CDS-PP

Portugal 2019

Autor

As eleições ganham-se com trabalho. Na medida da preparação, do empenho e do esforço de todos os protagonistas. Mas não basta. O outro lado da receita tem nome: convicções fortes e boas ideias.

As próximas eleições europeias e legislativas são cruciais em tempos de dispersão e populismo. Como ensinava JFK, ganha quem partir ou começar primeiro.

O CDS meteu-se há meses ao caminho e tem dado a volta ao País a falar com as pessoas e a procurar conhecer e diagnosticar os problemas. Tem dado voz ao povo. Ouve quem sabe, para poder propor.

As eleições ganham-se com trabalho. Na medida da preparação, do empenho e do esforço de todos os protagonistas. Mas não basta.

O outro lado da receita tem nome: convicções fortes e boas ideias. Não têm de ser muitas, nem dispersivas. Não têm de ser tudo e o seu contrário. Não têm de ser fáceis demais, redondas e baixinhas a apelar ao unanimismo serôdio. Não são boas porque sim. São boas porque são verdadeiras, fortes, enraizadas e partilhadas. Têm de ser convincentes. Têm de mobilizar. Fazer acreditar que é possível muito mais e muito melhor para Portugal e para os Portugueses.

Alguns exemplos:

  1. O CDS defende intransigentemente a vida, a pessoa e a liberdade de escolha em todas as suas dimensões (da escola ao trabalho, da política à saúde).
  2. O CDS defende a articulação inteligente, permanente e eficaz entre o interesse nacional e a revitalização e aprofundamento do projecto europeu.
  3. O CDS defende máxima formação, a melhor educação, a mais ampla preparação socioprofissional, uma indeclinável responsabilidade pessoal e o mérito individual.
  4. O CDS conhece e ama a história de Portuga e defende a preservação da nossa identidade moral, espiritual e cívica.
  5. O CDS não vê Portugal como uma realidade parada, anacrónica e inviável a prazo (também demograficamente), uma coutada de demasiados mantida a custo de uma carga fiscal cega e brutal só sobre alguns, mas um país em movimento, com a população a crescer, modernizado, seguro e fiável, amigo do investimento, terra de oportunidades, de criação de emprego e de riqueza para todos.

As eleições estão à porta.

Advogado

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
CDS-PP

O peso das escolhas

Miguel Alvim

O único, exclusivo e fundamental ponto é este sinal imensamente negativo dado à sociedade: é que, afinal, parece que o cargo não executivo na Galp é mais importante do que ser vice-presidente do CDS.

Animais

Sinais dos tempos

Miguel Alvim

A protecção da totalidade da realidade natural e nela da pessoa, de todas as pessoas sem excepção, é a obrigação mais solene, mais grave e mais urgente do sistema político-partidário português.

CDS-PP

Mudar a bem

Miguel Alvim

Temos de pensar nas pessoas e nos seus problemas mais sérios, da liberdade de escolhas até à vitalização do sistema político e ao futuro económico e institucional da União Europeia.

Política

A reconstrução da direita /premium

Luís Rosa
322

A refundação da direita alargará o leque de escolhas dos eleitores. Optar entre socialistas e social-democratas não é verdadeiramente uma opção porque são duas faces do mesmo disco do rotativismo

CDS-PP

O peso das escolhas

Miguel Alvim

O único, exclusivo e fundamental ponto é este sinal imensamente negativo dado à sociedade: é que, afinal, parece que o cargo não executivo na Galp é mais importante do que ser vice-presidente do CDS.

Política

Três desafios para o 5.7

Alexandre Franco de Sá

Apesar das adversidades políticas, trata-se de despertar a direita acomodada e bocejante contra a hegemonia cultural de uma esquerda que, indisputada no espaço público, dociliza há décadas a sociedade

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)