Rádio Observador

António Costa

Porque é que Costa é hábil, e Passos não?

Autor
2.297

Costa “segmentou” a sociedade portuguesa, como dizem os comerciais: dividiu os portugueses em grupos, e governa a favor de alguns, por sinal os que têm mais rendimentos. É isto que é ser "hábil".

António Costa é hábil, tudo lhe corre bem, até o que lhe corre mal. Passos Coelho, não. Por isso, a pátria cobre-o de sugestões. Uns recomendam-lhe que escreva os discursos; outros, que seja “positivo”. Mas o problema de Passos não é o dos discursos, nem o das “boas notícias”. O problema de Passos é comercial. Passos, quando anuncia o “diabo”, fala para o público em geral, em nome do bem comum. Costa e a maioria de esquerda, quando dão “boas notícias”, falam para alguns grupos concretos, em nome dos seus interesses particulares. E politicamente, isto rende muito mais, o que explica a aparente felicidade de Costa.

Há quem ainda não tenha percebido. Quem nos vê sempre sob pressão fiscal, a crescer por via das exportações, imagina que estamos na mesma. Mas não estamos. António Costa tem razão: isto mudou. Durante o ajustamento, Passos governou para todos e para ninguém em especial. A austeridade foi transversal, perdoando apenas, na sua incidência directa, os rendimentos mais baixos. Quase toda a gente tinha razão de queixa do governo, que pareceu frequentemente sozinho. António Costa evitou essa situação. Redistribuiu o esforço de austeridade, de modo a poupar as classes de que podia esperar votos, como os funcionários públicos e os pensionistas ricos. Costa e a sua maioria de esquerda “segmentaram” a sociedade portuguesa, como dizem os comerciais: dividiram os portugueses em grupos, e governam a favor de alguns, por sinal aqueles que dispõem de mais garantias e rendimentos. É esta a sua verdadeira “habilidade”: ter identificado os clientes certos para quem governar.

Passos Coelho não teve essa habilidade. Entre 2011 e 2015, não negligenciou apenas a comunicação e o “networking”. Desprezou a ideologia, para aumentar impostos. Desprezou os interesses, para cortar despesa. Convenceu-se de que os tempos iam mudar e de que acabara a governação para comprar apoio. Enganou-se: a folga que ele deixou está a ser gasta por Costa para fazer precisamente o que Passos julgou que tinha acabado.

Na oposição, Passos continua a falar para todos, em nome do bem público. Costa fala para os funcionários, os pensionistas com as pensões mais altas, ou até para grupos tão específicos como os bolseiros da FCT, que fez questão de referir durante o debate do orçamento. Fica-se com a impressão de que se lhe dessem tempo, Costa poderia nomear os grupos de interesse para quem governa, ou até as pessoas uma a uma. Tem grandes antecessores nessa atitude: já Fontes Pereira de Melo explicava que em Portugal é politicamente mais rendoso fazer favores a indivíduos do que trabalhar para o bem comum.

Nos seus discursos, mesmo quando os escreve, Passos cita estatísticas, raciocina, é didáctico. Parece acreditar que as políticas certas são convincentes por si. Mas este não é o ambiente para as suas lições. O debate público degradou-se, e os factos deixaram de ter importância. Os interesses particulares imediatos de cada um são hoje a medida de todas as coisas. Com as suas devoluções e integrações, Costa governa para agora; com os seus argumentos, Passos fala para outros tempos.

Podem os sábios vir ensinar que o crescimento económico é metade do espanhol, ou que os juros da dívida estão a subir. Podem os jornais notar que o Metro de Lisboa circula no Terceiro Mundo, ou que há estátuas derrubadas no Museu de Arte Antiga. Quem quer saber disso, se os funcionários vão ser aumentados, e os “precários” entrar no quadro? Em Portugal, o cuidado do bem comum só voltará a ter importância numa nova situação de emergência, quando a força das circunstâncias o impuser. Até lá, continuaremos na era das habilidades.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Rui Rio

Portugal continua a não ser a Grécia /premium

Rui Ramos
396

Quando a Grécia se afundava em resgates, Passos impediu que Portugal fosse a Grécia. Agora, quando a Grécia se liberta da demagogia, é Rui Rio quem impede que Portugal seja a Grécia. 

Racismo

A máquina de inventar racistas /premium

Rui Ramos
3.536

O pior que nos poderia acontecer era deixarmos de ser portugueses, para passarmos a ser “brancos”, “negros”, ou “ciganos”. Não contem comigo para macaquear o pior que tem a sociedade americana.

Serviços públicos

O melhor dislate do ano

Fernando Leal da Costa

Que mania, a dos nossos concidadãos, que insistem em usar os serviços que lhes disseram ser públicos. E, logo que precisam, vão todos ao mesmo tempo. É muito irritante.

PSD/CDS

35 horas: outro vazio de representação /premium

Alexandre Homem Cristo

PSD e CDS já não defendem a convergência dos sectores público e privado (40 horas de trabalho semanais). Quem representa, então, os eleitores que compreenderam a sua medida em 2013? Ninguém.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)