Rádio Observador

PS

Portugal no país da Cultura

Autor
138

O Portugal do país da Cultura no fundo não existe. Eclipsou-se. Joana Vasconcelos quer para si a “prioridade das prioridades”. Quer dizer: quer o mundo submetido ao seu desejo. Pobre António Costa.

A culpa não é de António Costa, coitado dele, é de costumes ancestrais. A Cultura – vale mesmo a pena a maiúscula – está com ele. Já estava, lembram-se?, antes de ele ser secretário-geral do PS. Estava tanto com ele que, sob a figura do simpático “simpatizante”, o ajudou a desenvencilhar-se do incómodo, e suspeito de “incultura”, António José Seguro, votando maciçamente em Costa nas “primárias” do PS. “A Cultura está com António Costa”, dizia à data um manifesto publicado nos jornais, assinado por vária gente que se acha muito bom exemplo para o resto do mundo.

Agora, nesta última semana antes das eleições, a Cultura voltou a atacar. E voltou a atacar com as elevadas ambições do costume. E com a ferocidade, mas sem a graça, do Machete dos filmes de Roberto Rodriguez. É que ela, a Cultura, não se contenta com aquilo que António Costa, com a sua actual vulcânica generosidade, que faz de qualquer intervenção sua uma lava de promessas, se encontra generosamente disposto a conceder-lhe: um ministério, nada menos do que um ministério. A direita, mesquinha, dá-lhe só uma secretaria de Estado. A esquerda fá-la voar em direcção a mais elevadas paragens e a uma dignidade transcendente que ela por inteiro merece e profunda e incondicionalmente deseja.

Mas um ministério não basta. Quem o disse, num almoço ou jantar que reuniu vários representantes das artes com António Costa num restaurante de Lisboa, foi a artista plástica Joana Vasconcelos. Joana Vasconcelos não quer só um ministério. Quer que a Cultura seja a “prioridade das prioridades” do próximo Governo. A “prioridade das prioridades”, leram bem. Não faço a lista do que se vê assim relegado para lugares secundários, mas ponham-se a pensar. A artista plástica Joana Vasconcelos tem uma ideia muito bem definida da sociedade portuguesa e sabe diagnosticar na perfeição o que lhe anda a fazer mal: uma dolorosa carência, orquestrada pela direita radical, de Joana Vasconcelos. E quem diz Joana Vasconcelos diz presumivelmente todos os outros muito auto-estimados convivas da refeição eleitoral.

Estas delirantes pretensões dos nossos locais apóstolos da arte e cultores do espírito não mereceriam qualquer atenção neste mundo feito de muita loucura, não fossem elas revelarem um fenómeno assaz singular: a total incapacidade da gente da auto-designada Cultura de pensar com o mínimo de isenção – quer dizer: com o mínimo de pertinência – a coisa política. A atitude corporativa, é claro, ajuda. Mas não chega para explicar tudo. Noutros domínios onde se exerce a acção humana, dos enfermeiros aos engenheiros, existe atitude corporativa, mas os danos mentais e a insanidade intelectual não são tão graves. Com a Cultura, a coisa é diferente. É que acresce a isto uma muito nítida convicção de superioridade moral e de excelência do estatuto próprio. Um pouco como muitos estudantes universitários, que aparentemente vivem ainda na crença de possuírem um estatuto social semelhante ao que era o seu no século dezanove, uma crença que conduz, entre outras coisas, à sobrevivência das muito gentis praxes. A “prioridade das prioridades” de Joana Vasconcelos arrisca-se a não passar de uma praxe sofisticada paga pelos nossos impostos.

Apresso-me a dizer que sofro de uma saudável imunidade relativamente a sanguíneas convicções sobre o que deve ser a sociedade. É vulgar em gente sensata, se me é permitido um auto-elogio discreto. Li vários livros escritos por génios que tinham doutrina na matéria, mas desde novo, pelo menos a partir de certa altura, nenhum deles me deu uma martelada na cabeça. O melhor, no capítulo, é reagir pontualmente aos tempos e, a partir do que os tempos oferecem, escolher o que garante mais liberdade e favorece mais oportunidades de viver bem à maioria das pessoas. Não será talvez muito entusiasmante como atitude, mas é indiscutivelmente a que menos propicia erros que se arriscam a lixar a vida dos outros. Essa ausência de uma teoria geral da sociedade leva-me, entre outras coisas, a aceitar, sem reserva particular, a tender para nenhuma, a atribuição de subsídios pelo Estado às artes. No caso, por exemplo, da chamada música erudita, por razões que nem é preciso explicar, mas que podia explicar, isso até me parece uma necessidade exemplar. Claro que tem de haver critérios e que esses critérios têm de ter em atenção a situação do país. Mas isso é outra coisa.

