Assembleia Da República

Paridades

Autor
  • Luis Teixeira

Eu já decidi: o meu voto vai para o primeiro partido que apresente uma lista só de homens ou só de mulheres, em que metade deles (ou delas) se declare do género oposto para efeitos civis e políticos.

O dr. Mota Soares, que é segundo na lista de candidatos do CDS às europeias, está em vias de deixar de o ser por causa da nova lei da paridade nas listas eleitorais. A lei, que tem o apoio fervoroso de PS, PSD e BE, também é apoiada, embora a contragosto, pelo partido do próprio dr. Mota Soares, o que torna o destino deste particularmente ingrato. Os únicos que estão contra a lei são os comunistas, benza-os Deus.

Esta posição dos comunistas merece a concordância do Pamplona, que foi meu condiscípulo e agora é meu médico. Disse-mo à saída do ginásio onde ambos combatemos a artrite e apreciamos a beleza duas vezes por semana, ao fim da tarde. Ele admite a custo a concordância porque se considera, aliás correctamente, um liberal anti-comunista. Eu não me espanto porque tanto ele como eles foram forjados no mesmo molde iluminista: eles por causa de Marx e ele por causa de Frank, todos comungam do catecismo de Rousseau e a ideia de dividir homens e mulheres em matérias de cidadania é-lhes repugnante. Ele próprio gosta de dizer que os comunistas são os últimos socialistas verdadeiros e que a súcia que se acoita no PS e no BE não passa de uma colecção de trânsfugas do romantismo e do spleen baudelairiano, sem respeito por nada nem ninguém.

A D. Aurora, que é transmontana e católica e a senhora cá de casa, afina pela mesma ideia (“Que senso há em contar homens e mulheres como se fossem bois e vacas?” disse-me há dias enquanto me dobrava as meias) e já diz que é uma pena que o “senhor doutor” (que é o nome que ela dá ao Pamplona), que é tão boa pessoa, ande assim por aí perdido para o Senhor. Ainda não disse o mesmo de Jerónimo de Sousa mas quer-me parecer que está por dias. Ao que a D. Aurora não achou graça foi à minha lembrança de fazer o dr. Mota Soares ir à Conservatória do Registo Civil declarar-se mulher. (“Cruzes, credo, senhor doutor!” gritou. “T’arrenego Belzebu!”) Até ameaçou deixar de votar no partido da D. Assunção (que ela insiste em tratar por Assumpção, com “p”). Eu, que não quero estragar as perspectivas eleitorais dos centristas e prezo as minhas camisas, calei-me.

Mas já decidi: o meu voto vai para o primeiro partido que apresente uma lista só de homens ou só de mulheres, em que metade deles (ou delas) se declare do género oposto para efeitos civis e políticos. Até já tenho um nome para o partido. Podiam chamar-lhe PCT-IT: Partido Cis Trans, Inclusivos e Transformers. Havia de ser um êxito.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Conflitos

Mediterrâneo

Luis Teixeira

Huntington defendeu, como Braudel, que a realidade de longa duração das civilizações se sobrepõe a outras realidades, incluindo os Estados-nação em que se supôs que a nova ordem mundial iria assentar.

Brasil

Amazónia

Luis Teixeira

Bolsonaro merece muitas reservas, e a menor não será o apoio que os evangélicos, antes apoiantes do PT, agora lhe dão. Não é o caso quando critica a menorização dos índios por activistas e burocratas.

Natal

A revolução divina

Luis Teixeira
180

O livre arbítrio é central na mensagem cristã e significa uma ruptura clara na História. Com o cristianismo torna-se um princípio basilar que cada pessoa é inteiramente responsável pelas suas escolhas

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)