

A Seita diverte-se ao mesmo tempo e cada vez mais surfando a nazarena onda feminista ou femista (sic) que ‘libertará’ as mulheres de milhões de anos de opressão masculina, dilúvio que, por arrasto, lavará a espécie de todos os pecados das opressões sexuais. Os dias passam e na mancha de crude já flutuam seres deformados pela poluição cuja cabeça vive enfiada no seu próprio baixo-ventre onde buscam loucamente o centro do universo.

No refluxo desta vaga talvez venha a celebração da páscoa, a recordação da navegação originária que fundou a Seita, o momento em que no deserto académico recebeu o mandamento sagrado de criar o ‘Homem Novo’, mas que obrigou a exegese a clarificar o significado profundo da originária palavra santa, criar o ‘Género Novo’. A causa terá sido um mero mero lapso do Criador que, muito atarefado nos primórdios, terá omitido a criação também da ‘Mulher Nova’ ou, com muitíssimo mais rigor, a criação da ‘Multi-Identidade-Variável-Inclusiva-de-Género’.

O “chato” que gritava nos ouvidos de Raul Seixas “Pare o mundo que eu quero descer!” talvez tivesse razão. Nada falta para habitarmos no Planeta-Manicómio.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Livros

A saúde mental dos portugueses

Gabriel Mithá Ribeiro
773

Se hoje já é problemático, como sobreviverão os profissionais de lares de idosos, utentes, quando as atuais gerações ainda mais mimadas, impulsivas, viciadas ou preguiçosas chegarem ao outono da vida?

Livros

Fanon the Killer

Gabriel Mithá Ribeiro

Os auto legitimados pensadores de África tudo têm feito para aniquilar o melhor da herança colonial europeia, desperdiçando o mais raro, original e notável contributo de modernização do continente.

10 de junho

Um dia contra Portugal? /premium

Rui Ramos
1.266

Catarina Martins não quer ver "reconhecida" a "enorme violência da expansão portuguesa", quer apenas usar a história para deslegitimar os regimes ocidentais -- e só esses.

Colonialismo

África, África...

João Freire

Só após as exigências da Conferência de Berlim (1884-85) o governo de Lisboa foi constrangido à ocupação efectiva dos territórios coloniais, inicialmente por meios militares devido à resistência local

Livros

Fanon the Killer

Gabriel Mithá Ribeiro

Os auto legitimados pensadores de África tudo têm feito para aniquilar o melhor da herança colonial europeia, desperdiçando o mais raro, original e notável contributo de modernização do continente.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)