Crónica

Pensar com as mãos /premium

Autor
122

A caligrafia é uma técnica humana que acompanha o pensamento. O que perdemos ao deixarmos de ser capazes de pensar com as mãos e de transmitir às mãos aquilo em que estamos a pensar?

Conheço muitas pessoas que perderam a caligrafia. É mais parecido com perder um poder do que com perder um amigo, embora também se pareça com perder uma boa companhia. Não é o mais estridente dos finais e talvez seja um dos mais íntimos. Todas se referem a isso de uma forma resignada: nalguns casos, nostálgica, noutras nem por isso. Algumas perderam-na precocemente, outras ao longo de anos. Falam da perda como se tivessem adoecido, como se a incapacidade de escrever à mão fosse parecida com a incapacidade gradual de correr, de ver ao longe ou ao perto, de se dobrarem para apanhar um objecto do chão. Referem-se à perda como a qualquer coisa incurável, um ponto sem retorno.

Talvez seja uma doença do nosso tempo, explicada pela tecnologia, mas talvez não seja. Talvez a tecnologia apenas tenha acelerado um processo a que a idade conduz todos nós, apesar de tantas pessoas de idade com letras maravilhosas, desenhadas e pacientes, aprendidas e cultivadas desde há muito.

A caligrafia é uma técnica em vias de extinção e a sua perda generalizada uma das maneiras como o nosso tempo vai tomando conta dos nossos corpos. Mas tendo em conta que é uma técnica humana que acompanha o pensamento e que exprime uma forma própria do pensamento, pergunto-me o que perdemos ao perdê-la. Deixarmos de ser capazes de pensar com as mãos e de transmitir às mãos aquilo em que estamos a pensar — porventura a mais democrática forma de desenho de que dispomos — é um assunto silencioso, de cada um consigo mesmo.

Talvez percamos o acesso a uma forma importante da solidão: a de conseguirmos escrevinhar, entender o que escrevinhámos e fazermo-nos entender aos outros e a nós; talvez percamos a independência de nos bastarmos só com um lápis e um papel, sem precisarmos de nenhuma máquina.

Todos os que aprendemos a ler e a escrever recebemos esses dons e com eles um modo tangível de nos prolongarmos e imprimirmos nas coisas, deixando um rasto de papéis.

Não parece que percamos muito do carácter imprimido na nossa letra à medida que a perdemos, felizmente. Mas a caligrafia ilegível que vamos ganhando é um contraponto perfeito da maneira como a nossa cara vai envelhecendo: escrita, reescrita, rasurada, riscada, manchada pelo tempo. Já não conseguimos ler o que escrevemos, mas o nosso rosto escalavrado é um poema, que também não conseguimos ler sem ajuda.

Djaimilia Pereira de Almeida é autora de “Esse cabelo” (2015) e “Ajudar a cair” (2017).

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Crónica

Uma sismografia /premium

Djaimilia Pereira de Almeida

Não nos reconhecermos nos sublinhados que outrora fizemos nos livros mostra que já não somos os mesmos, ainda que respondamos pelo mesmo nome e que os livros velhos ainda sejam nossos. 

Crónica

Estar vivo /premium

Djaimilia Pereira de Almeida

Uma das coisas maravilhosas dos seres humanos é a nossa tenacidade para fazer planos, nem que seja o plano de regar as plantas logo à noite, porque é Verão.

Crónica

Longe da praia /premium

Djaimilia Pereira de Almeida

Não ser daqui não é apenas não ter aquilo a que se costuma chamar uma terra, mas passar por aqui sem um reconhecimento da natureza — paralelo do reconhecimento humano, muitas vezes também ausente.

Pedofilia

Vade Retro, Sr. Padre! /premium

José Diogo Quintela

Os padres envolvidos nos casos de abusos sexuais são uma minoria. O pior é a cobertura que lhes dá o resto da hierarquia católica. A protecção dos abusadores vê-se nas penas do Tribunal Eclesiástico.

Crónica

Na Caverna da Urgência

António Bento

A principal queixa do homem contemporâneo é a de uma permanente e estrutural sensação de «falta de tempo». Há uma generalização da urgência a todos os domínios da experiência e da existência moderna.

Política

As direitas a que Portugal tem direito /premium

Alberto Gonçalves
1.589

Visto que em Portugal a direita se define por ser tudo aquilo de que a esquerda não gosta, eu defino-me por não gostar de tudo aquilo o que a esquerda é. Quanto à direita, tem dias. E tem direitas.

Crónica

Levá-los a sério? /premium

Paulo Tunhas

Até que ponto vale a pena levar as coisas a sério quando tudo parece uma farsa generalizada em que a classe política parece sobretudo interessada em não nos fazer o favor de se preocupar connosco?

Crónica

O regresso do Rei

Luis Teixeira

Os professores acreditam que os 9 anos, 4 meses e 2 dias de tempo de serviço congelado hão-de sair do nevoeiro da dívida e os enfermeiros, que os 68% de aumento hão-de chegar com a maré. 

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)