Rádio Observador

caderno de apontamentos

Professores: escrutinados, cansados mas motivados

Autor
  • Ricardo Montes
523

Somos uma classe cansada e desiludida pela forma como temos vindo a ser tratados. Quão bem a opinião pública conhece uma classe profissional a que tanto deve e na qual o poder político tanto bate?

A classe docente é uma classe emblematicamente escrutinada pela opinião pública e que todos se sentem competentes para criticar. Somos criticados por fazer e por não fazer, mas também o seremos se fizermos algo que se situe entre esses dois polos. Mas quão bem a opinião pública conhece uma classe profissional a que tanto deve e na qual o poder político tanto bate?

Obviamente que não é necessário ser professor para compreender a realidade da classe, mas dificilmente quem está do “outro” lado terá uma real noção das dificuldades a que nos temos de sujeitar e – pela nossa sanidade mental – ultrapassar. E essa lista de dificuldades é tremenda. A título de exemplo:

1. Lidamos com a indisciplina em múltiplos diários de 28 alunos, num espaço que foi desenhado para menos;

2. Gerimos a incompreensão, a ignorância e a falta de educação de alguns progenitores, sabendo que existe uma fortíssima probabilidade de sermos sovados verbal e fisicamente;

3. Para a gestão da indisciplina dos filhos e falta de educação dos progenitores, estamos munidos de legislação oportunamente vaga, ausente formação em gestão de conflitos e uma aparentemente natural falta de compreensão de alguns diretores de agrupamentos de escolas;

4. As revoluções na educação acompanham os ciclos políticos, pelo que de 4 em 4 anos temos um diferente paradigma, nova legislação, programas curriculares redesenhados, renovados manuais e roturas com aquilo que já havia sido feito;

5. Como classe estamos longe da união, a partilha (de materiais, mas essencialmente de experiências) é – no mínimo – difícil e dificultada, e a menor capacidade de gerir trabalho, indisciplina e stress são vistas pelos pares como fraqueza a afastar e a maldizer;

6. Os concursos de professores são autêntico sorteio, onde uma colocação pode ser ditada por um dia de trabalho a mais num passado recente, onde uma merecida possibilidade de vinculação é definida por um número aparentemente aleatório de dias e cujos resultados acarretarão para muitos um ténue equilíbrio entre uma remuneração e centenas de quilómetros percorridos, quartos alugados, material escolar comprado e degradação de relações pessoais e familiares;

7. E, por fim, temos quase sempre muito trabalho, trabalho que levamos para casa, documentos duplicados e triplicados que temos de preencher uma e outra vez, e que nos retiram tempo de preparação de aulas (e eu gostava tanto de o fazer; tenho imensas saudades de “perder” horas a criar estratégias e recursos para os meus alunos), e que ultrapassa largamente e frequentemente o número de horas semanais para as quais somos pagos. E não, ao contrário do que alguns estarão a pensar também não somos bem pagos.

Chegados aqui, facilmente se poderia concluir que tudo é mau nesta classe. Mas não. Seria tudo mau se fossemos uma classe incapaz de reconhecer o bom e de lhe atribuirmos um valor. E se há tanto de negativo, onde vai um professor buscar a sua motivação? A motivação de um professor tem fundamentos diversos, mas quase todos eles passarão pelo seguinte: os seus alunos. Sim… Os alunos, não todos evidentemente, mas aqueles que gostam de aprender, que nos fazem procurar soluções para as questões mais improváveis, que nos sugerem estratégias, que nos ouvem e que nós ouvimos, que partilham connosco o que sentem e que também nos ensinam.

Somos uma classe cansada e desiludida pela forma como temos vindo a ser tratados. No entanto, estou certo que para uma grande maioria dos professores, bastará num determinado ano letivo ter uma mão cheia (nem serão necessários tantos) de bons alunos, para conseguirmos colocar de parte (mesmo que a curto prazo) esses sentimentos, e avançar de forma construtiva e positiva, na esperança de que de alguma forma a nossa influência (mesmo que frequentemente não reconhecida) tenha contribuído para o seu caráter, para o seu sucesso, para a sua realização enquanto seres humanos. Ou, se quisermos ser menos ambiciosos no vocabulário, para a sua felicidade.

Professor e blogger do ProfsLusos
‘Caderno de Apontamentos’ é uma coluna que discute temas relacionados com a Educação, através de um autor convidado.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
caderno de apontamentos

Educar mesmo /premium

Miguel Abranches Pinto
187

O debate sobre a educação cairá sempre na necessidade de uma presença adulta, sendo aqui que se joga o diálogo da família com a escola, para que o jovem possa crescer e afirmar a sua personalidade.

caderno de apontamentos

Educar para o futuro /premium

Eduardo Marçal Grilo
716

Os jovens portugueses nada devem temer na sua comparação com os de países mais avançados tecnologicamente, mas para poderem “voar” têm que ganhar mundo, ser pró-ativos e não ter medo do futuro.

Ministério da Educação

Um mau serviço à Educação

Carlos Fiolhais
757

Os governantes que na prática fecharam o Colégio da Imaculada Conceição, prestando um mau serviço à educação, desconhecem provavelmente os contributos dos Jesuítas para o ensino, a ciência e a cultura

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)