Assembleia Da República

Quais as consequências da legalização da eutanásia?

Autor
  • Pedro Afonso
3.130

Ao dessacralizar a vida humana, através da legalização da eutanásia, o Estado pode restringir, por exemplo, o acesso a um tratamento oneroso como é o caso da hemodiálise a doentes com mais de 80 anos.

A proposta de Lei que permite a legalização da eutanásia é apresentada pelos seus defensores como sendo um progresso civilizacional. A ideia é atraente porque ninguém deseja ser contra o progresso — colocando desta forma os seus opositores na posição de “retrógrados” —, mas o argumento é falso porque há muitos séculos atrás a eutanásia era praticada em várias sociedades primitivas, bem como na Grécia e na Roma antiga. Os idosos, os doentes incuráveis e os “cansados de viver” podiam suicidar-se ou submeterem-se a práticas e ritos de modo a provocar uma “morte honrosa”.

Todavia, o verdadeiro progresso da humanidade foi no sentido de criar leis que defendam a vida humana e impeçam o mais forte de poder exercer o seu poder sobre o mais fraco. Como exemplos, temos a abolição da escravatura, da tortura, do racismo, do infanticídio, etc. Mas quais serão as principais consequências práticas da legalização da eutanásia? As principais consequências serão as seguintes: 1) destruição da relação médico-doente; 2) risco do fenómeno “rampa deslizante”; 3) eutanásia passiva; 4) coação moral sobre os mais fracos; 5) eutanásia involuntária.

A relação de confiança médico-doente, que é a base da medicina, é violada através da prática da eutanásia. A primeira consequência da legalização da eutanásia será a destruição da relação médico-doente. A tradição hipocrática obriga a que os médicos estejam do lado da vida, lutando contra as doenças, que nas suas formas mais graves podem conduzir à morte. Facilmente se compreende que aquele que deveria tudo fazer para nos salvar, não pode, ainda que a nosso pedido, agir no sentido de nos tirar a vida. De outra forma, ficará sempre uma dúvida na mente do doente: “Quando é que o médico irá desistir de me tratar e capitulará na luta contra a doença”?

O risco do fenómeno de “rampa deslizante” (slippery slope) será outra consequência da legalização da eutanásia. Um fenómeno que é apresentado como sendo raro e para casos excecionais transforma-se rapidamente num fenómeno comum e cada vez mais generalizado. Tomemos o exemplo da Holanda. Entre 2009 e 2015 houve um aumento de 50% do número de eutanásias praticadas num ano. Em 2015 foram praticadas 5516 eutanásias o que dá uma média de 15 eutanásias por dia.

A legalização da eutanásia abrirá as portas para a eutanásia passiva. Os motivos economicistas e de poupança são reais. Para alguns é justificável a eliminação das vidas dos mais débeis, dos deficientes e dos doentes terminais, não havendo justificação para continuar a gastar dinheiro público nos casos incuráveis. O Estado poderá restringir os tratamentos mais inovadores e dispendiosos à população mais idosa ou com doenças incuráveis. Ao dessacralizar a vida humana, através da legalização da eutanásia, o Estado pode restringir, por exemplo, o acesso a um tratamento oneroso como é o caso da hemodiálise a doentes com idade superior a 80 anos que sofram de doenças graves. Esta medida configurará uma eutanásia passiva, já que irá abreviar a vida de muitos idosos pela recusa de um tratamento indispensável. Significa, portanto, que a eutanásia passiva pode vir a ser aplicada a qualquer um de nós.

A coação moral para que os doentes terminais solicitem a eutanásia irá ocorrer forçosamente. Com a legalização da eutanásia surgirá uma enorme pressão sobre aqueles que, por qualquer motivo, possam sentir-se como uma carga para os familiares ou para a sociedade. Deste modo, dissemina-se a desconfiança e o temor junto dos idosos e de todos os doentes graves.

Uma vez quebrado o direito fundamental da defesa da vida, a eutanásia involuntária será inevitável. Rapidamente se passará da eutanásia voluntária à eutanásia involuntária, pois uma vez legalizada a primeira, depressa se cai na segunda. Muitos doentes com doenças graves ou incuráveis tornam-se vítimas vulneráveis, já que perdem a capacidade de se defenderem e de expressarem a sua vontade. Esta é, sem sombra de dúvida, uma expressão de totalitarismo. Desta forma, a coletividade poderá dispor da vida do indivíduo quando esta se torna inútil e dispendiosa, não garantindo a proteção da vida humana independentemente das circunstâncias. Refiro-me, nomeadamente, à eutanásia involuntária em recém-nascidos ou crianças com graves deficiências congénitas, ou mesmo em doentes demenciados incapazes de expressar o seu consentimento.

Um dos principais argumentos dos defensores da eutanásia assenta na ideia de que a vida humana não tem sempre o mesmo valor e nalgumas circunstâncias a vida torna-se indigna, justificando por isso que seja eliminada. Mas a vida humana, como afirmou o psiquiatra Viktor Frankl, tem sempre um sentido quaisquer que sejam as condições em que se desenvolva, e que esse infinito sentido da existência abrange também o sofrimento, a miséria e a morte.

Médico Psiquiatra

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Assembleia Da República

Paridades

Luis Teixeira

Eu já decidi: o meu voto vai para o primeiro partido que apresente uma lista só de homens ou só de mulheres, em que metade deles (ou delas) se declare do género oposto para efeitos civis e políticos.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)