Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

Sempre pensei que quanto mais alguém está convencido da bondade de uma ideia, de uma tese, de uma solução para determinado problema, mais gosta de a explicar com clareza, de a confrontar com outras ideias, teses ou soluções, de procurar que as demais pessoas cheguem a convencer-se — pela força dos argumentos — de que a razão parece estar do seu lado. Mas tenho verificado que com certeza estou enganada. Vejo demasiadas vezes esse alguém — que pode até ser o Governo — enveredar pelo caminho oposto: confundir o problema, martelar as cabeças com ‘inverdades’, fazer crer que em causa está um assunto diferente, violar a norma porque aplicá-la não serve os seus objectivos.

Passo a explicar, tendo em mente esta ‘guerra’ dos contratos de associação.

O grande problema desta ‘guerra’ é que está a ser travada no momento errado. Segundo as normas aplicáveis ao caso, o concurso para abertura de turmas de início de ciclo com contrato de associação deve acontecer de três em três anos. Se o último teve lugar em 2015, o próximo deverá acontecer em 2018. Quer dizer: o concurso de 2015 contempla já, necessariamente, aberturas de ciclo nos anos lectivos de 2015/2016, 2016/2017 e 2017/2018. Mas porquê essa cadência trienal? Porque se entendeu que a estabilidade que interessa assegurar em matéria de organização educativa ficava melhor servida assim do que se todos os anos houvesse que recomeçar. Acautela-se, além disso, que uma turma financiada em início de ciclo continuará a sê-lo até ao fim do mesmo: se é do 5º ano, o contrato abrange também o 6º; se for do 7º ano, ele irá até ao 9º; se é do 10º, permite igualmente os dois anos de continuidade.

Significa isto que esta selecção de escolas não contratadas poderia ser levada a cabo em 2018. Fazê-lo antes leva consigo uma subversão da confiança de todos — escolas, pais, professores, alunos, funcionários — no sistema; uma desordem em alturas em que tudo costuma estar já preparado para o ano lectivo seguinte; um incumprimento de um contrato que não se espera do Estado, supondo que este ainda procura ser pessoa de bem.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Já se ouve a crítica: mas o Governo não interpreta assim as normas que invocas; o Governo entende que todos os anos deve abrir concurso para os contratos que envolvam inícios de ciclo, que é esse o procedimento normal previsto no diploma. A resposta mais clara e talvez menos esperada é esta: o Governo, para as escolas cujos contratos de associação manteve, abriu — com o Aviso de 20 de Maio passado — um concurso ‘a título excepcional’. Esclareço um pouco mais: vendo que a norma não permitia abrir um concurso normal — esse foi aberto em 2015 e só poderá voltar a sê-lo em 2018 —, o Governo lançou mão de um subterfúgio. Acolheu-se à possibilidade de abrir um concurso a título excepcional… quando nenhuma circunstância excepcional ocorre!

Professora da Faculdade de Direito de Coimbra