O que irrita então na atitude dos auto-proclamados e muito vocais representantes da Cultura? É que ela revela sobretudo, por muito manifesto que seja o seu “progressismo”, um indisfarçável idealismo. E é esse idealismo que torna impossível pensar com um mínimo de lucidez a sociedade e a política. ”Idealismo” não no sentido de um desejo, afectado de utopismo, de um mundo melhor e de uma sociedade mais justa, mas no sentido de um desfasamento radical em relação ao mundo real. O corpo da sociedade, para os apóstolos gregários – são muito gregários – da Cultura, tende a dissolver-se, e as questões das finanças e da economia são relegadas para o plano da vil matéria pútrida. Há mesmo uma espécie de maniqueísmo em que o Bem e o Mal se opõem, sem concessões. De um lado, os que prezam as artes e veneram os criadores, por mais insignificantes e ridículas que sejam as suas “criações”; do outro, as forças do dinheiro e dos “mercados”, que não lhes garantem o que julgam merecer.

Uma tal visão das coisas tem um tão grande potencial aglutinador que faz esquecer os ódios cegos que habitam o meio. Apesar de tudo, o sentimento de pertença a um tipo humano mais elevado do que o do vulgo é mais importante que tudo o resto. E é essa patética sobranceria que interdita qualquer reflexão política consistente. A banalidade empírica com que a política tem que lidar eclipsa-se. Como se eclipsa, muito realmente, a preocupação com os muito efectivos sofrimentos das pessoas, excepto de uma forma convenientemente sublimada e que se serve de uma linguagem já completamente despegada da coisa política. Note-se que esta visão das coisas, pelo seu maniqueísmo e simplismo, é imensamente atraente a vários espíritos que, por uma razão ou outra, não se educaram na subtileza das dúvidas. Basta ver a boa quantidade de ilustres figuras da direita que a ela não resistem. O desejo de pertencer à casta, de ser amado com os amáveis cuidados de uma pequenina eternidade, é mais forte do que tudo. Tudo menos morrer do lado dos “incultos” e dos que não “parecem bem”, mesmo que se tenha de arrepiar caminho e negar tudo o que, com razoável sobriedade, se passou anos e anos a dizer.

O Portugal do país da Cultura no fundo não existe. Eclipsou-se. Joana Vasconcelos quer para si a “prioridade das prioridades”. Quer dizer: quer o mundo submetido ao seu desejo. E quem, no fundo, não o quer? Quem, nas zonas mais profundas do seu espírito, não alberga a expectativa que possa ser assim, que deva necessariamente ser assim? Ninguém, como um autor do século passado explicou em detalhe e de forma convincente. Mas, para vocalizar isso com boa consciência e sem qualquer sentimento de ridículo, com uma completa ausência da noção do ridículo, falta à maioria das pessoas um imenso e perfeitíssimo álibi. Um álibi que eles têm: a Cultura. António Costa vê vantagens em afagar estes narcisismos delirantes. Pobre António Costa. Pobre PS. Pobre Cultura.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Combustível

Uma história de hipocrisia /premium

Paulo Tunhas
452

António Costa precisa, quanto mais não seja por causa da dúbia origem do seu poder, de afirmar constantemente a sua autoridade. Daí também ter encenado um espectáculo sem par.

Parlamento Europeu

Portugal poucachinho na Europa. E cá?

Bruno Martins

Se estes são os representantes que conseguimos ter, então não é de espantar que os Portugueses tenham cada vez menos interesse na Europa e que a abstenção continue a aumentar nessas eleições.

Combustível

Teorias da conspiração /premium

Manuel Villaverde Cabral

A única coisa que não sabemos ao certo acerca da greve dos camionistas é se o governo a combate a sério, servindo-se para isso da implantação do PS na organização do patronato, ou se finge combatê-la.

Combustível

Uma história de hipocrisia /premium

Paulo Tunhas
452

António Costa precisa, quanto mais não seja por causa da dúbia origem do seu poder, de afirmar constantemente a sua autoridade. Daí também ter encenado um espectáculo sem par.

Política

A sobrevivência do socialismo /premium

André Abrantes Amaral

O socialismo é a protecção de um sector contra os que ficam de fora. O desejo de ordem e a desresponsabilização é natural entre os que querem segurança a todo o custo.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)