Rádio Observador

Governo

Populismo à portuguesa

Autor
866

Muitos em Portugal gostam de dizer que não há populismo entre nós. É falso. Temos um governo populista, apoiado por partidos populistas. Mas há um político que recusa render-se: chama-se Passos Coelho

Um dos mitos da política nacional diz que em Portugal não há populismo. Não há Trump, não há Frente Nacional e não há Farage. Mas há o PCP, há o BE e há António Costa. Em Portugal, o populismo está no poder. O populismo não é uma ideologia política. É um modo de fazer política. Há populismos de direita e de esquerda. Também não é exclusivo de forças radicais e extremistas. Há partidos ideologicamente moderados que fazem política de um modo populista, como por exemplo o actual PS em Portugal.

Os populismos crescem quando há uma maioria suficiente de pessoas assustadas com o presente, inseguras em relação ao futuro e sem confiança no poder político para restituir a segurança perdida. Contextos sociais desta natureza elegeram Trump, votaram a favor da saída do Reino Unido da União Europeia e ajudam Marine Le Pen em França. Em Portugal, o resgate financeiro assustou os portugueses, os quais se tornaram inseguros em relação ao futuro. Em 2015, o PSD e o CDS não conseguiram convencer a maioria dos portugueses que seriam capazes de restituir a segurança perdida. Foi nesta combinação de medo e de insegurança que a geringonça chegou ao poder. E com a necessidade de ultrapassar uma derrota eleitoral do PS e de justificar uma coligação parlamentar que havia sido escondida dos portugueses. Seria necessário ganhar popularidade.

Há traços distintos no modo de fazer política populista. Antes de mais, os partidos populistas, apesar de serem minoritários, falam sempre em nome do “povo”. O PCP e o BE nunca ganham eleições, raramente passam a barreira dos 10% dos votos, mas falam e portam-se como se tivessem o apoio da maioria dos portugueses. Para ultrapassar o problema das votações fracas, recorrem a argumentos populistas, apresentando o povo como vítima de elites “corruptas” ou “egoístas”, como a “banca” ou os “sectores financeiros”. Ou, argumento semelhante, o povo é vítima de poderes estrangeiros, no caso, para o PCP e para o BE, a União Europeia, o Euro, a Alemanha ou os países do Norte. O discurso populista do PCP e do BE sobre o Euro ou sobre a globalização é idêntico ao da Frente Nacional. No essencial, nada os separa. E o governo socialista vai muitas vezes atrás da tentação populista/nacionalista. A figura do Secretário de Estado Ricardo Mourinho a representar um papel perante as camaras na conversa em Bruxelas com o presidente to Euro grupo, D…, foi um exemplo triste dos piores instintos populistas.

A defesa do povo contra elites corruptas (no discurso do Podemos, “as castas”) ou contra a ameaça externa, procura restituir a segurança aos cidadãos em tempos de crise. Mas não chega. Também é necessário prometer que se resolve todos os problemas que causam insegurança. O BE garante que terminaria com a precaridade se algum dia chegasse ao poder. Alguém acredita que alguma vez um governo poderia acabar com a precaridade? Cada vez mais, a vida professional é incerta e precária. Em Portugal e em qualquer outro país do mundo. Os populistas também fazem promessas que sabem muito bem que nunca poderiam cumprir se chegassem ao poder. O PCP e o BE sabem muito bem que nunca poderiam “nacionalizar a banca”, a não ser que retirassem Portugal do Euro. Mas nunca explicam os custos da saída do Euro nem o modo como o fariam. Um bom exemplo do populismo irresponsável de quem sabe que muito dificilmente chegará o governo.

Mas não se julgue que, na apresentação da realidade, o PS está imune ao populismo. O PS leu as eleições de Outubro de 2015 do seguinte modo: depois do que aconteceu entre 2011 e 2015, cerca de 60% da população portuguesa não confia no PSD e no CDS para restituir a segurança e a confiança em relação ao futuro. Compete ao governo socialista fazê-lo. Obviamente, é positivo garantir segurança económica e social aos cidadãos, tal como restituir-lhes a esperança para o futuro. O problema é fazê-lo através da construção de uma “realidade” que não corresponde à realidade, mentindo aos portugueses. Depois de um ano em São Bento, António Costa sabe muito bem que a “austeridade” entre 2011 e 2015 foi o preço a pagar pelos erros cometidos por um governo do seu partido e necessária para continuar no Euro. Por isso, fez tudo, incluindo a redução do investimento público, para cumprir as regras do défice.

António Costa também sabe que as famosas “restituições de privilégios” foram possíveis por causa da compra de dívida pelo Banco Central Europeu. Não é mérito do seu governo, não resulta de políticas públicas, nem da criação de mais riqueza. É fruto do contexto favorável da zona Euro. O governo culpa o antigo governo pela austeridade e quer convencer os portugueses que a vida voltou ao normal pré-2011. Sabe muito bem que nada disto é verdade. Serve apenas para ganhar popularidade e, se possível, eleições antecipadas. A geringonça não passa de uma coligação de populismos que gere o tempo, manipula a comunicação e anestesia os portugueses. Mas a anestesia é uma falsa segurança.

Muitos em Portugal gostam de dizer que não há populismo no nosso país. É falso. Temos um governo populista, apoiado por partidos populistas. Há na verdade um político em Portugal que recusa a rendição ao populismo. Chama-se Passos Coelho. É, por isso, tão detestado pelos partidos populistas.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
PS

Democracia de um só partido /premium

João Marques de Almeida
287

O PS quer estar sempre no poder, sendo o partido do Estado, e se possível sempre no governo, umas vezes com o apoio das esquerdas radicais, outras com a ajuda do PSD. Eis o favor que Rio fez a Costa.

PSD

Rui Rio precisa do eleitorado de direita /premium

João Marques de Almeida
327

O eleitorado de direita deve obrigar Rui Rio a comprometer-se que não ajudará o futuro governo socialista a avançar com a regionalização e a enfraquecer o Ministério Público. No mínimo, isto.

Política

Os idiotas úteis da esquerda /premium

João Marques de Almeida
1.425

Pacheco Pereira e Marques Lopes querem fazer carreira na comunicação social como os cronistas de direita que atacam a direita. Eles querem ser a “direita” que a esquerda gosta.

Governo

O diabo de António Costa /premium

Luís Rosa

Se vem aí uma crise maior do que a de 2008, como diz Costa, então as promessas do PS de crescimento económico, aumento da despesa e superavit orçamental podem ser postas em causa.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)