Rádio Observador

Pais e Filhos

PDCP: Partido que Defende as Crianças dos Pais

Autor
  • Rute Granja
249

Vem um partido defender os animais, os seus maus tratos, o que compreendo. O que não compreendo é a falta de defesa das nossas crianças pois parece que ninguém quer saber, todos fazem vista grossa.

Nos últimos tempos surgiram vários novos partidos, uns dizem que são de direita, outros de extrema direita, outros são liberais, outros defendem animais e o meio ambiente. Infelizmente ainda ninguém se lembrou de inventar um partido que defenda as crianças. Proponho o nome de PDCP, Partido que Defende as Crianças dos Pais. Este sim, parece-me um partido que faz sentido, pois as crianças são o futuro de todos nós.

Passo a explicar a minha ideia: sou mãe, o que pelos vistos me deu direito cívico de opinar, pois enquanto não tinha filhos qualquer opinião por mim verbalizada em relação a qualquer situação com uma criança e os seus pais era logo punida com o comentário “não és mãe, não sabes o que dizes”. Já na altura sabia e achava que certas despreocupações de alguns pais não eram correctas.

Começo por dizer que nenhum pai será perfeito e eu certamente ainda estou longe de o ser, contudo o que me faz ainda mais confusão é ver que esta falta de cuidados não está somente em pessoas menos informadas, pois não acredito que os Pais que chegam à praia com seus filhos recém-nascidos à hora que deveriam estar a sair com eles não saibam que estão a ser muito  egoístas. Sou mãe há poucos anos, mas existem os mínimos para os cuidados das nossas crianças.

E que tal um projecto Lei, sobre actos prejudiciais à saúde do seu filho? Pais que  andam com os seus filhos nos parques infantis na hora do calor sem chapéu, será admissível? Já para não falar da utilização de protector solar, porque ainda nem existe a consciência  para o uso do mesmo fora da praia.

Provavelmente já todos estivemos numa praia ao meio dia  em pleno Verão. A Essa hora todas crianças deveriam estar num local fresco e longe de raios solares, e ao invés disso, estão muitos a chegar à praia com os pais, ou já lá estão e preparam-se para lá ficar o dia todo!  Refiro-me a crianças e a bebés! Isto não é criminoso!? Vem um partido defender os animais, os seus maus tratos, o que compreendo. O que não compreendo é a falta de defesa das nossas crianças pois parece que ninguém quer saber, todos fazem vista grossa. Eu tenho filhos e não aguento ver os filhos dos outros a serem mal tratados. Será que é preciso formar o PDCP? Imaginando várias crianças num parque a meio da tarde, seria de esperar uma de duas situações: ou o parque está coberto para as crianças terem sombra, ou têm chapéus para as protegerem do sol. Pois bem, se tiverem curiosidade, olhem e vejam, várias crianças sem chapéu e à torreira do Sol. Ainda há pouco tempo  uma criança e a sua mãe chamaram-me à atenção. A criança estava alegremente a brincar sem chapéu, distraída do calor que se fazia sentir aquela hora  pois as crianças são mesmo assim, e a sua mãe, cuidadosa e atenta à sua filha, aguardava na frescura da sombra de uma árvore , enquanto a sua filha se habilita sem saber a um cancro de pele. Não acredito que esta mãe o tenha feito  por mal, contudo foi descuidada para com a saúde da sua filha e a ausência de consciência não a senta está mãe de culpas.

Será que parte da solução passa por rondas policiais nas praias e nos parques infantis a avisar ou penalizar os pais de maus tratos aos seus filhos?

Se muitos pais o fazem sem consequências, nada vai mudar.

Temos que ajudar as nossas crianças a crescerem mais saudáveis.

Não pretendo com este meu artigo acusar nenhum pai mas sim alertar, e se um Pai que seja, alterar e defender o seu filho, dou por ganho o tempo que despendi para o escrever.

Mãe

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Crónica

Ninguém está preparado para ser mãe /premium

Eduardo Sá
5.672

Quem aceita que uma mãe, que se sente “Deus na Terra” sempre que aninha o bebé nos braços, está autorizada a estar “farta” e exausta de tanta exigência sobre ombros e ávida de um bocadinho só para si?

Pais e Filhos

O curriculum dos pais /premium

Eduardo Sá
187

Num mundo em que os filhos nos pedem “Pai, vê aí, no Google, se Deus existe!”, temos de reconhecer que sermos pais é aquilo que mais nos torna “reserva natural da vida selvagem”.

Pais e Filhos

Deixem a adolescência em paz! /premium

Eduardo Sá
13.813

Dêem-lhes tempo para ser adolescentes! Deixem-nos errar. Deixem-nos querer mudar o mundo. Deixem-nos ter sonhos. Deixem-nos pôr os pais em causa. Mas não deixem (nunca!) de ser pais. 

Pais e Filhos

Querido pai /premium

Eduardo Sá
172

O que não faz sentido, neste momento em que a “versão autoritária” do pai e a “versão submissa” da mãe estão em grande mudança, é que um e outro se “rendam” a um novo (pequeno) chefe de família

Pais e Filhos

O lado feminino dos homens /premium

Eduardo Sá
107

Pergunto-me o que é que aconteceria se nós chamássemos ao "lado de leoa" duma mãe, por exemplo, "o lado masculino" de uma mulher. Tenho medo que, de dedo em riste, alguém achasse sexista…

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)